Sindicato dos motoristas do Piauí terá de pagar multa após descumprir liminar em greve do transporte em Teresina

Foto: Francisco Sousa/Sintetro

Entidade descumpriu frota mínima de ônibus durante paralisação nos dias 13 e 14 de outubro

ALEXANDRE PELEGI

O Sintetro (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Piauí) confirmou a greve de ônibus em Teresina para esta quarta-feira, 28 de outubro de 2020.

No entanto, a entidade terá outra preocupação além de manter e organizar o movimento paredista.

A Justiça decidiu aplicar multa no valor de R$ 100 mil contra o Sintetro por descumprimento da liminar que determinava a circulação de 70% da frota de ônibus nos horários de pico e 30% nos demais horários durante a greve realizada nos dias 13 e 14 de outubro. Nesses dias a categoria desobedeceu a decisão da Justiça.

O desembargador relator Giorgi Alan Machado expediu ofício à Polícia Federal para que se apure crime de desobediência por parte do presidente do sindicato. O Sintetro tem agora prazo de cinco dias para depositar a multa em juízo, sob pena de bloqueio de contas.

O magistrado intimou ainda que o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) se manifeste, também no prazo de cinco dias, sobre o pedido apresentado pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), quanto à porcentagem mínima de funcionamento da frota de ônibus.

MOTIVOS DA GREVE

A paralisação foi realizada porque, segundo os rodoviários, as empresas não pagaram o ticket alimentação e o plano de saúde aos funcionários.

Conforme já noticiado pelo Diário do Transporte, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 22ª Região determinou que as empresas terão que pagar os benefícios atrasados aos rodoviários.

A determinação foi publicada em 13 de outubro de 2020, com dez dias para cumprimento. Caso as empresas descumpram o que foi decidido pelo Tribunal, a multa será de R$ 5 mil por dia até que se atinja o limite de R$ 100 mil.

Com a decisão favorável, a greve de ônibus em Teresina foi suspensa no último dia 14 de outubro. O transporte coletivo municipal voltou a operar normalmente a partir de quinta-feira (15).

No entanto, como as empresas não pagaram o ticket alimentação e o plano de saúde aos funcionários, como estava apalavrado, a categoria decidiu retomar a paralisação nesta quarta-feira, 28 de outubro.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Maria Salete Araújo de Oliveira disse:

    Os ônibus que fazem linha pra o vale do gaviao ontem dia 29 de outubro de 2020 param de circular a partir das 05:30h, um absurdo isso !., e um desrespeito com nos trabalhadores assalariados q infelizmente dependemos de ônibus como o nosso único meio de transporte pra ir ao trabalho mais,contribuímos com o pagamento de nossas passagens diariamente prabo pagamentos dos salários dos trabalhadores do sistema coletivo todos os mese. Só nesse periido da greve, entre a primeira e essa de agora .Eu já gastei praticamente todo o meu salario.
    O Uber normal ou o tal de 99, nos dias de greve estão cobrando da minha casa ao meu trabalho 58,70
    Moro no vale do gavião e trabalho no. Natan portela, são 14 km da minha casa ate lá , ñ cabe um preço abusivo desses .
    Acho q a empresa q faz linha pra o meu bairro deveria no mínimo me renasci pelo prejuízo q estou tendo.

Deixe uma resposta