Greve de ônibus da Marechal do DF afeta passageiros nesta quarta (21)

Ônibus operam a área 4 da concessão. Foto Arquivo-Ilustrativa

Paralisações da companhia têm sido constantes por falta de pagamento de salários e benefícios

ADAMO BAZANI

Mais uma vez passageiros são afetados por uma greve de ônibus da Auto Viação Marechal, no DF – Distrito Federal.

Os trabalhadores cruzaram os braços na madrugada dessa quarta-feira, 21 de outubro de 2020, novamente por causa de atrasos em pagamentos de salários e benefícios.

Assim, todos os 489 ônibus da companhia estão parados. Parte da frota foi estacionada nos terminais de Ceilândia e Samambaia.

A empresa alega que foi afetada pela queda de demanda de passageiros em razão da pandemia de Covid-19 e que nesta terça-feira (20) aguardava o depósito de um repasse do Governo do Distrito Federal, o que, ainda segundo a companhia, não ocorreu.

De acordo ainda com a viação, enquanto que no auge da pandemia foi obrigada a circular com 100% da frota, a demanda de passageiros estava em 40% do habitual de antes da proliferação da doença detectada pela primeira vez na China.

A Marechal presta serviços na Área 4 da concessão dos transportes do DF, que envolve regiões como Samambaia, Taguatinga, Ceilândia, Recanto das Emas, Águas Claras, Guará, Gama e Santa Maria.

Recentemente a empresa tem registrado diversas paralisações por atrasos nos pagamentos de salários e benefícios.

OUTRO LADO

Em nota ao Diário do Transporte, a Auto Viação Marechal informou que já pagou o adiantamento salarial. Confira a nota, na íntegra:

Mesmo com todos os esforços da Auto Viação Marechal no sentido de quitar o adiantamento salarial e a cesta básica dos seus funcionários, o Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal, mais uma vez, se mostrou insensível a esses tempos difíceis de pandemia e resolveu paralisar as operações desde o início da manhã desta quarta-feira (21).

A empresa Marechal vem a público explicar que aguardava um repasse do governo do Distrito Federal, para terça-feira (20), mas houve um atraso por parte do governo local. O recurso deve sair somente nesta quarta-feira (21), quando as operações já encontram-se paralisadas. A empresa aguarda esse recurso para quitar o adiantamento dos salários.

É importante lembrar que a crise causada pelo novo coronavírus reduziu em cerca de 60% o número de passageiros transportados, mas a empresa continuou operando com 100% da frota desde o início da pandemia, não reduziu salários ou suspendeu contratos, mantendo todos os postos de trabalho sem nenhuma demissão. Isso fez com que os custos permanecessem os mesmos, porém a receita da empresa passou a ser apenas 40% do que era antes da pandemia, levando à insustentabilidade da operação. A queda na arrecadação criou uma situação muito difícil para o sistema de transporte público.

Mesmo diante de toda dificuldade, a empresa tem se esforçado para não prejudicar seu maior patrimônio que é o corpo de funcionários. No último dia 6, os salários e horas extras foram pagos após a empresa recorrer a um empréstimo. Desde a semana passada a Marechal busca um novo empréstimo, mas o banco ainda não finalizou o processo.

Com relação a nova tarifa técnica, divulgada na semana passada, já foram encontradas algumas inconsistências na forma de cálculo, que estão sendo tratadas pela empresa.

A Marechal segue com seu compromisso de prestar um serviço de qualidade a população do Distrito Federal e está buscando, de todas as formas, os recursos necessários para garantir a sustentabilidade de sua operação.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Jardel de Castro Araújo Manhães disse:

    É uma falta de compromisso do governo do DF em relação a população do DF e arredores, para quem está indo esse dinheiro que o governador “repassa para as empresas para “cobrir ” os custos??

  2. Ariel Costa disse:

    Mas o sindicato tá certo, da mesma forma que um funcionário não pode dever a empresa a empresa também não pode dever o funcionário

Deixe uma resposta