Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis prevê retomada do setor para primeiro trimestre de 2021

Publicado em: 4 de outubro de 2020

ABLA aposta no aluguel de carros para motoristas de aplicativo e para quem ‘foge’ do transporte coletivo. Foto: Divulgação.

Queda chegou a 30% na locação diária de carros para turismo de negócios e lazer

JESSICA MARQUES

A crise gerada pela pandemia de Covid-19 causou uma queda no aluguel de carros para lazer e turismo de negócios. Segundo dados da ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis), a locação diária era de 480 mil veículos no fim de 2019 e em setembro de 2020 o volume de locações foi de 430 mil.

De acordo com o presidente do Conselho Nacional da ABLA, Paulo Miguel Júnior, a redução na locação diária chegou a 30% para lazer e turismo de negócios. Contudo, o processo de retomada já foi iniciado e a recuperação está prevista para o primeiro trimestre de 2021.

“Imaginávamos que teríamos uma retomada mais acelerada no pós-pandemia, mas a locação diária está muito ligada a aeroportos. Como os aeroportos não retomaram a integralidade dos voos, a gente não vai conseguir retomar em 100%. Exceto em feriado, que as pessoas estão alugando carros para viajar para evitar ônibus e aviões”, afirmou o executivo.

PERFIL DE PÚBLICO

De acordo com Paulo, a frota de locadoras do país é de aproximadamente 1 milhão de veículos. Deste total, 52% é para terceirização de frota, 20% para motoristas de aplicativo e 28% para locação em turismo de negócio e lazer.

“Para motoristas de aplicativo já retomou em 100%. Esse número cresce organicamente. Agora a locação diária retomou em torno de 70%”, relatou.

Em meio à pandemia, 160 mil motoristas de aplicativo devolveram os carros alugados. Agora, segundo a associação, a média é de 200 mil automóveis locados para esse fim.

Segundo Paulo, um dos principais perfis de público novo para o serviço em meio à retomada é quem está fugindo do transporte coletivo. Assim, é possível observar uma migração de passageiros para o aluguel de carro, buscando uma alternativa para fugir de aglomerações.

“Temos as pessoas que venderam os carros antes da pandemia e que utilizavam transporte público e estão voltando para o transporte individual, mas boa parte está fugindo do transporte coletivo”, detalhou.

Além disso, está previsto um aumento no número de motoristas de aplicativos como Uber e 99 que alugam carros para transportar passageiros.

“As próprias empresas de aplicativos de transporte incentivam que os motoristas usem carros de locadoras, porque são veículos novos, com manutenção em dia, o que garante conforto aos usuários”, observou.

ÔNIBUS

No setor de transporte por ônibus, a queda no movimento foi ainda maior. Recentemente, houve uma redução na demanda das empresas de transporte coletivo de todo o país, por conta das medidas de isolamento social. Alguns municípios relatam diminuição de mais de 70%, segundo a NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos).

Em meio à retomada das atividades paralisadas por conta da pandemia de Covid-19, a Mercedes-Benz lançou uma campanha para empresas de ônibus divulgarem ações de combate ao vírus.

A ação teve o objetivo de justamente esclarecer que o transporte coletivo é seguro, ressaltando as medidas de segurança tomadas pelas empresas. Sob o mote “Vá de ônibus. Vá seguro”, clientes e parceiros da montadora agora podem divulgar ações de higienização no interior dos veículos.

Relembre: Mercedes-Benz lança campanha para empresas de ônibus divulgarem ações de combate à Covid-19

Desta forma, a empresa busca incentivar o uso do transporte coletivo, para movimentar a indústria e evitar que o transporte individual seja um problema ainda maior na mobilidade urbana, com a aquisição de carros e motos.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta