Marcopolo remaneja trabalhadores do Rio de Janeiro para o Espírito Santo e fará desligamentos de funcionários que não vão mudar

Publicado em: 2 de outubro de 2020

Ônibus sendo fabricado na planta do Rio de Janeiro

Segundo fabricante, fechamento da unidade que nasceu como Ciferal, em Duque de Caxias, se dá por estratégia de redução de custos

ADAMO BAZANI

Uma parte dos funcionários da unidade Marcopolo em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, está sendo remanejada para a planta de São Mateus, no Espírito Santo.

A informação é da própria fabricante em resposta aos questionamentos do Diário do Transporte na tarde desta sexta-feira, 02 de outubro de 2020, sobre os trabalhadores.

A reportagem mostrou na manhã que a empresa confirmou oficialmente o fechamento da planta que tinha sido aberta pela Ciferal, antiga fabricante de ônibus do Rio de Janeiro que foi adquirida pela Marcopolo (veja histórico abaixo). O perfil Ônibus Minha Segunda Casa havia divulgado a informação.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/10/02/marcopolo-confirma-oficialmente-fim-da-unidade-de-urbanos-do-rio-de-janeiro-em-30-de-outubro/

Na nota-resposta ao Diário do Transporte, a Marcopolo não informou a quantidade de funcionários transferidos, mas disse que os trabalhadores demitidos irão receber alguns benefícios além dos previstos em lei.

“Alguns colaboradores foram remanejados para a unidade São Mateus e os demais serão desligados. Além de todos os encargos previstos em lei, a empresa está oferecendo como benefícios adicionais: 8 meses de plano de saúde, 4 meses de vale alimentação, cesta de final de ano  e brinquedos de natal aos filhos dos colaboradores.” – diz trecho da nota.

Ainda em reposta ao Diário do Transporte sobre os ônibus que começaram a ser feitos no Rio de Janeiro, a Marcopolo informou que a produção será absorvida pelas plantas de São Mateus, no Espírito Santo e Caixas, no Rio Grande do Sul.

“A demanda de produção será absorvida tanto pela unidade São Mateus quanto pelas plantas de Caxias do Sul, de acordo com a eficiência operacional e a estratégia comercial de acordo com cada negócio.”

Em comunicado ao mercado, a Marcopolo informou na manhã desta sexta-feira, 02, que o fechamento da planta do Rio, especializada em modelos urbanos, ocorrerá no dia 30 de outubro de 2020.

Segundo a empresa, medida é para redução de custos e incremento da eficiência com a concentração das operações brasileiras em um número menor de fábricas.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/10/02/marcopolo-confirma-oficialmente-fim-da-unidade-de-urbanos-do-rio-de-janeiro-em-30-de-outubro/

PLANTAS:

Modelo da Ciferal dos anos 1980, antes, portanto, da aquisição pela Marcopolo

A planta do Rio de Janeiro é especializada em ônibus urbanos com origem na antiga Ciferal, tradicional encarroçadora  do Estado, fundada em outubro de 1955 pelo imigrante austríaco Fritz Weissman. Em maio de 1999, a Marcopolo comprou a parte da RJ Administração e Participações S.A. na Ciferal, correspondendo a 50% das ações. A RJ Participações era formada por cerca de 200 empresas de ônibus do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais. Em abril de 2001, a Marcopolo comprou a outra parte da Ciferal passando a controlar assim integralmente a companhia. O nome Ciferal, que era a sigla de Comércio e Indústria de Ferro e Alumínio, deixou de ser utilizado definitivamente em 2013, quando foi adotada a nomenclatura Marcopolo Rio.

A área física da Marcopolo Rio é de  211.846 m² e a área construída: 74.484 m².

Já a fábrica de São Mateus , no Espírito Santo, é bem mais recente, começando as atividades em 2014, para atendimento dos mercados das regiões Norte e Nordeste do País com os miniônibus da marca Volare, pertencente à Marcopolo S.A.  Em 2019, foi oficializada a produção de ônibus escolares e também de carrocerias urbanas da Marcopolo para chassis de motor dianteiro.

A área física da planta de São Mateus é de 822.000 m², com área construída de 65.547 m²

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta