Sapucaia do Sul decide romper contrato com Real Rodovias, atual concessionária do transporte municipal

Publicado em: 28 de agosto de 2020

Foto: Jaime Zanatta / GBC

Empresa opera na cidade desde 2018 em caráter precário. Suspensão dos serviços está marcada para 19 de setembro

ALEXANDRE PELEGI

A prefeitura de Sapucaia do Sul, município com 140 mil habitantes na Região Metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, notificou a Real Rodovias que vai suspender o contrato de concessão com a empresa, atual prestadora dos serviços de transporte coletivo urbano.

A notificação foi realizada na quarta-feira da semana passada, 19 de agosto de 2020.

Segundo a prefeitura, nova empresa deve assumir o transporte em 20 de setembro.

A justificativa para o rompimento do contrato está a qualidade dos serviços prestados pela empresa e na falta de pagamento dos funcionários.

Como mostrou o Diário do Transporte, em junho deste ano os trabalhadores da Real Rodovias realizaram uma paralisação em decorrência de atrasos no pagamento de salários e férias. Relembre: Paralisação parcial do transporte em Sapucaia do Sul (RS) deve durar até quarta-feira (17)

Ainda de acordo com a prefeitura, a nova empresa vai operar por seis meses por meio de contrato emergencial. A expectativa é realizar uma licitação para definir uma nova empresa nesse período.

No final de julho, Sapucaia do Sul lançou Aviso para dar início ao processo licitatório do Sistema Público de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros.

A Real Rodovias vem atendendo a cidade por meio de decretos em caráter precário.

No aviso publicado no Diário Oficial da União do 29 de julho de 2020, o objetivo da prefeitura, após estudos e análises técnicas, é elaborar um Termo de Referência com vistas à publicação de Edital de Concorrência Pública para o sistema de transporte coletivo municipal. Relembre: Sapucaia do Sul, na Grande Porto Alegre, justifica licitação do Sistema Público de Transporte Coletivo

Ainda segundo a publicação, o critério da futura concorrência será o da melhor proposta técnica com preço da tarifa fixado no edital de R$ 3,70 por lotes, individualmente.

O objetivo específico do processo licitatório será a contratação de 5 empresas que deverão operar o Sistema Público de Transporte Coletivo do município através da outorga de 5 Permissões de Serviços Públicos.

As empresas que forem contratadas para o serviço de transporte municipal serão responsáveis pela exploração e operação de 21 linhas de forma consorciada, com um total de 33 veículos operantes.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta