PRODATA inova com Biometria Facial 2.0 em Porto Alegre e Belém

Publicado em: 20 de agosto de 2020

Novo Motor Biométrico possibilita a comparação das fotos tiradas no momento do uso do cartão com a foto do cadastro mesmo quando o passageiro estiver usando máscara

A PRODATA MOBILITY BRASIL inova mais uma vez face diante das necessidades de adaptação da mobilidade urbana para o chamado “novo normal”, onde se faz necessário o uso de máscaras dentro do transporte público.

A PRODATA lança nesta semana nas capitais Porto Alegre e Belém, o novo Motor Biométrico para a Solução de Biometria Facial. Com novos parâmetros de avaliação, é possível a comparação das fotos tiradas no momento do uso do cartão com a foto do cadastro, mesmo quando o passageiro estiver usando máscara.

Como inovação o novo motor traz uma alteração no algoritmo que realiza os cálculos da assinatura biométrica do usuário, obtendo uma precisão maior, o que permite mitigar o aumento dos custos nesse momento de retomada econômica.

Por questões sanitárias e de higiene o uso da máscara dentro do transporte público tornou-se obrigatório, o que dificulta a comparação entre as fotos obtidas durante o uso dos cartões com as fotos cadastradas no sistema. Esta dificuldade na comparação sobrecarrega a área responsável pela validação/aprovação das inconsistências encontradas.

De acordo com os resultados preliminares, já é possível notar que obtivemos grandes melhorias no processamento das imagens, que tínhamos antes do início da pandemia (Covid-19), levando em consideração que neste momento o usuário está fazendo uso de máscaras”, comenta Slamatula Vardaramatos, Presidente da Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP).

Também ressaltamos que o Sistema de Biometria Facial em conjunto com o novo motor biométrico possui uma inteligência que sempre está aprimorando e calibrando o reconhecimento”, complementa Natanael Romero, Diretor de operações do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Belém (SETRANSBEL).

Hoje a PRODATA possui um parque de mais de 40 mil Leitores de Biometria Facial, distribuído em mais de 90 cidades, dentre elas, 6 capitais. Fornecidos ao longo de sua história, ele poderá ser aprimorado com esta nova geração de motor. Como aprendemos durante esse período pandêmico, todas as nossas soluções podem evoluir em um curto período de tempo.

A Biometria Facial 2.0 da PRODATA, é um upgrade importante desenvolvido para que nossos clientes e parceiros tenham mais uma ferramenta para enfrentar este momento de retomada das atividades econômicas e de volta à mobilidade urbana, no contexto do “novo normal”.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Boa Tarde…..creio que não é uma boa solução reconhecimento facial…..ou até mesmo biometria…..na verdade porque implantar uma tecnologia dessas num meio de transporte público como o do Brasil, mesmo em Curitiba no Paraná considerado exemplo, não consigo ver qualidade……as grandes capitais e em especial São Paulo , onde vivo….apresenta ônibus velhos….demorados….um sistema de cooperativas em bairros afastados muito ruim….os trens outro exemplo vivem em uma modernização desde 1992….e não melhoram….o metrô privatiza linhas , colocam até trens sistemáticos sem operadores , entretanto, são trens advindos de outros países, onde o seu desenho não traz conforto exemplo da linha 4 amarela, e por aí vai, infelizmente a população não é ouvida, nem participa do estudo….penso assim pois num exemplo claro, utilizo a linha 12 safira da CPTM, anteriormente conhecida como variante (Brás×Calmon-Viana) desde 1979 há 41 anos, quando olho vejo uma diferença apenas o ar condicionado, pois em relação a tempo de viagem está ruim, trechos onde a chamada tecnologia sobre trilhos não resolveu em 28 anos de obras, a questão de velocidade, a estação de Engenheiro Manoel Feio onde para entrar num trem sentido Calmon Viana preciso ir a jardim Romanopois caso contrário tenho que pegar minha mãe no colo e subir mais de 30 ou 40 degrais de uma passarela ruim…..resumindo tudo ruim e quando reclamamos somos tratados de forma fria, irônica,(minha mãe tem problema de mobilidade após AVC), aí pergunto pra quê essa tecnologia se todo transporte é Pífio!!!

Deixe uma resposta