Primeiro trecho do BRT de Sorocaba entra em operação no dia 30 de agosto, diz prefeitura

Sistema de BRT contará com tecnologia de bilhetagem e monitoramento

Inauguração terá 43 ônibus 0 km, sendo 14 superarticulados e 29 padron

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Sorocaba, no interior paulista, anunciou nesta quinta-feira, 13 de agosto de 2020, que o primeiro trecho do BRT (sistema de corredores de ônibus rápidos) será inaugurado no próximo dia 30.

É o primeiro BRT do País construído por meio de uma PPP – Parceria Público Privada.

O Diário do Transporte esteve no dia 10 de maio de 2018 na apresentação do projeto, sob responsabilidade do Consórcio BRT Sorocaba, formado pelas operadoras de transportes MobiBrasil e grupo JSL, além de construtoras. Também é a primeira vez que operadoras de ônibus atuam na concepção das obras, algo mais comum em PPPs de Metrô.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/05/10/sorocaba-apresenta-primeira-ppp-completa-de-brt-do-pais/

O primeiro trecho integra o Corredor Itavuvu   contempla seis linhas dos bairros Vitória Régia, Paineiras e Laranjeiras com destino ao Terminal Santo Antônio e uma linha fará a ligação do eixo norte-sul, saindo do Terminal Vitória Régia em direção ao bairro do Campolim.

Segundo a prefeitura, o “Corredor Itavuvu está localizado na Avenida Itavuvu, possui aproximadamente 6 km de extensão, 12 estações equipadas para embarque/desembarque (sendo 2 de integração) pelo lado esquerdo em nível com os ônibus, tem 3,2 km de ciclovia requalificadas e ganhou novas calçadas nas áreas de influência das estações. Os passageiros terão 57 pontos de acesso distribuídos por estas regiões. Ao final deste corredor, os usuários do transporte têm ainda um novo terminal de ônibus, o Terminal Vitória Régia.”

Para a inauguração do trecho serão colocados em circulação 43 novos ônibus, sendo 14 superarticulados e 29 padron. Os veículos possuem ar condicionado, tomadas USB, wi-fi, monitoramento de câmeras e painéis de informações ao usuário.

Ainda de acordo com nota do poder público, esta frota estará distribuída em seis linhas que integrarão o BRT com saídas dos bairros Vitória Régia, Paineiras e Laranjeiras com destino ao Terminal Santo Antônio e uma linha fará a ligação do eixo norte-sul, partindo do Terminal Vitória Régia em direção ao bairro do Campolim.

O terminal Vitória Régia terá cobertura de estrutura metálica, piso de pavimento rígido, central de monitoramento 24 horas, atendimento de informações aos usuários, sanitários, assentos, wi-fi, espaços comerciais e acesso facilitado por rampas e piso podotátil para pessoas com necessidades especiais. O terminal também abriga um Centro de Controle Operacional (CCO) responsável pela gestão do fluxo de veículos e passageiros.

Ainda na nota, a prefeitura detalha a rede de corredores que é prevista para Sorocaba quando todo o projeto estiver completo:

REDE DO BRT DE SOROCABA:

  • Investimento de R$ 384 milhões em obras de infraestrutura, projetos, desapropriações, material rodante e ITS (Sistema Inteligente de Transporte).

 

  • Desse total, R$ 251 milhões é de fonte privada e R$ 133 milhões da subvenção da Prefeitura de Sorocaba, que contará com R$ 127 milhões vindos do Governo Federal via financiamento da Caixa Econômica Federal e R$ 6 milhões sendo uma contrapartida do próprio município (sem onerar o caixa do município, pois a arrecadação dos impostos gerados pelas obras supri esta necessidade).

 

  • Concessão por 20 anospara construção e operação do sistema.

 

  • 68 km de corredores construídos.

 

  • 3 Corredores BRT(Itavuvu, Ipanema e Oeste).

 

  • 5 corredores estruturais(Sul, Leste, Centro, General Osório e Binário Comendador formado pelas Ruas Hermelino Matarazzo e Comendador Oeterer).
  •  Corredor Sul é formado pelas avenidas Comendador Pereira Inácio, Washington Luiz, Antônio Carlos Comitre e Izoraida Marques Peres.
  • Corredor Central é composto pelas vias: Moreira Cesar [parcial], Rua Cesário Mota, Rua São Bento, Rua Quinze de Novembro, Rua Souza Pereira, Rua Dr. Álvaro Soares, Rua Sete de Setembro, Rua Padre Luiz, Rua Francisco Scarpa, Rua Santa Clara, Av. Pres. Juscelino Kubistchek [parcial] e Rua Leopoldo Machado.
  • Corredor General Osório é integrada pela avenida de mesmo nome do corredor, juntamente com partes das avenidas Ademar de Barros, Afonso Vergueiro, Brasil, e as ruas Professor Toledo, Armando Zuliane, Eurides Fogaça e Maciel Baião.

 

  • 32 estações BRT, sendo 28 preferenciais e 4 de integração.

 

  • 3 novos terminais(Vitória Régia, São Bento e Vila Nova Manchester).

 

  • 96 abrigos de paradadistribuídos nos corredores estruturais.

 

  • 1 garagem.

 

  • 1 Centro de Controle Operacional(CCO).

 

  • Mais de 100 veículos novos, de modelos padron e superarticulado, com tecnologia embarcada composta por wi-fi, câmeras, painéis de mensagens para os usuários e ar-condicionado.

A prefeitura também relacionou algumas das tecnologias empregadas no sistema e os dados operacionais do primeiro corredor:

  1. Controle Centralizado e Previsões CittaMobi;
  2. Monitoramento das Unidades BRT;
  3. Redes de Transmissão de Dados envolvendo 40 km em fibra ótica e centenas de equipamentos;
  4. Monitoramento embarcado;
  5. Comunicação terra-ônibus;
  6. Multimídia, informação e entretenimento;
  7. Sonorização Digital;
  8. Automação padrão SCADA;
  9. Posicionamento do Material Rodante;
  10. Wi-fi gratuito;
  11. Comunicação fixa – Telefonia digital IP;
  12. Alarme de Segurança;
  13. Alarme e Combate a Incêndio;
  14. Bilhetagem e reconhecimento biométrico;
  15. Venda de passagens integrado, aplicativo, bilheteria e autoatendimento;
  16. Energia inteligente e fotovoltaica (energia solar).

 

Dados operacionais Corredor Itavuvu

 

  • Construção de 10 km de pavimento rígido (concreto).
  • Recapeamento de 59.000 m2de pavimentos flexível (asfalto).
  • Edificação de 12 estaçõesequipadas e prontas para embarque e desembarque. As estações são: UPH Zona Norte, Dr. Pitico, Lauro Sanches, Vila Carol, Jardim Paraná, Los Angeles, Maria Antônia Prado, Jardim Atílio, Itavuvu, Santa Cecília, São Camilo, Paineiras.
  • Requalificação de 2,4 kmde calçadas.
  • Recuperação de 3,2 kmde ciclovia (estrutura, pintura e sinalização).
  • Realização de paisagismo e o plantio de 617 novas mudas(primeira fase) de médio porte de espécies nativas da Mata Atlântica.
  • Construção do Terminal Vitória Régia contemplando estruturas metálicas, concreto, pavimento, acabamentos e instalações.
  • Edificação de um Centro de Controle Operacional (CCO) para o início da operação.
  • 350 empregos diretos gerados e 1050 indiretos durante os serviços de construção do Corredor Itavuvu e do Terminal Vitória Régia.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Pedro disse:

    Corredor com 6 Km não e muito pouco?

  2. Paulo Gil disse:

    Pedro, bom dia.

    Muito bem pensado e colocado.

    Será que para 6 Km vale o investimento?

    Quanto vai custar por passageiro transportado, por Km, pelo custo da obra, et, etc, etc,

    Qual a demanda real?

    Com as palavras os especialistas em mobilidade.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta