Sistema de transporte coletivo em São José dos Campos tem baixo índice de contágio pelo novo coronavírus

Publicado em: 1 de agosto de 2020

Prefeitura tem realizado a sanitização dos pontos do transporte coletivo. Foto: Claudio Vieira/PMSJC

Pesquisa encomendada pela prefeitura aponta que apenas 5,8% dos pacientes recuperados disseram acreditar que foram contaminados nos ônibus urbanos

ALEXANDRE PELEGI

Num momento em que muitas informações atribuem ao sistema de transporte coletivo o maior risco de contágio do novo coronavírus, uma pesquisa em entre os pacientes recuperados de covid-19 em São José dos Campos mostra uma diferente realidade.

Sondagem feita pelo Ipplan – Instituto de Pesquisa e Planejamento, realizada na semana passada, do dia 22 ao dia 24, aponta que apenas 5,8% acreditam ter sido contaminados nos ônibus urbanos.

Durante os 3 dias do levantamento solicitado pela Prefeitura, 515 pessoas responderam as questões.

Para a coleta dos dados, os pesquisadores aplicaram o questionário por telefone, com escolha aleatória em todas as regiões da cidade: sul (31%), leste (30%), centro (13%), oeste (10%), norte (9%) e sudeste (7%).

Estratificados por sexo, faixa etária e bairro de residência, o público-alvo teve 265 mulheres (51%) e 250 homens (49%).

PESQUISA DA MARCOPOLO

Como mostrou o Diário do Transporte, a fabricante de carrocerias de ônibus Marcopolo divulgou em 18 de maio deste ano resultados de um estudo sobre saúde e segurança no transporte coletivo. Segundo a pesquisa, a renovação de ar no interior dos ônibus da marca é maior que em ambientes como mercados e aeroportos.

O estudo foi feito em parceria com a Universidade de Caxias do Sul. De acordo com a Marcopolo, todos os ônibus produzidos pela empresa obtiveram desempenho acima dos padrões exigidos pelas normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e também estão alinhados com as orientações e recomendações para renovação de ar e sistemas de ar-condicionado da OMS (Organização Mundial da Saúde) e Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento e Ar-condicionado (ASHRAE).

Assim, neste estudo constatou-se que as carrocerias de ônibus Marcopolo, proporcionam uma renovação de ar até 63% maior do que a vazão exigida em estabelecimentos como supermercados (independente do porte), agências bancárias e saguão de aeroportos. Relembre: Estudo feito pela Marcopolo mostra que renovação de ar em ônibus é maior que em mercados e aeroportos

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Flavio disse:

    sábado morreu um cobrador da expresso Maringá de São José dos Campos com covid 19o nome dele era João Evangelista marques dos santos então confirmado contraiu a doença dentro do transporte público

Deixe uma resposta