ANTT nega diversos pedidos da Viação Itapemirim para abertura de novos mercados

Publicado em: 22 de julho de 2020

Também tiveram pedidos negados empresas como Gontijo, Garcia, Real Maia e Emtram entre outras

ALEXANDRE PELEGI/ADAMO BAZANI

A ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres publicou nesta quarta-feira, 22 de julho de 2020, decisão negando uma série de pedidos de aberturas de novos mercados por empresas de ônibus.

Foram ao todo 112 mercados negados, a maioria da Viação Itapemirim.

Somente para a companhia do Espírito Santo, que está em recuperação judicial desde 2016, foram ao menos 64 negativas, o que representa mais da metade das solicitações.

Tratam-se de serviços propostos para diferentes regiões.

No primeiro semestre, a Itapemirim havia anunciado o pedido de mais de 100 linhas novas ou serviços para ampliar a cobertura da companhia.

Também receberam negativas as empresas Viação Garcia, Princesa do Norte, Kandango, Andorinha, Santo da Guarda, Emtram, Expresso União, Expresso Brasileiro e Expresso União.

Veja lista completa:


ANTT AUTORIZA JUNDIÁ PARA O TRANSPORTE INTERESTADUAL REGULAR

A mesmo tempo em que negou novos mercados para empresas que já atuam no setor, a ANTT publicou as Portaria 432 e 439 autorizando seis outras empresas a prestarem serviço regular de transporte rodoviário coletivo interestadual e internacional de passageiros, sob o regime de autorização.

Como destaque, a Jundiá Transportadora Turística, da região de Sorocaba, no interior paulista.



FRETAMENTO: EMTRAM É AUTORIZADA A PRESTAR SERVIÇOS

Já pela Portaria 433 e 440, a Agência autorizou várias empresas a prestarem serviços de fretamento interestadual e internacional.

O destaque vai para a Emtram – Empresa de Transportes Macaubense Ltda, uma das autorizadas.


Alexandre Pelegi e Adamo Bazani, jornalistas especializados em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Dantas disse:

    A matéria não diz quais os mercados negados pela ANTT. Seria interessante sabermos que linhas são essas. Principalmente as da Itapemirim.

    1. diariodotransporte disse:

      Solicitamos formalmente à ANTT, pois não conseguimos obter esta relação.

  2. orlando silva disse:

    independente das solicitações, é preciso primeiro arrumar a casa , para depois tentar novos mercados. de que adianta a ANTT abrir mão, e depois ter problemas? que teimosia dessa Itapemirim, e cara de pau , por sinal

  3. rdish disse:

    O mais importante da matéria é o motivo dessas recusas: MONITRIIP.

    1. diariodotransporte disse:

      Exatamente.

  4. João Luis Garcia disse:

    Parece piada mesmo, afinal na situação que a empresa encontra-se ainda tem a coragem de solicitar novas linhas para operar.
    A ANTT deveria rever esse novo sistema criado por ela para a concessão de licenças operacionais, uma vez que muitas empresas que estão solicitando as licenças não possuem o mínimo de condições para pleitear as autorizações.

  5. Claudio disse:

    EU ACHO CORRETO QUE ANTT, NÃO AUTORIZE EMPRESAS DE TRANSPORTES A ENTRAREM LINHAS QUE EXITEM? POR EXEMPLO: A LINHA CALDAS NOVAS AO RIO DE JAJEIRO PASSANDO POR PATOS DE MINAS E JUIZ DE FORA, COBRA ATÉ ORIO DE JANEIRO, O CERTO É COBRAR ATE O DISTINO DO PASSAGEIRO.A EXPRESSO UNIAO.

  6. Gilson Медейрос disse:

    Também né, cada linha sem noção, e nada a ver com a operação dela. Lembro de uma que era Santos x Caxambu, outra Niterói x Umuarama, outra Brasília x Cuiabá, além de que mais da metade das linhas rivalizariam diretamente com a Gontijo, o que embora não seja errado, era óbvio que a Gontijo poderia entrar com alguma ação pra barrar

Deixe uma resposta