Projeto prevê proteção para motoristas e cobradores de ônibus de todo país durante pandemia de Covid-19

Publicado em: 15 de junho de 2020

No texto, deputados apontam que os trabalhadores do transporte coletivo estão muito expostos ao coronavírus. Foto: Agência Câmara de Notícias.

Texto menciona instalação de barreiras transparentes nos veículos, pelas empresas de transporte

JESSICA MARQUES

Um projeto de lei que está tramitando na Câmara dos Deputados prevê proteção para motoristas e cobradores de ônibus de todo país durante a pandemia de Covid-19. O PL 3189/20 estabelece medidas para garantir a segurança destes profissionais.

O texto prevê a instalação de barreiras transparentes nos veículos, pelas empresas de transporte. Além disso, o texto também fixa o pagamento das gratificações devidas aos trabalhadores afastados em razão da doença.

Ainda de acordo com o texto, os motoristas e cobradores afastados do trabalho em razão da doença ou por pertencerem a grupos de risco receberão o salário integral, inclusive as verbas não salariais, como auxílio alimentação, e as remunerações extraordinárias, como horas extras. A proposta proíbe ainda a demissão por até um ano após o retorno da licença médica.

O projeto também determina a disponibilização, pelas empresas, de equipamentos de proteção individual, como luvas e máscaras, e de álcool em gel a 70% a todos os trabalhadores.

É prevista ainda a desinfecção dos veículos e terminais rodoviários, a aferição diária da temperatura dos trabalhadores e a afixação de cartaz nos veículos e nos terminais para informar aos passageiros sobre a obrigatoriedade e a importância do uso de máscara e da adoção das medidas de proteção contra a Covid-19.

AUTORES

O projeto tramita na Câmara dos Deputados e foi apresentado pelos deputados do PT Erika Kokay (DF), Jorge Solla (BA), Enio Verri (PR), Padre João (MG), Professora Rosa Neide (MT), Rogério Correia (MG), Pedro Uczai (SC), Paulo Teixeira (SP), Afonso Florence (BA), Benedita da Silva (RJ) e Marília Arraes (PE).

Os autores do projeto argumentam que os trabalhadores do transporte coletivo estão bastante expostos ao novo coronavírus em todo o Brasil, devido às aglomerações que se formam nos veículos, o que contribui para facilitar a propagação do vírus.

“Segundo estudo do Instituto Alberto Luiz Coimbra, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), entre todas as profissões relacionadas a transporte, os rodoviários tiveram vulnerabilidade de 70% ou mais, em uma probabilidade bem alta de contrair a doença. Neste sentido, torna-se fundamental que o Estado assegure plena proteção a esses trabalhadores”, defendem os parlamentares, na justificativa do projeto.

Caso a proposta seja aprovada e sancionada como lei, as empresas de transporte terão dez dias para instalar as barreiras de proteção nos ônibus. Aquela que não cumprir as regras previstas incidirá em crime de infração de medida sanitária. A pena prevista no Código Penal é detenção de um mês a um ano e multa.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Cesar Ramiro da Silva disse:

    Bom dia , sou cobrador de ônibus urbano aqui na cidade de São José dos Campos sp , acho ótimo o projeto , fazemos parte dessa grande massa do grupo de risco sim , devido nossa profissão .
    E infelizmente o prefeito daqui , está querendo acabar com essa categoria e deixar centenas de trabalhadores desempregados , no meio dessa pandemia , muito triste muitos pais e mães de famílias correndo esse risco .
    Poderiam fazer um projeto também que salvaguarda se o nosso emprego .
    Obrigado

  2. Ruy Vidal disse:

    Muito importante essas medidas, creio que deveria ter sido implanta desde o início, visto que nós motorista estamos em risco direto, pois dirigimos e cobramos a passagem, onde muitas dessas passagens são pagas em espécie. Há meu ver durante esse período, poderiam ser obrigatório somente pagamento com cartão (Riocard, bilhete único, etc.). Motoristas e passageiros estariam mais protegidos em contrair o covid-19, viagens mais rápidas e mais seguras, pois motoristas não teria que dividir atenção com cobrança de passagem.

  3. Cristiano disse:

    Só agora alguém olhou para uma categoria que astra exposta a esse vírus
    É ainda assim vai ser votada
    ISSO TINHA QUE SER FEITO NO INICIO

  4. Wanderley disse:

    PARABÉNS aos envolvidos!!! A pandemia foi anunciada em meados de março. E agora, depois de mais de 40 mortes, e sabe-se lá, quantos OPERADORES infectados, vão votar um projeto!!! Estamos expostos há praticamente 04 meses. Só a nossa FÉ em DEUS para nis proteger.

  5. Anderson disse:

    É na verdade o mais importante as autoridades não relatam neste decreto.
    O maior inimigo dos motorista e cobradores é o fato da passagem ser pagas em dinheiro.
    Quando há muito tempo as autoridades vem adiando a implantação dos bilhetes eletrônicos.
    Porque será que não há interesse da obrigatoriedade do mesmo.
    Será o caixa dois das empresas e dos órgãos públicos…?

Deixe uma resposta