Zona Sul da capital paulista recebe 51 ônibus zero km da Transwolff

Publicado em: 9 de junho de 2020

Veículos atendem a duas áreas operacionais do sistema de São Paulo

Inicialmente, nova frota será distribuída em seis linhas e operação começa a partir desta quarta-feira (10)

ADAMO BAZANI

Os passageiros da zona Sul da capital paulista passam a contar a partir desta quarta-feira, 10 de junho de 2020, com 51 ônibus zero-quilômetro.

Os veículos foram comprados pela empresa Transwolff Transportes e Turismo Ltda, operadora do subsistema local de distribuição, e vão ser distribuídos inicialmente em cinco linhas:

D11 (lote 11 de distribuição regional Área Operacional Sudoeste 1)

– 6035/10 – Vila Gilda / Santo Amaro

– 7011/10 – Jardim dos Reis / Jardim Ângela

– 7011/31 – Jardim dos Reis / Jardim Ângela

– 6046/10 – Jardim São Bento Novo / Santo Amaro

– 6258/10 -Jardim São Francisco / Terminal Santo Amaro.

Os ônibus seguem o padrão exigido pela SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema da capital paulista, para veículos novos com itens como elevador para pessoa com dificuldade de locomoção, ar-condicionado, vidros colados e preparação para sinal de Wi-Fi (internet grátis).

Os veículos são de motor dianteiro chassi Mercedes-Benz OF-1724 e com carroceria Caio Apache Vip IV.

Segundo a Transwolff, é a primeira renovação em maior escala durante a pandemia do novo coronavírus.

Como mostrou o Diário do Transporte, por causa do período de quarentena e de restrições impostas pela Covid-19, a SMT – Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes mudou ou suspendeu uma série de exigências às empresas de ônibus da capital paulista.

De acordo com uma publicação no Diário Oficial de 25 de março de 2020, ficou vedada a obrigatoriedade da inclusão de novos veículos no Sistema de Transporte Coletivo Público de Passageiros durante a situação de emergência. Foi aberta a possibilidade de se trocar apenas os ônibus que chegaram à idade máxima permitida, mas de forma facultativa.

Por causa da paralisação parcial da frota, das indústrias de ônibus com férias coletivas e da queda de arrecadação do sistema, a idade média dos ônibus na cidade foi elevada dos atuais cinco anos previstos em contrato para sete anos até 30 de abril de 2022.

Foi definido um novo cronograma de substituição de ônibus:

De forma excepcional, o cronograma de renovação dos veículos fica estendido para:

  • até 31 de dezembro de 2020, para aqueles que deveriam ser baixados até 30 de junho de 2020;
  • até 31 de agosto de 2021, para aqueles que deveriam ser baixados até 31 de dezembro de 2020;
  • até 30 de abril de 2022, para aqueles que deveriam ser baixados até 31 de dezembro de 2021.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/03/25/obrigatoriedade-de-novos-onibus-em-sao-paulo-multas-as-viacoes-e-forma-de-remuneracao-passaram-por-alteracoes-por-causa-de-periodo-de-emergencia-do-coronavirus/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Diego Luiz disse:

    Porque será que nenhuma empresa compra ônibus com suspensão a ar (OF-1721L/OF-1724L/OH-621L/17-230 PRA e tals…penso que a suspensão a ar deveria ser tão obrigatório quanto o ar condicionado…

  2. Leo disse:

    Exatamente por não ser obrigatório, ninguém compra.

  3. ANDRE FERNANDES disse:

    dureza e santo andre sem suspençao a ar sem ar condicionado com tarifa cara sem integraçao com cptm ou seja so o basico

  4. Pedro disse:

    ônibus com elevadores já foi provado que não presta, demora o embarque e os elevadores quase todos quebram e não são mais consertados, alem que so serve para cadeirantes, pessoas com outras deficiência e velhos que se danem, eles tinham e que comprar ônibus com piso baixo, mas como estamos com um governo que só vê os interesses dos empresários, segue assim.

  5. vagner disse:

    Bom Dia a Todos!!!!!

    É impressionante e interessante como algumas ex cooperativas são tão bem ADMINISTRADAS .
    Meus parabéns a esses administradores.
    Vagner

  6. Marcus disse:

    6110 com convencionais, agora sim. Intervalos muito bons e demanda bem alta.

Deixe uma resposta