Caio oferece soluções com custos acessíveis para proteção contra Covid-19 em ônibus

Publicado em: 22 de maio de 2020

Entre elas está kit de opcionais composto por proteção em vidro para o motorista e para o cobrador

JESSICA MARQUES

A Caio, fabricante de carrocerias de ônibus urbanos, informou por meio de nota que está oferecendo soluções com custos acessíveis para proteção contra a Covid-19 nos ônibus da marca. O desenvolvimento foi feito por meio de uma equipe multidisciplinar ligada a pesquisas e inovação.

Também de acordo com a Caio, entre as soluções está um kit de opcionais que alia proteção à facilidade de ser adaptável em todo o portfólio de produtos da marca.

O kit é composto por uma proteção em vidro para o motorista e para o cobrador, evitando o contato direto com os passageiros. A vantagem, segundo a fabricante, é que os itens podem ser rapidamente instalados em veículos zero-quilômetro e nos que estão em operação. As peças desenvolvidas são de fácil higienização e manuseio, também de acordo com a Caio.

Para os passageiros, há duas soluções com possibilidade de aplicação imediata: sanefa transparente nos assentos preferenciais, com o objetivo de isolar e proteger pessoas que se enquadram nos grupos de risco. Poltronas demarcadas por capas na cor vermelha, produzidas em material de fácil higienização, que podem indicar os assentos a não serem ocupados, para manter o distanciamento social necessário.

Estão sendo desenvolvidos também, outros itens técnicos, de fácil aplicabilidade, como o higienizador de mãos e equipamento para aferição de temperatura, a serem instalados na entrada dos veículos“, informou a Caio.

O objetivo é manter a biossegurança do modal, que vem sendo estudada pela empresa desde o início da pandemia, com o intuito de desenvolver materiais e soluções técnicas para atender à nova necessidade global, apontados pelos órgãos de saúde, preconizando ambientes que propiciem menor propagação de vírus, bactérias e fungos”, explicou.

PESQUISA

A fabricante contou ainda que a análise e pesquisa de materiais estão sendo desenvolvidas em parceria com universidades. Por sua vez, as soluções técnicas, foram desenvolvidas pela equipe de pesquisa e inovação do Grupo Caio, formada por engenheiros, designers, especialistas em marketing e especialistas em desenvolvimento de fornecedores.

Estamos trabalhando continuamente para que todos possam continuar usando o transporte coletivo, como meio prioritário de locomoção, sem receio de utilizá-lo. O desenvolvimento de soluções eficientes requer estudo e análise de viabilidade, aplicação, durabilidade, custo benefício, entre outros. No momento, pensamos em todos esses fatores para auxiliar nossos clientes nessa fase de adaptação a essa nova realidade, que não sabemos se será duradoura”, explicou o gerente de Design da Caio, Roberto Barduco.

ÔNIBUS EM ÉPOCA DE COVID-19

Estudos realizados pela empresa também mostram que o ambiente interno dos ônibus tem uma troca constante de ar, colaborando com a não propagação de COVID-19. Segundo engenheiros da Caio, nos ônibus, devido à elevada taxa de renovação de ar proporcionada pelos ventiladores e exaustores, ar condicionado, janelas, alçapões e tomadas de ar naturais, a troca de ar é muito maior que em ambientes fechados, com pouca ventilação, sendo que este elevado nível de troca de ar auxilia na dissipação das microgotas emitidas em conversas, proporcionando um ambiente mais seguro e limpo.

As trocas de ar, considerando apenas os exaustores e ventiladores nas unidades da marca Caio Induscar, chegam a 33% acima do estabelecido por norma e 63% acima do estabelecido para locais fechados como escritórios, bancos e supermercados.

Os ônibus coletivos, tão necessários no momento atual, podem e devem ser utilizados pela população, sendo fundamental a consciência dos passageiros em utilizarem as máscaras e manterem o distanciamento necessário. São, por exemplo, mais seguros do que automóveis que transportam mais de uma pessoa, não tendo espaço suficiente para o distanciamento necessário.”

Além disso, diretores da Caio enfatizaram estar focados em atender às necessidades de clientes, passageiros, motoristas e cobradores, por meio da biossegurança.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Entendo que poderia ter sido feito algo mais leve, o cobrador vai se sentir encarcerado; mas …

    Agora falta a CAIO acabar com o texturizado nas peças internas para evitar acúmulo de sujeira e facilitar a limpeza.

    Esta questão do texturizado nas peças internas é uma questão que eu observo faz tempo, mas nada; vamos ver se o meu amigo COVID-19 conquista mais essa evolução do buzão.

    Lembrando que a legítima CAIO não colocava nada texturizado dentro dos buzões.

    OBS.: Faltaram as fotos do kit para o cok pit do piloto.

    SAÚDE A TODOS!

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzão e Emoção é a Paixão”

  2. José Carlos de Mendonça Pimentel disse:

    É preciso colocar proteção para os Motorista. já que à porta dianteira que deveria ser
    colocado antes do eixo dianteiro. À Caio só colocar depois do eixo. colocado sempre o embarque de passageiros de lado do Motorista.do lado direito.

Deixe uma resposta