ABC descarta ideia de rodízio de veículos para conter avanço da pandemia neste momento

Publicado em: 11 de maio de 2020

Ônibus em Santo André.

Na capital paulista, modelo mais rígido entrou em vigor nesta segunda-feira, 11

ADAMO BAZANI

Os prefeitos do ABC Paulista descartaram neste momento um rodízio de veículos na região.

Na manhã desta segunda-feira, 11 de maio de 2020, houve uma assembleia extraordinária entre os chefes dos executivos da região de forma virtual pelo Consórcio Intermunicipal ABC.

Havia a possibilidade de implantar a restrição, mas a medida foi descartada na assembleia.

O presidente do Consórcio, Gabriel Maranhão, disse que será mantida apenas a redução de frota do transporte coletivo para desestimular os deslocamentos.

O secretário geral do consórcio, Edgar Brandão falou também sobre o aplicativo para monitorar os casos de Covid-19 no ABC. Foram mais de 2600 acessos e foi constato mais de 1,1 mil caos de suspeitas.

O aplicativo é o CovidData, desenvolvido em parceria com a UFABC – Universidade Federal do ABC.

Brandão destacou a grande quantidade de jovens entre os casos suspeitos com gravidade.

Segundo o consórcio, depois de banners divulgados na CPTM, os acessos cresceram e a intenção agora é divulgar os aplicativos nos ônibus municipais do ABC.

Outro ponto discutido na Assembleia foi a ocupação dos leitos em 56,1% dos leitos, entre enfermarias e UTIs.

DOAÇÕES:

O presidente do Consórcio e prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão, ressaltou que a entidade continua recebendo doações de alimentos e produtos de higiene e limpeza para serem destinados a comunidades carentes da região.

Nesta semana, houve participação de escolas particulares do ABC.

O endereço para doações é a sede do Consórcio que fica na Av. Ramiro Colleoni, 5 – Centro, Santo André, perto da prefeitura e entre as paradas Alfredo Fláquer e IV Centenário do Corredor ABD, da Metra.

RODÍZIO EM SÃO PAULO:

Na capital paulista, entrou em vigor nesta segunda-feira, um novo modelo de rodízio de veículos mais rígido.

Pelo novo modelo de rodízio da cidade de São Paulo, somente podem circular em dias pares carros com placas de finais pares. Nos dias ímpares do mês, só podem circular carros com placas finais ímpares.

O rodízio vale por 24 horas para cada tipo de placa e se estende por todas as vias da cidade.

O transporte coletivo em São Paulo registrou ônibus, trens e metrô mais lotados na manhã do primeiro dia de rodízio municipal de veículos mais rígido, medida para tentar desestimular o deslocamento das pessoas e reduzir o ritmo do avanço da Covid-19.

A prefeitura de São Paulo informou que precisou acionar 460 dos 600 ônibus dos bolsões para dar conta da demanda maior.

Além destes ônibus, foram colocados em circulação mil coletivos diretamente.

Houve também um aumento de 12% de passageiros no pico da manhã no Metrô.

Na CPTM, o crescimento da demanda foi um pouco acima de 15%.

Na EMTU, o aumento foi maior que o esperado, principalmente na região do Capão e foi necessário colocar mais ônibus.

A linha 4-Amarela  e Linha 5-Lilás do Metrô tiveram aumento também.

A frota de trens em todo o sistema de trilhos de São Paulo foi ampliada em cerca de 20%

Categorias profissionais como da área da saúde, segurança pública e de outros serviços essenciais e veículos que atendem os setores de saúde e abastecimento, por exemplo, estão isentos. Os carros de aplicativos não estão livres do rodízio e os táxis estão dispensados das restrições.

Quem tem direito a se livrar do rodízio e não tinha isenção no rodízio comum deve mandar um e-mail para isencao.covid19@prefeitura.sp.gov.br , ou pelo Portal 156.

Confira os principais pontos sobre o rodízio neste link:

https://diariodotransporte.com.br/2020/05/10/rodizio-municipal-de-veiculos-em-sao-paulo-volta-mais-rigido-nesta-segunda-feira-11-o-que-voce-precisa-saber/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Roberta Dias disse:

    Precisam aumentar o número de ônibus nas ruas. Muitas empresas voltaram a trabalhar, o que obriga os trabalhadores a enfrentarem ônibus lotados aumentando o risco de contaminação. Aí eu me pergunto: “Os governantes estão tomando medidas para beneficiar e proteger quem mesmo?” ….a população? ha tá porque não é o que está parecendo. Prefeitos, vereadores, secretários, subsecretários e toda a cadeia de empregos que sustentamos com nosso impostos poderiam se dar ao trabalho de acompanhar 1 dia de deslocamento da população que depende de transporte público durante esta pandemia antes de deliberar essas reduções de frota.

  2. Difícil dizer quem é mais BURRO, asno,,Se em SP , ou região do ABC, çpois isso só vai prejudicar os dependentes dos coletivos,,,que tem carro sai de boa,,,,,Um erro….reduzir a frota significa, lotação,,,,é a lógica…

Deixe uma resposta