Greve do Metrô de SP adiada com pagamento da 1ª parcela da PR, mas segunda parcela ainda está sendo negociada

Publicado em: 9 de março de 2020

Assembleia prevista para hoje foi desmarcada, mas dia 16 haverá audiência no TRT e dia 17 deve ser realizado novo encontro com os trabalhadores na sede do sindicato

ADAMO BAZANI

Até pelo menos o dia 17 de março de 2020, a cidade de São Paulo está livre da possibilidade de uma greve do Metrô. Assim, as operações serão normais.

De acordo com a assessoria de imprensa do Sindicato dos Metroviários de São Paulo ao Diário do Transporte, a estatal pagou a primeira parcela da PR – Participação nos Resultados.

Com isso, a assembleia marcada para esta segunda-feira, 09 de março de 2020, foi remarcada inicialmente para o dia 17 de março.

Isso porque, no dia 16 deve ser realizada uma audiência entre o Sindicato dos Metroviários e o Metrô o TRT – Tribunal Regional do Trabalho, para discutir a segunda parcela, que inicialmente deveria ser de 44,5% do salário base de cada funcionário, mas esta forma de pagamento bem como o percentual ainda estão em aberto.

A questão se arrasta desde 2019.

Um julgamento do Tribunal [Regional do Trabalho de São Paulo] no ano passado garantiu uma participação de resultados dos trabalhadores num valor que foi determinado em juízo sobre a campanha salarial de maio de 2019 e que deveria ser pago em 28 de fevereiro de 2020. O Metrô então conseguiu uma liminar no TST – Tribunal Superior do Trabalho suspendendo este pagamento.

Após ameaça de greve na semana passada, as negociações foram retomadas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Alecofe disse:

    Melhor terceirizar logo o metrô!

  2. Elayne disse:

    Nossa todo o país buscando soluções por conta do coronavirus, trabalhadores preocupados com essa crise e uma possível recessão e os metroviarios pensando em fazer greve. Essa não é a hora precisamos pensar no próximo e não em si mesmo. Precisamos nos unir para sairmos o quanto antes desta pandemia e depois eles terão muito tempo para solicitarem suas reivindicações de forma mais justa.

Deixe uma resposta