Luxemburgo já é primeiro país a ter transporte gratuito no mundo

Publicado em: 29 de fevereiro de 2020

Primeiro-ministro eleito em dezembro de 2018 prometeu priorizar o meio ambiente

ALEXANDRE PELEGI

Desde este sábado, 1º de março de 2020, Luxemburgo, pequeno Estado soberano situado na Europa Ocidental, limitado pela Bélgica, tornou-se o primeiro país do mundo a tornar todo o transporte público gratuito.

Como mostrou o Diário do Transporte em matéria de dezembro de 2018, o pequeno país planejou essa ação logo após as eleições. Relembre: Luxemburgo se tornará o primeiro país a tornar todos os transportes públicos gratuitos

As tarifas de trens, bondes e ônibus foram suspensas segundo os planos do governo de coalizão liderado por Xavier Bettel, que assumiu o segundo mandato como primeiro-ministro em 5 de dezembro de 2018.

Bettel prometeu priorizar o meio ambiente durante a campanha eleitoral.

A cidade de Luxemburgo sofre de alguns dos piores congestionamentos do mundo. Morada de cerca de 110.000 pessoas, recebe 400.000 que se deslocam para a cidade para trabalhar.

Enquanto o país como um todo tem 600.000 habitantes, quase 200.000 pessoas que vivem na França, Bélgica e Alemanha cruzam a fronteira todos os dias para ocupar postos de trabalho em Luxemburgo. Um estudo apontou que os motoristas gastaram uma média de 33 horas em congestionamentos em 2016.

Luxemburgo já vinha demonstrando uma atitude progressista em relação ao transporte. No verão de 2018 o governo trouxe transporte gratuito para todas as crianças e jovens com menos de 20 anos. Alunos do ensino médio passaram usar transporte gratuito entre sua casa e a instituição de ensino. Os passageiros pagaram apenas € 2 (cerca de R$ 9) por até duas horas de viagem, que em um país de apenas 2.599 quilômetros quadrados cobre quase todas as viagens.

Agora, desde este sábado, todos as tarifas foram abolidas.

Conforme um aviso do governo, não é necessário mais uma passagem para embarcar em nenhum ônibus, trem ou bonde nacional.

No entanto, bilhetes e passes de trem de primeira classe permanecerão válidos: não haverá alteração ou desconto. O transporte público gratuito termina na fronteira do país. Por esse motivo os bilhetes internacionais foram reavaliados, e viajantes de países vizinhos passarão agora a se beneficiar com tarifas reduzidas.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Dênis disse:

    Daria certo em cidades brasileiras? Em algumas talvez, mas em outras os ônibus correriam o risco de se tornarem albergues sobre rodas. O que poderia ser contornado com a cobrança de tarifa simbólica (por exemplo, 1 real)

    Especificamente em São Paulo, o subsídio poderia ser maior. Atualmente está perto de 40% em média. 50% de subsídio é razoável e justificável: o viário é escasso, a manutenção do viário é proporcional à frota da metrópole, e precisamos conter a poluição do ar e o calor das emissões.

    Mas as tarifas em São Paulo estão distorcidas. A integração comum cobre 4 viagens em 3 horas. A integração do vale transporte cobre apenas 2 viagens. Alguém TEM que propor na campanha eleitoral, no mínimo, um meio termo de 3 viagens (3 ônibus ou 2 ônibus + 1 trem) em 3 horas pra integração comum e VT. 3 viagens usando trem são suficientes para ligar quaisquer dois pontos da capital de São Paulo. É um absurdo o VT não cobrir qualquer deslocamento. É inclusive crime de discriminação contra o trabalhador dos bairros mais isolados e a fórmula pode ser derrubada na justiça, basta vontade.

    Com essas duas medidas, é possível reduzir a tarifa já em janeiro de 2021!

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Uma questão para reflexão e futura matéria.

    Tarifa zero, reduzirá os congestionamentos e aumentará a demanda do buzão?

    Bom pensar nisso, porque os políticos apaixonados por isenção e caridade com o dinheiro do contribuinte vão querer imitar Luxemburgo e arrumar mais despesas para nós pobres e mortais contribuintes.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Roberson disse:

    Pessoal,
    Cidade de Marica/RJ também oferece transporte gratuito de ônibus à algum tempo, então Luxemburgo não é o primeiro.
    Podem me corrigirem se eu estiver enganado.

  4. Wilson disse:

    …..” O transporte público agora será financiado em grande parte por meio de impostos que compõem o orçamento nacional. Isso deve significar uma economia de viagens para famílias “de baixa renda”, disse o ministério de Bausch. “O esquema se aplica a residentes, viajantes internacionais e turistas”. A decisão deve representar cerca de 100 euros de economia anual por lar. ” …..Vamos entender : NÃO EXISTE TRANSPORTE PUBLICO GRATUITO , ALGUÉM VAI TER QUE PAGAR A CONTA E O CUSTEIO VIRÁ SOBRE NOVOS IMPOSTOS. Na realidade um dia otransporte publico será gratuito , pois todos nós sabemos que manter um carro ( IPVA, Seguro Privado, Manutenção, Tx de estacionamento , Pedagio , Combustivel ) e horas perdidas no transito não será mais possível. e um outro detalhe com o transporte gratuito muita gente vai perder o emprego nas industrias do sitema automobilistico; Petroquimicas, industria da tecelagem, industria siderurgica e metalurgica, montadoras, transporte ( fretamento ) , industrias satelites da terceirização etc e etc………ICMS vai cair. principalmente no Brasil.

  5. Vagner disse:

    No Brasil tem varias cidades com tarifa ZERO um total de 13 cidades inclusive aqui no estado de São Paulo, Luxemburgo é um Pais.

Deixe uma resposta