Após população ficar sem transporte coletivo, Prefeitura de Marabá contrata empresa de ônibus em caráter emergencial

Publicado em: 17 de fevereiro de 2020

Medida temporária vai contar com 60 ônibus por 30 dias. Foto: Divulgação.

Operação está sendo realizada pela Integração Serviços

JESSICA MARQUES

No fim de semana, as empresas de ônibus de Marabá, no Sudeste do Pará, descumpriram uma determinação da Justiça e suspenderam as atividades. Após a população ficar sem transporte coletivo, a Prefeitura decidiu contratar uma empresa de ônibus em caráter emergencial.

O contrato celebrado entre a Prefeitura e a empresa Integração Serviços tem validade de 30 dias, podendo ser prorrogado por mais 30, até o encerramento do processo licitatório, que está em andamento.

A população ficou sem ônibus porque as empresas Nasson Tur e TC, responsáveis pelo transporte público na cidade, deveriam continuar atuando por 90 dias até que a Prefeitura finalizasse a contratação de novas companhias.

A determinação da Justiça de Goiás, expedida em 10 de fevereiro, foi descumprida no fim de semana e a Prefeitura precisou realizar uma contratação emergencial.

Segundo a administração municipal, desde as primeiras horas desta segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020, os ônibus da nova empresa de transporte coletivo, Integração Serviços, já circulam em Marabá atendendo os usuários de todos os bairros.

Inicialmente são 40 veículos, devendo elevar esse número para 60 ônibus até o final desta semana. A frota chegou na madrugada de sábado, 15, oriunda do estado do Goiás.

Nova-empresa-de-ônibus-Sérgio-Barros-11-870x522

Segundo informações da Prefeitura, todos os veículos passaram por vistoria pelo DMTU (Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano) ainda no domingo, 16.

“O contrato celebrado entre a empresa de transporte Integração Serviços e a Prefeitura de Marabá prevê que 10% da frota, obrigatoriamente, deve ter ar condicionado. O contrato tem validade por 30 dias, podendo ser prorrogado por mais 30, ou até o encerramento do processo licitatório para contratação de empresa definitiva, que está em andamento”, informou a Prefeitura, em nota.

O empresário Clésio Siqueira, proprietário da empresa de transporte, afirma que todos os itens do contrato com a Prefeitura serão cumpridos para atender toda a população da melhor forma possível.

“No contrato emergencial ficou para atender com 60 veículos. Vamos iniciar com 40 e durante a semana vamos chegar aos 60. Vão ser mantidas as rotas e em relação ao terminal não vamos poder utilizar pois é da empresa anterior, e vamos absorver também grande parte da mão de obra da empresa anterior”, explicou Siqueira, em nota.

De acordo com o secretário de Segurança Institucional, Jair Guimarães, o contrato é temporário para que a população não venha a ser prejudicada com a falta de transporte coletivo.

“Foi uma semana de tratativa com a empresa, nós conseguimos esse contrato com essa empresa de Anápolis. Chegaram 40 ônibus sendo 6 com ar condicionado e todos os veículos adaptados para cadeirantes. São ônibus melhores e com certeza vai dar tudo certo”, disse Jair Guimarães.

A Prefeitura informou que todos os direitos dos usuários, como meia passagem, gratuidade para os idosos, assentos para prioridades e cadeirantes, estão sendo respeitados. O valor da passagem inteira está sendo cobrado no valor de R$ 3,60.

LICITAÇÃO

A prefeitura de Marabá, município brasileiro no sudeste do estado do Pará com mais de 270 mil habitantes, realizou em 30 de janeiro de 2020, a Audiência Pública para apresentação e discussão do estudo técnico que fundamentará o Termo de Referência para o edital para concessão do transporte público.

Relembre: Marabá (PA): Audiência pública apresentará edital de licitação de nova empresa do transporte coletivo

Segundo havia adiantado antes do encontro o secretário de segurança institucional, Jair Guimarães, a nova empresa de transporte coletivo terá que atender a população com um mínimo de 77 veículos, sendo sete reservas e 70 em operação. Outra exigência é que 25% da frota sejam compostos por veículos novos e os demais com até cinco anos de uso.

A elaboração do Termo de Referência consumiu 22 dias de estudo de campo, realizado com base na circulação dos 30 ônibus que operam hoje no sistema.

O Termo de Referência, após colhidas as sugestões da Audiência Pública, seguiu para a Comissão de Licitação da Prefeitura, para que seja criado o edital de convocação.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta