Caio comercializa 117 ônibus para três empresas da Grande São Paulo

Campos dos Ouros adquiriu 80 unidades para Guarulhos

Parte da frota do modelo Apache Vip IV já foi entregue

ADAMO BAZANI

A Caio comercializou recentemente 117 ônibus para empresas da Grande São Paulo.

Todos os veículos são do modelo Apache Vip IV, em diferentes configurações, com chassis Mercedes-Benz de motor dianteiro.

A Viação Campos dos Ouros, que opera o sistema municipal de Guarulhos, adquiriu 80 unidades. Todos são chassis OF-1721, dos quais, 18 com suspensão pneumática (OF-1721L). Parte desta frota já está na garagem.

Já a CS Brasil, do sistema municipal de Mogi das Cruzes, comprou 27 novos ônibus. O modelo Caio Apache Vip IV foi encaroçado em chassis OF-1721, com suspensão metálica.

Os veículos estão em fase final de preparação para logo entrarem em circulação.

Para Mogi das Cruzes, são 27 novas unidades

A Radial Transporte Coletivo, que integra o Consórcio Unileste, da Área 4 da EMTU  – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos, recebeu dez unidades do modelo Apache Vip IV em chassis Mercedes-Benz OF-1724 L, que possuem maior potência, além de oferecerem suspensão pneumática.

A Área 4 da EMTU compreende as cidades de Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Suzano e São Paulo.

Já seguindo o aditivo contratual assinado com a STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos, os veículos possuem ar-condicionado.

Como mostrou o Diário do Transporte, no início deste ano, a EMTU anunciou que até o fim de 2020, devem ser incluídos no sistema, 561 veículos novos com ar-condicionado em substituição aos ônibus que completarão dez anos de uso.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/01/24/sem-licitacao-definida-e-prestes-a-aumentar-tarifa-emtu-promete-561-novos-onibus-com-ar-condicionado-em-2020/

Na Grande São Paulo, EMTU passa a exigir ar-condicionado

A encarroçadora se prepara para atender a mais encomendas para a Grande São Paulo.

Estão em fase de produção, por exemplo, mais veículos Caio Apache Vip IV para o sistema de Santo André, no ABC Paulista, conforme já havia anunciado o prefeito Paulo Serra.

Também há novas encomendas para a cidade de São Paulo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Não é a legítima Caio, mas merece os parabéns, não dá para negar o sucesso.

    Mas sugiro a Caio, ouvir mais os comentaristas do DT e pensar agora na ergonomia e outros quesitos interno do buzao.

    – Bancos e encosto de cabeça mais macios;

    – Aumentar a largura do corredor interno (pensa no Amélia);

    – Tirar o texturizado das peças internas, pois só acumula sujeira;

    – Diminuir o monte de plástico interno para diminuir o custo e o barulho;

    – Entregar buzão 0 Km sem plástico nos bancos, totalmente desnecessário para o mercado interno;

    – Aproximar e muito o painel da mão do piloto;

    – Aprimorar o botão que abre e fecha as portas;

    E por ai vai.

    Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh e não esqueçam de fazer um novo micro buzinho bonito né (pensa no Carolina de 29 lugares)

    Eu tenho a ideia de um buzão totalmente assecível; se quiserem negociar uns royalties estou a disposição; bem como fazer um micro buzinho com alro grau de acessibilidade.

    O DT tem meu contato.

    Caio, ouça o mercado, vocês não irão se arrepender.

    Att,

    Paulo Gil
    “Buzão e Emoção é a Paixão”

  2. Tiago disse:

    um abraço pro pessoal da área 5 da EMTU

  3. Jackson De Paula Pereira disse:

    Acho o corredor desse modelo muito estreito
    muito ruim

  4. Cleber Fernandes disse:

    Guarulhos continua sem ar condicionado. Uma falta de vergonha.

  5. Alfredo disse:

    Zona leste tá cheia de Apache velho rodando nas linhas da antiga Consórcio PLUS, barulho, vibração e falta de limpeza interna é comum, a noite, muitos motoristas e cobradores desligam as luzes da parte dianteira, fica a maIor escuridão, precisamos por carro novo urgente, a passagem aumentou e o serviço tá pior, acorda prefeitura

  6. Zé Tros disse:

    Paulo Gil, boa tarde,

    1– Bancos e encosto de cabeça mais macios;
    R.: Depende do pedido da empresa. Se ela quiser banco de madeira, as encarroçadoras fazem. Se quiser mais macios, as encarroçadoras fazem tbm.

    2– Aumentar a largura do corredor interno (pensa no Amélia);
    R.:O Amélia só era largo em chassis padron pq estes eram mais largos tbm. Fora isso em chassis com motor dianteiro não tinha diferença para hj. Na verdade, não é o corredor interno que é estreito, são os ônibus que estão transportando mais passageiros do que a lotação permitida a cada dia que passa.

    3– Tirar o texturizado das peças internas, pois só acumula sujeira;
    R.:Concordo, principalmente em se tratando de empresas que não priorizam a limpeza interna dos veículos.

    4– Diminuir o monte de plástico interno para diminuir o custo e o barulho;
    R.:O plástico é largamente utilizado por ser um material leve e com isso interferir o mínimo possível no peso do veículo. Quanto mais pesado for, maior é o consumo de diesel e menor é a carga transportada.

    5– Entregar buzão 0 Km sem plástico nos bancos, totalmente desnecessário para o mercado interno;
    R.:Não acho desnecessário pq protege os bancos de sujeira até a entrega para as empresas.

    6– Aproximar e muito o painel da mão do piloto;
    R.:Dá uma olhada nesse vídeo e observe se o painel está longe “da mão do piloto”. https://www.youtube.com/watch?v=glziOYVpRtI

    7– Aprimorar o botão que abre e fecha as portas;
    R.:Os botões tem acionamento pneumático e precisam ser resistentes devido ao uso constante das portas.

    8– Caio, ouça o mercado, vocês não irão se arrepender.
    R.:Pelo visto o mercado já foi ouvido pela Caio, haja vista que a empresa lidera a venda de carrocerias no segmento urbano. Não esqueça tbm que a Caio faz parte do Grupo Ruas, um dos maiores grupos de transporte do país.

    Dá uma procurada no google pela NBR 15570 e veja que as carrocerias são feitas baseadas nas diretrizes dessa norma do Inmetro.

    Abraço,
    Zé Tros

Deixe uma resposta