Metrô de SP contrata empresa para eliminar pontos vulneráveis em estações e nas linhas 1,2 e 3

Publicado em: 28 de janeiro de 2020

Linha 2-Verde, estação Sumaré

Valor do serviço será de R$ 1,8 milhão e contrato é por 29 meses

ALEXANDRE PELEGI

O Metrô de São Paulo contratou o Consórcio ROBMAK-DMAR para a execução de serviços para eliminar pontos vulneráveis nas Estações e ao longo das Linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha da Companhia.

O Contrato tem valor de R$ 1.825.239,48, base agosto de 2019, e Prazo de 29 meses.

O Consórcio é formado pelas empresas Robmak Engenharia Ltda e Dmar Engenharia Montagens, Calderaria e Serviços Especializados Ltda.

Os serviços serão executados sob o regime de empreitada por Preço Unitário.

Na Planilha de Serviços e Preços, que totaliza o valor final do contrato em R$ 1.852.239,42 estão dispostos 172 itens, dentre os quais se lê 981 m² de gradil eletrofundido (R$ 174 mil); fornecimento de 324 m² de painel de vidro EI 119 (R$ 169 mil) e 161 m² de painel de vidro EI 119A (R$ 125 mil); fornecimento de 141 m² de painel de vidro – PV 01 (R$ 73 mil); fornecimento de 84 m² de guarda-corpo em aço inox e vidro – EE 357 (R$ 50 mil); etc.

O Diário do Transporte questionou o Metrô sobre quais seriam esses “pontos vulneráveis”. Leia a resposta que a Companhia encaminhou à redação:

O contrato foi assinado para a identificação e elaboração de projeto para eliminar pontos de vulnerabilidade patrimoniais, evitando atos que possam trazer prejuízos financeiros e/ou operacionais

A Especificação dos Serviços, como descrito no Contrato, “já está em Poder das Partes”.

Clique no link para ver a íntegra do Contrato e o descritivo da Planilha de preços: Contrato_Metrô_6818721301

metro_pontos

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Roberson disse:

    Não tem pessoal especializado no próprio metrô??porque contratar uma empresa de fora.

  2. Ivo disse:

    O negócio do metrô é transportar pessoas ou fabricar e instalar peças de acabamento para estações?
    Será que valeria a pena retirar funcionários das manutenções dos trens e das linhas para instalar gradis nas estações?
    Será que valeria a pena cancelar serviços de manutenção das linhas para realizar esse serviço?

  3. Roberson disse:

    Deve ter uma equipe de manutenção especifica que possa instalar pois se trata de segurança, claro que não irão fabricar peças ou equipamentos isso não cabe ao metrô

  4. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    O que são considerados pontos vulneráveis?

    Depois de tantos anos…

    Pra quer serve projeto.

    Oooooooooo ponto vulnerável caro estes heim.

    Já pensaram quanto vai custar o vulnerável Aerotrem 15?

    Vai sair mais caro que o VLT de Cuiabá.

    Anotem ai.

    Att,

    Paulo Gil

  5. Ivo disse:

    Mas Roberson, você ainda defende que o metrô retire funcionário da manutenção para perder tempo com isso?

  6. Ivo disse:

    Ainda não descobrimos se os comentários do Paulo Gil são realmente sérios (isto é, se ele realmente acredita nas coisas que escreve mesmo com o Adamo publicando diariamente informações que desmentem as opiniões de Paulo Gil) ou não passam de mera troça da cara de todos aqui.

Deixe uma resposta