EMTU quer concluir neste ano licitação na Grande São Paulo e Vale do Paraíba

Sistema do ABC reúne diversas reclamações de passageiros

Na região metropolitana de São Paulo, novos contratos deveriam ter sido assinados em 2016. No ABC, por interferência de empresários de ônibus nunca foi feita uma concorrência

ADAMO BAZANI

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos quer concluir neste ano de 2020 duas licitações de sistemas que gerencia e estão com atrasos: da Região Metropolitana de São Paulo e da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Note.

A meta faz parte do Plano de Negócios da EMTU 2020.

Para a licitação do sistema do Vale do Paraíba e Litoral Norte, a STM – Secretaria de Transportes Metropolitanos institui em julho de 2018, uma Comissão de Trabalho que deveria atuar no diagnóstico do sistema da região, traçar as diretrizes e a modelagem do que se deve esperar dos transportes entre os municípios. O Diário do Transporte noticiou a criação do grupo.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/07/11/emtu-prepara-licitacao-dos-onibus-no-vale-do-paraiba-e-litoral-norte/

A concorrência ainda não foi lançada.

Em relação à Região Metropolitana de São Paulo, a novela é mais antiga. A licitação para melhorar o sistema deveria ter sido realizada em 2016, quando venceram os contratos assinados em 2006. Mas bloqueios pelo TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo e na Justiça atrasaram o certame. Em entrevista a portais de mobilidade, entre os quais o Diário do Transporte, em 21 de fevereiro de 2019, o presidente da EMTU, Marco Antônio Assalve, disse que queria lançar a licitação ainda no primeiro semestre daquele ano, o que não ocorreu.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/02/22/licitacao-da-emtu-todos-os-onibus-terao-wi-fi-de-imediato-e-havera-cronograma-de-ar-condicionado-alem-da-exigencia-de-motor-traseiro/

A Região Metropolitana de São Paulo é dividida em cinco áreas operacionais.

A área 5, correspondente ao ABC Paulista, é, de acordo com o IQT – Índice de Qualidade dos Transportes da EMTU, a pior delas.

Nesta região, nunca foi realizada licitação por causa dos empresários locais.

Por cinco vezes, os donos de viações do ABC Paulista esvaziaram a concorrência alegando não concordar com as exigências da EMTU pelo fato de os custos operacionais da região, segundo eles, serem mais altos que das outras áreas operacionais e não haver estudos de impacto de obras de mobilidade como o monotrilho da linha 18 e o Expresso ABC da CPTM.

O monotrilho não vai sair mais do papel. O governador João Doria substituiu o projeto dos trens leves com pneus por um corredor BRT, que vai ser operado por empresários de ônibus.

O Expresso ABC, em sua essência, não vai sair tão cedo. Originalmente, seria um sistema auxiliar a linha 10-Turquesa. Hoje, na prática, o que existe é um serviço semi-expresso, entre Santo André e Tamanduateí, parando em São Caetano, que parte de meia em meia hora somente em horários de pico: para Tamanduateí de manhã e para Santo André à tarde.

Numa sexta vez, no âmbito de uma das recuperações judiciais mais longas da história da Justiça Brasileira, usando um processo de Manaus, o empresário Baltazar José de Sousa conseguiu bloquear a licitação no ABC, mas a decisão já foi revertida pela EMTU.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Marcos Borges disse:

    Ou seja quem mora na região metropolitana da cidade vai continuar com.a mesma rotina de pagar transporte CARÍSSIMO e não ter um benefício sequer. E ser transportado igual.ou pior que gado. É mas o brasileiro já é acostumado a ser humilhado.

  2. Marcos disse:

    Engracado que aa linhas licitadas na regiao de alphaville tem pessimos intervalos…linhas com demanda reprimida que se melhorar horarios os passageiros aparece

Deixe uma resposta