Tarifa de ônibus em Santos sobe para R$ 4,65 na segunda, 13 de janeiro

Publicado em: 10 de janeiro de 2020

Prefeitura ainda destacou perda de demanda

O reajuste é de 8,1%. Segundo prefeitura, peças, combustíveis e salários pressionaram custos dos transportes

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Santos, no litoral paulista, publicou nesta sexta-feira, 10, no Diário Oficial da Cidade, decreto reajustando o valor da tarifa de ônibus, que passa dos atuais R$ 4,30 para R$ 4,65 a partir da segunda-feira, 13 de janeiro de 2020.

O reajuste é de 8,1%

A meia tarifa dos estudantes passa para R$ 2,30

Aos domingos, permanece válida a meia tarifa para pagamento com cartão transporte comum.

Os créditos comprados antes do reajuste ainda serão descontados pelo valor de R$ 4,30.

Em nota, a prefeitura relacionou os itens que mais pressionaram os custos dos transportes, ressaltou que o sistema não tem subsídios e que a perda de 8% de passageiros também influenciou nos cálculos.

O sistema de transporte coletivo em Santos não é subsidiado pela Prefeitura e o reajuste anual da tarifa está previsto no contrato de permissão com a Viação Piracicabana, empresa que opera o serviço na Cidade.

 A definição do novo valor considerou fatores como reajuste de salários (+5%), aumento do custo de combustível (+8%) e de peças (+12%). As variações correspondem a período de 12 meses (dezembro de 2018 a novembro de 2019)

 Contudo, nesse intervalo, o fator com maior impacto na atualização da tarifa foi a redução no número de passageiros transportados pelo sistema (- 8%).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. antonio celso disse:

    Muita gente que reclama da passagem de ônibus em Santos acaba pegando UBER, que acaba saindo bem mais caro do que uma viagem de ônibus urbano dentro de Santos.
    Tem gente que fala que a passagem podia ser mais barata e os ônibus mais confortáveis, mas não revelam como essa mágica acontece pois para isso ser possível só com mágica mesmo.
    Um dos gastos que deve pesar muito é o de combustíveis, pois os ônibus mais param do que andam, haja diesel pra dar conta disso!!! Uma cidade que tem semáforos a cada quarteirão, isso sem contar a frota de carros que não cabe nas ruas, e em vez de alargar ruas a prefeitura torna-as estreitas, faz ciclovias que quase ninguém usa, não há fluidez no trânsito, e uma viagem que nos anos 80 era feita em um meia hora acaba sendo feito em uma hora e meia!

  2. Marcos Barroso disse:

    Perfeita a sua analise ANTONIO CELSO. Nada a acrescentar ! ! !

Deixe uma resposta