Gestão Bruno Covas cria Comissão de Licitação para conceder terminais de ônibus

Publicado em: 10 de janeiro de 2020

Terminais de ônibus podem receber imóveis

Nesta semana, prefeito sancionou lei que prevê as concessões de áreas municipais

ADAMO BAZANI

Passado apenas dois dias da promulgação da lei que possibilita concessões de áreas públicas na cidade à iniciativa privada, a gestão do prefeito Bruno Covas já oficializou a comissão de licitação de Parceria Público-Privada (PPP) para conceder os terminais de ônibus municipais.

A portaria 1 de 2020, em conjunto entre a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes e a Secretaria de Governo Municipal, foi oficializada nesta sexta-feira, 10 de janeiro de 2020.

Foram nomeados para a comissão “visando a Parceria Público-Privada (PPP) na modalidade de concessão administrativa para administração, manutenção, conservação, exploração comercial e requalificação dos terminais de ônibus vinculados ao sistema de transporte coletivo urbano de passageiros na cidade de São Paulo” os seguintes servidores: Luiz Paulo dos Santos Diniz (presidente), José Luiz Nakama, Luciana Santana Nardi, Antonio Carlos Cintra do Amaral Filho e Ana Cláudia da Costa Aguiar.

A licitação para a concessão dos terminais será de responsabilidade da secretaria de Governo com participação da secretaria de Transportes.

Como mostrou o Diário do Transporte, no último dia 8 de janeiro de 2020, a prefeitura publicou a lei que autoriza concessões de espaços como terminais de ônibus, piscinões, áreas sob viadutos e pontes, bibliotecas, museus e teatros.

A lei 17.258, de 07 de janeiro de 2020, foi uma espécie de manobra “jabuti” da administração municipal. Originalmente, o projeto de lei se tratava apenas a concessão administrativa de uso à Associação dos Amigos do Museu Judaico no Estado de São Paulo de área pública municipal situada na Avenida Nove de Julho.

Os artigos sobre as demais áreas públicas foram inseridos ao projeto original.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/01/08/bruno-covas-sanciona-lei-que-permite-concessoes-de-terminais-de-onibus-a-iniciativa-privada/

Ainda quando era prefeito, João Doria, que deixou o cargo para disputar as eleições estaduais, tentou conceder terminais de ônibus, mas o modelo de licitação não foi definido.

Houve uma tentativa de fazer uma concessão-piloto do Terminal Princesa Isabel, mas como mostrou o Diário do Transporte, a concorrência foi revogada.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/08/03/gestao-bruno-covas-revoga-concessao-para-exploracao-do-terminal-de-onibus-princesa-isabel/

No novo modelo de concessão deve permanecer a proposta de exigir da iniciativa privada investimentos em modernização dos terminais e regiões adjacentes em troca de exploração comercial por quiosques e imobiliária, com a possibilidade de construção de shoppings, postos de serviço, escolas, faculdades, prédios de escritórios e até condomínios residenciais nos terrenos dos terminais de ônibus.

Os Terminais vinculados ao Sistema de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros na cidade de São Paulo estão divididos em três Blocos:

BLOCO NOROESTE:

Correspondente aos terminais Amaral Gurgel, Campo Limpo, Casa Verde, Jardim Britânia, Lapa, Pinheiros, Pirituba, Princesa Isabel e Vila Nova Cachoeirinha, ponto de parada Eldorado e ponto de parada Clínicas;

BLOCO SUL:

Correspondente aos terminais Água Espraiada, Bandeira, Capelinha, Grajaú, Guarapiranga, Jardim Ângela, João Dias, Parelheiros, Santo Amaro e Varginha;

BLOCO LESTE:

Correspondente aos terminais Antônio Estevão de Carvalho, Aricanduva, Cidade Tiradentes, Itaquera II, Mercado, Parque Dom Pedro II, Penha, Sacomã, São Miguel, Sapopemba, Vila Carrão e Vila Prudente, estações do Expresso Tiradentes.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Alfredo disse:

    Novamente o atual prefeito transfere as suas responsabilidades para a iniciativa privada, os inúmeros impostos que pagamos nunca são suficientes, a velha desculpa do estado mínimo será usada para justificar a incompetência, continuaremos com as vias esburacadas, as obras paradas,hospitais lotados, calçadas ocupadas por ambulantes, enfim, continuam vendendo ou alugando tudo e não fazendo NADA

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Mais uma comissão pra que???

    Se coissão desse certo o BarsiLei seria o melhor país do mundo tem termos operacionais.

    Ninguém faz nada.

    Nem no final de semana podemos andar com nossos carros nas faixas exclusivas do buzão de tanto buraco.

    A PMSP está no fundo do poço.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta