EMTU classifica três propostas em licitação para segunda fase do VLT da Baixada

Publicado em: 5 de dezembro de 2019

Sistema de trens leves já deveria ter todo o trecho entregue

Processo de seleção continua, com prazo de cinco dias para recursos

ADAMO BAZANI

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos divulgou nesta quinta, 05 de dezembro de 2019, a continuação do processo de licitação para a construção da segunda fase do VLT – Veículo Leve sobre Trilhos, que compreende 14 estações entre a Avenida Conselheiro Nébias e o Valongo, em Santos.

Foram classificadas nesta fase as propostas da construtora Queiroz Galvão S.A ; do Consórcio TTE (VLT), formado pelas empresas Trail Infraestrutura Eireli, Terracom Construções Ltda. e Engefel Engenharia Civil e Ferroviária Ltda; e do Consórcio Conselheiro Nébias/Valongo, formado pelas empresas Construtora Norberto Odebrecht S.A., OEC S.A. e Odebrecht Engenharia e Construção Internacional S.A.

Esta fase da concorrência leva em conta as propostas técnicas.

Como mostrou o Diário do Transporte, em 30 de agosto de 2019, a EMTU tinha classificado dez empresas ou consórcios na fase da análise das propostas de preços.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/08/30/queiroz-galvao-e-selecionada-para-implantacao-da-segunda-fase-do-vlt-da-baixada-santista/

As três classificadas nesta fase também obtiveram os melhores resultados com a oferta de preços mais baixos.

1º) Queiroz Galvão: R$ 217,7 milhões – com R$ 217.732.987,47 (duzentos e dezessete milhões setecentos e trinta e dois mil novecentos e oitenta e sete reais e quarenta e sete centavos)

2º) Consórcio TTE (VLT):  R$ 233,8 milhões – formado pelas empresas Trail Infraestrutura Eireli, Terracom Construções Ltda. e Engefel Engenharia Civil e Ferroviária Ltda., com R$ 233.851.672,48 (duzentos e trinta e três milhões oitocentos e cinquenta e um mil seiscentos e setenta e dois reais e quarenta e oito centavos).

3º) Consórcio Conselheiro Nébias/Valongo: R$ 233,9 milhões – formado pelas empresas Construtora Norberto Odebrecht S.A., OEC S.A. e Odebrecht Engenharia e Construção Internacional S.A., com R$ 233.920.607,14 (duzentos e trinta e três milhões novecentos e vinte mil seiscentos e sete reais e quatorze centavos).

A partir da publicação desta quinta, 05, foi aberto prazo de cinco dias para eventuais recursos.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta