Metrô de SP abre consulta pública para modelagem da concessão de exploração comercial das estações da linha 2-Verde

Publicado em: 22 de novembro de 2019

Ideia é que setor privado explore comercialmente espaços das estações. Foto: estação Sumaré

Objetivo da estatal é aumentar receitas não tarifárias do sistema. Meta do presidente é que valores possam chegar a 40% do faturamento da empresa

ALEXANDRE PELEGI

A Companhia do Metrô de São Paulo abriu consulta pública para estruturar um processo licitatório com a finalidade de viabilizar a Concessão da exploração comercial das áreas internas das Estações da Linha 2-Verde.

A finalidade, segundo publicação no Diário Oficial desta sexta-feira, 22 de novembro de 2019, é modernizar as instalações existentes e obter melhor aproveitamento do potencial comercial das áreas.

Ainda segundo a publicação, informações sobre o procedimento podem ser obtidas pelo site www.metro.sp.gov.br. Até a publicação desta matéria não constava qualquer dado sobre a Consulta Pública, como data para entrega de propostas e outras instruções.

metro_linh2_concede.png

O processo vai ao encontro do que já manifestou Silvani Pereira, atual presidente da Companhia do Metrô de SP, no final de agosto deste ano.

Em entrevista ao Valor Econômico em 26 de agosto deste ano, Silvani estimou que a participação das receitas não tarifárias no faturamento do Metrô de SP, atualmente de 11%, deve chegar a 15% até o final do ano. O executivo acredita, no entanto, haver potencial de que esse índice alcance 40% do faturamento.

Nessa direção, uma das metas é aproveitar melhor a exploração comercial das estações. Na entrevista, Silvani chegou a citar como exemplos a concessão da estação Brás e de todas as áreas internas das estações da Linha 2-Verde.

Ele citou ainda outras formas para gerar receita adicional, já em prática na Companhia,  como a prestação de serviços consultorias para redes de metrô fora de São Paulo.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta