São Paulo terá ‘calculadora’ para medir poluição gerada pelos ônibus nos próximos 19 anos

Publicado em: 18 de outubro de 2019

Os resultados fornecidos por esta ferramenta fazem parte das obrigações contratuais. Foto: Adamo Bazani.

Ferramenta é resultado de parceria entre SPTrans e Instituto de Energia e Meio Ambiente e será gratuita para viações

JESSICA MARQUES

A capital paulista terá uma “calculadora” para medir a poluição gerada pelos ônibus do transporte coletivo nos próximos 19 anos. A novidade foi divulgada na noite desta sexta-feira, 18 de outubro de 2019.

A ferramenta é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo, por meio da SPTrans, gestora do transporte público da cidade, e o Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA).

Com o nome de Planejamento de Frota (PlanFrota), a calculadora de emissões de poluentes vai auxiliar as empresas de ônibus no monitoramento de emissões atmosféricas de dióxido de carbono (CO2), material particulado (MP) e óxidos de nitrogênio (NOx).

Segundo a SPTrans, o objetivo é “contribuir para que os operadores do sistema cumpram as metas de redução estabelecidas na Lei Municipal nº 16.802/18, que dispõe sobre o uso de fontes de energia menos poluentes na frota de transporte coletivo de São Paulo.”

Além disso, com a ferramenta, a Prefeitura de São Paulo pretende padronizar os relatórios para o monitoramento anual do impacto da frota nas emissões de poluentes entre os anos de 2016 a 2038.

“Desta forma, os resultados enviados pelas empresas operadoras serão consolidados e monitorados pela SPTrans, facilitando a avaliação do cumprimento do cronograma de metas estabelecido na Lei. A PlanFrota já foi apresentada no Comitê Gestor do Programa de Acompanhamento da Substituição de Frota por Alternativas Mais Limpas –COMFROTA”, informou a SPTrans, em nota.

METODOLOGIA

Segundo a SPTrans, as quantidades anuais de emissões de CO2, MP e NOx serão geradas após a inclusão de dados, tais como: tipo de veículo e motor, combustível/tecnologia utilizados,  ano-modelo e presença ou não de ar condicionado.

“O cálculo final das emissões resulta da multiplicação entre a quilometragem percorrida por ano, o fator de emissão de cada poluente e do consumo de combustível por tipo de veículo.”

A SPTrans informou que as empresas receberão treinamento para entender as funcionalidades da planilha e cadastrar a frota de forma correta. Os operadores levarão seus próprios computadores para a instalação do PlanFrota. Os resultados fornecidos por esta ferramenta fazem parte das obrigações contratuais.

COMITÊ

Neste mês, a SMT – Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo alterou a composição do comitê que vai acompanhar a substituição dos atuais ônibus por modelos menos poluentes.

A portaria 125 foi publicada em 09 de outubro de 2019, sendo assinada pelo secretário Edson Caram.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/10/09/prefeitura-de-sao-paulo-altera-comite-que-vai-acompanhar-inclusao-de-onibus-menos-poluentes-na-cidade/

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta