Via Sudeste, da capital paulista, nega PDV e diz que mantém operação normal de linhas e frota

Via Sudeste
Ônibus da Via Sudeste. SPUrbanuss diz que outras empresas também não estão propondo PDV

Nota no site oficial do Sindmotoristas dizia que trabalhadores não deveriam aceitar proposta para programa de demissão voluntária. Sindicato das viações informou que não há PDV ou qualquer programa semelhante em nenhuma empresa de ônibus dos subsistemas de articulação regional e estrutural.

ADAMO BAZANI

A empresa de ônibus Via Sudeste, que atua em parte dos subsistemas estrutural e de articulação regional na cidade de São Paulo, negou na tarde desta quarta-feira, 09 de outubro de 2019, que tenha aberto um PDV – Programa de Demissão Voluntária ou que propôs que os funcionários aderissem a algum outro tipo de desligamento.

A informação constava no site oficial do Sindmotoristas, sindicato dos motoristas, cobradores e demais funcionários dos transportes municipais da capital paulista.

A empresa de ônibus, em uma nota por meio do SPUrbanuss, sindicato que reúne as viações, ainda disse que a informação trouxe insegurança para alguns funcionários. Além de negar o PDV, a Via Sudeste informou que continua operando normalmente as linhas e a frota.

Veja na íntegra:

A empresa Via Sudeste – por meio do SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo informa que não procede a informação divulgada pelo SindMotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo de que a empresa “está propondo, em comunicado, a adesão dos seus empregados ao Programa de Demissão Voluntária.”

A empresa acrescenta que desconhece as razões dessa divulgação inverídica, que traz intranquilidade aos empregados no exercício de suas funções, e que continua mantendo normalmente a operação de sua frota e linhas.

O SPUrbanuss ainda acrescentou que no momento, não há PDV ou qualquer programa semelhante em nenhuma empresa de ônibus dos subsistemas de articulação regional e estrutural.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta