Startup lança primeira rede de recarga para veículos elétricos no Brasil

Zletric inicia com 50 estações e projeta mais 400 para 2020

JESSICA MARQUES

Um dos principais entraves para o crescimento no setor de mobilidade elétrica no Brasil é a falta de infraestrutura. Ter onde carregar os veículos impede que esse mercado avance de maneira expressiva.

Para tentar mudar este cenário, a startup Zletric tem como meta suprir a falta de pontos de recarga de carros elétricos e híbridos no Brasil. A empresa inicia as operações com 50 estações.

As primeiras estações de recarga estão sendo instaladas, por meio de uma parceria, em estacionamentos Safe Park das capitais Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC), além de cidades-chave da região metropolitana dos dois estados.

Em 2020 a expectativa é que sejam instaladas mais 400 estações. “Ainda em 2019 vamos ampliar a malha de estações de recarga para a serra e litoral do RS e SC”, disse.

A Zletric é uma empresa de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e apresentou durante a 15ª Plataforma Latino Americana de Veículos Híbridos-Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias, o conceito inédito de redes de carregamento.

“Esse mercado ainda é pequeno, mas muito promissor. Um dos maiores desafios do nosso tempo é a mobilidade urbana”, avalia Pedro Schaan, CEO do projeto.

Segundo o executivo, as projeções são encorajadoras, uma vez que os carros elétricos representarão 20% do total de novas vendas no Brasil em 2030, totalizando 2 milhões de carros.

“Acreditamos que o carro elétrico é e será o ponto central dessa revolução na mobilidade urbana, mas não podemos deixar de citar outros veículos elétricos, como motos, bicicletas, skates, patinetes e monociclos”, disse.

Disposta em diversos locais estratégicos das cidades, a rede tem como objetivo garantir liberdade de movimento para os proprietários de veículos elétricos, garantindo uma eletrificação segura, inteligente, econômica e sustentável.

 “A experiência que queremos gerar para o usuário é a que ele possa fazer seu deslocamento como fazia com o carro movido a gasolina, sem a preocupação de planejar uma recarga, já que ele poderá usufruir de uma rede interligada, disponível e próxima para carregar seu carro – na sua residência, no supermercado, em lojas e farmácias, no shopping, no seu local de trabalho, etc”, explicou Schaan.

Zletric Home e Zletric Network

Para entrar no mercado, a rede Zletric lançou dois produtos, o Zletric Home e o Zletric Network. Desenvolvidos com tecnologia nacional e produzido no Brasil, o primeiro atende clientes residenciais e o segundo, corporativos.  Toda a linha de produtos sai da fábrica equipada com medidores de energia com homologação técnica junto ao Inmetro e as próprias concessionárias.

Segundo a empresa, o que permite gerenciar remotamente essa rede, identificar clientes e consumos, gerar relatórios e conciliar a energia consumida é o Zletric Link, tecnologia inédita no sistema de recarga de carros elétricos.

Isso garante que o cliente será tarifado de forma correta e justa, além do local do abastecimento ter garantia de reembolso do valor de energia gasto pelo usuário Zletric.

“A conectividade com o Zletric Link se dá através de uma rede de dados sem fio, com cobertura mundial, que é conhecida como internet das coisas, ou IoT, do termo em Inglês. Ela conecta as estações de recarga sem a necessidade adicional de utilizar uma conexão celular, wi-fi ou cabo. Todas as estações são gerenciadas pela Zletric Energy Cloud, uma plataforma em nuvem que faz desde a apuração das recargas dos clientes até a gestão da energia junto a concessionária”, informou a empresa, em nota.

“A operação é unificada através de um código único do tipo QRCODE, de fácil operação, sem a necessidade de cartões de identificação, senhas, TAG´s ou token. É somente localizar a estação, reconhecê-la pelo código que está sempre visível, conectar o meio de transporte e carregá-lo. O pagamento é feito por cartões de crédito, paypal ou voucher.”

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. É isso aí, pegar o que pode aumentar de produção no futuro, próximo. Sair na frente. Não será fácil, tem de haver muito planejamento, bem estudado. Eu mesmo que sou um João ninguém, nem tenho nenhuma formação, antevejo a fila 1- terão de instalar num único ponto, umas 5 tomadas, multiplica isso em cada ponto. 2- locais de fácil acesso, que não atrapalhe a mobilidade, o tráfego, trabalhar em conjunto com estacionamentos, como já foi dito aqui, mas de local seguro e fixo. 3- pontos adaptáveis a carros, vans, bikes, VUCs, ônibus, patinetes elétricos, etc. 4- nas rodovias como será? E na atual conjuntura com os assaltos, e vc ali abastecendo o carro??? (Exemplos são 3 a 6 bombas em cada posto). 5- mais sério mesmo é não se juntar à posto de combustivel, eletricidade não combina com Gasolina, só o odor é suficiente, é como gaz butano. Que dê tudo certo e bem pensado,,,,e….sucesso

  2. Rodrigo Zika! disse:

    Noticia interessante

Deixe uma resposta