Prefeitura de Manaus abre concorrência para concessão de abrigos de ônibus e relógios digitais

Publicado em: 17 de setembro de 2019

Manaus segue caminho da capital paulista, que em 2013 realizou a concessão do mobiliário urbano. Foto: Celina Filgueiras

Capital amazonense passará para a iniciativa privada a instalação e manutenção de relógios de ruas, abrigos e pontos de ônibus em troca de exploração de receita publicitária

ALEXANDRE PELEGI

A prefeitura de Manaus lançou nesta terça-feira, 17 de setembro de 2019, no Diário Oficial da União, aviso de Licitação/concorrência para abrigos de ônibus, incluindo ainda mobiliário urbano para informação (MUPI), Relógios Digitais/Termômetros, “com exclusividade na exploração de receitas publicitárias”.

O edital estará disponível somente a partir do dia 19 de setembro, quinta-feira, no link www.sistemas.manaus.am.gov.br e a concorrência está marcada para o dia 05 de novembro.

manaus_abrigos_concorre

A licitação acontece após o prefeito Arthur Virgílio Neto ter sancionado, em 1º de julho de 2019, a lei nº 2.467 que autoriza a Administração Municipal a outorgar concessão para confecção, instalação e manutenção de elementos do mobiliário urbano.

A lei é ampla, e abarca vários itens do mobiliário além dos abrigos de ônibus e relógios digitais, como sanitários, bicicletários, placas indicativas de rua, abrigos para pontos de táxi, entre outros. Leia no final da matéria a íntegra do texto da Lei.

Manaus segue no mesmo caminho que a capital paulista, que em 2013 realizou a concessão do mobiliário urbano. A Prefeitura de São Paulo passou para a iniciativa privada a troca e manutenção de relógios de ruas, abrigos e pontos de ônibus. Em troca, a concessionária que venceu o certame passou a comercializar propagandas nos espaços.

A licitação na capital paulista em 2013 foi vencida pela empresa Ótima, hoje integrante da holding RuasInvest, do Grupo Ruas, que atualmente administra mais de 7.500 pontos de ônibus.

O grupo RuasInvest Participações, principal acionista da Ótima, é ligado ao grupo de José Ruas Vaz, o maior empresário de ônibus urbanos da cidade de São Paulo. Em 2017 o grupo empresarial comprou os 58,7% correspondentes à parte da Odebrecht Transport e passou a possuir 76,35% da Otima.

O contrato da Otima de concessão com a Prefeitura de São Paulo é de 25 anos, com investimentos previstos nesse período na ordem de R$ 636 milhões.

A estrutura acionária da Otima atualmente é a seguinte: 76,35% da RuasInvest,  17,65%  da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e  6% da Kalitera.

lei_mobilidario_MAnaus

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes 

Deixe uma resposta