Agerba homologa resultado de licitação da nova rodoviária de Salvador

Publicado em: 16 de setembro de 2019

Atual rodoviária de Salvador, em Pernambués, será desativada após a construção do novo terminal. Foto: Elói Corrêa / Governo da Bahia

Consórcio CTRS, formado pelas empresas Sinart e AJJ Participações, deverá operar e explorar comercialmente áreas e serviços do futuro equipamento por 30 anos

ALEXANDRE PELEGI

Agora é definitivo: a AGERBA – Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia homologou o resultado da licitação da concessão da construção e operação do novo terminal rodoviário da capital Salvador.

Como mostrou o Diário do Transporte no dia 3 de setembro de 2019, a Comissão Permanente de Licitação, designada pela AGERBA, já havia naquele dia, conforme publicação em Diário Oficial, habilitado e declarado vencedora da licitação da concessão o Consórcio CTRS – Consórcio Terminal Rodoviário de Salvador. Relembre: Consórcio participa sozinho e vence licitação da nova rodoviária de Salvador

Composto pelas empresas Sinart e AJJ Participações, o Consórcio foi o único a apresentar proposta no dia 06 de agosto de 2019, e foi declarado vencedor ao ofertar pela outorga o valor de 0,41% como percentual único de desconto incidente sobre o valor das TUTEs – Tarifas de Utilização do Terminal.

Além do futuro terminal, caberá ainda ao Consórcio CTRS a concessão da operação da atual rodoviária de Salvador, em Pernambués, atualmente feita pela empresa Sinart. A operação persistirá até a construção do novo terminal, quando o atual será desativado.

O novo Terminal Rodoviário de Salvador será construído às margens da BR-324, em Águas Claras, e tem investimento previsto de R$ 120 milhões. Ele será multimodal, e promoverá a integração entre a futura estação do metrô de Águas Claras, o “VLT” e o terminal de ônibus urbanos e metropolitanos.

A previsão é de que 39 mil passageiros circulem diariamente na nova rodoviária.

O atual terminal, inaugurado em 1974 em Pernambués, será desativado após a inauguração do novo.

Um problema jurídico, no entanto, pode atrasar a construção do novo terminal na região de Águas Claras. Isso porque a área escolhida para a construção da nova rodoviária está envolta em um processo jurídico.

Para prosseguir com o processo de construção, o terreno deve estar na posse do Estado da Bahia. Parte da área pertence à prefeitura de Salvador, conforme declarou recentemente o secretário de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) da capital, o que é contestado pelo Estado.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Ângelo Guedes disse:

    E como ficou a licitação da Agerba ? linhas do setor Juazeiro e Jacobina ? As empresas São Luiz e Falcão Real vão continuar operando com sucatas e falta de partidas mesmo assim ?
    Poderia verificar para nós o Diário do Transporte ? Os munícipes vêem reclamando ao poder público e nada é solucionado , um absurdo ao norte e nordeste da Bahia esse descaso que se arrasta a anos.

Deixe uma resposta