Consórcio participa sozinho e vence licitação da nova rodoviária de Salvador

Foto: Divulgação

Formado pelas empresas Sinart e AJJ Participações, Consórcio CTRS deverá operar e explorar comercialmente áreas e serviços do atual e futuro equipamento

ALEXANDRE PELEGI

Salvador terá uma nova rodoviária.

A Comissão Permanente de Licitação, designada pela AGERBA (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia), habilitou e declarou vencedora da licitação da concessão o Consórcio CTRS – Consórcio Terminal Rodoviário de Salvador.

rodoviaria_bahia

A publicação consta no Diário Oficial do Estado da Bahia desta terça-feira, 03 de setembro de 2019.

Constituído pelas empresas SINART – Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico Ltda e AJJ Participações e Empreendimentos Ltda, o grupo ficará responsável pela administração do atual e futuro Terminal, recebendo o direito de explorar a operação e ficando responsável ainda pela construção e implantação do novo equipamento.

O Consórcio foi o único a apresentar proposta no dia 06 de agosto de 2019, e foi declarado vencedor ao ofertar pela outorga o valor de 0,41% como percentual único de desconto incidente sobre o valor das TUTEs – Tarifas de Utilização do Terminal.

O novo Terminal Rodoviário de Salvador será construído às margens da BR-324, em Águas Claras, e tem investimento previsto de R$ 120 milhões. Ele será multimodal, e promoverá a integração entre a futura estação do metrô de Águas Claras, o “VLT” e o terminal de ônibus urbanos e metropolitanos.

A previsão é de que 39 mil passageiros circulem diariamente na nova rodoviária.

O atual terminal, inaugurado em 1974 em Pernambués, será desativado após a inauguração do novo.

Um problema jurídico, no entanto, pode atrasar a construção do novo terminal na região de Águas Claras. Isso porque a área escolhida para a construção da nova rodoviária está envolta em um processo jurídico.

Para prosseguir com o processo de construção, o terreno deve estar na posse do Estado da Bahia. Parte da área pertence à prefeitura de Salvador, conforme declarou recentemente o secretário de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) da capital, o que é contestado pelo Estado.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. ELIONAI LUIZ BARBOSA disse:

    Se é para o bem da população, que se resolva logo.

Deixe uma resposta