Campinas terá a maior frota de ônibus elétricos do mundo, perdendo apenas para a China

Publicado em: 30 de agosto de 2019

Eletromobilidade é destaque do Edital de Campinas, que prevê uso de ônibus padron elétrico na região central, e articulados elétricos nos corredores BRT. (Clique para ampliar)

Afirmação do secretário do Transporte, Carlos José Barreiro, reflete o edital da licitação lançado nesta quinta-feira, 26, que renovará o sistema de transporte coletivo da cidade

ALEXANDRE PELEGI

Campinas, município com 1,2 milhão de habitantes, 14ª cidade mais populosa do país, maior que muitas capitais brasileiras, terá um transporte à altura de seu gigantismo e importância.

Os números do novo sistema são expressivos: numa época em que a questão ambiental está presente nos debates que envolvem o setor de transporte público, Campinas inova ao projetar que metade da futura frota do transporte público, totalmente renovada, será composta por ônibus elétricos.

As informações são do secretário municipal de Transportes e presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (EMDEC), Carlos José Barreiro.

Em conversa com o Diário do Transporte na tarde desta quinta-feira, 29 de agosto de 2019, mesmo dia em que o Edital saiu publicado no Diário Oficial do Município, Barreiro deu alguns números gerias que demonstram a magnitude do sistema que a cidade pretende implantar. Leia também: Prefeitura de Campinas publica Edital de licitação do Transporte Coletivo

É uma concorrência de quase R$ 7,5 bilhões, para 15 anos de concessão, com opção de renovação por mais 5, numa cidade que transporta cerca de 600 mil passageiros por dia útil”, destaca o secretário.

A concorrência envolve uma frota de 800 ônibus, que será totalmente renovada após um prazo de transição de dois anos, dos quais a metade será composta por veículos elétricos, dos quais muitos articulados que irão operar nos futuros corredores BRT da cidade. Outros percorrerão as ruas da região central do município, num perímetro chamado de Área Branca, que permitirá apenas a circulação de coletivos que ostentem tecnologia limpa, não poluente.

Os 400 ônibus elétricos, Barreiro destaca, responderão por 60% da capacidade dos passageiros transportados de todo o sistema, isso porque boa parte desses veículos estará operando nos corredores estruturantes, portanto serão veículos maiores, do tipo articulados.

Nós estamos criando um modelo que terá uma tecnologia de ônibus não poluentes que será a maior da América, se não for do mundo, excluindo a China”, projeta Barreiro.

Carlos José Barreiro, secretário do transporte de Campinas

Outra questão que o secretário faz questão de citar é quanto à tecnologia embarcada do sistema de ônibus, que será “de altíssima geração”.

Os ônibus terão, de uma maneira integrada, tanto a tecnologia da comercialização, que é a da bilhetagem, quanto uma tecnologia do monitoramento do sistema”. Essa última, explica Barreiro, permitirá coletar informações através de uma Central que será monitorada pela Emdec em tempo real, trazendo dados como posição do ônibus na frota, cumprimento de viagens, itinerários, horários, etc.

Essas informações formarão um banco de indicadores que medirá o desempenho operacional das futuras concessionárias, servindo como parâmetros definidores da remuneração das empresas. “São indicadores de qualidade. Empresas com melhor desempenho terão uma remuneração superior proporcionalmente àquelas que tiverem indicadores menores, pois isso demonstrará pra gente que elas estão oferecendo uma qualidade inferior no atendimento ao usuário”, explica Barreiro.

Outro destaque que Barreiro faz questão de ressaltar é quanto à integração do sistema, que será feita entre os dois grandes modos de operação: o atual, que é operado por ônibus convencional, e o futuro BRT, previsto para meados do ano que vem.

Nosso sistema será totalmente tronco-alimentado. As seis Áreas que a cidade está dividida, cada uma delas conterá um ou dois corredores desses que chamamos de corredores estruturantes. Esses corredores receberão passageiros das linhas alimentadoras, que estarão circulando dentro dos bairros. Esse processo permitiu que aumentássemos a capilaridade do sistema: vamos atender a uma área geográfica bem maior do que atualmente”, explica o secretário.

Campinas_edital_fig01

Ao longo de toda a cidade existirão estações do BRT e Terminais que permitirão a integração que, como descreve o Edital, será feita por tempo de uso, “o que altera o tradicional conceito de serviço de Transporte Coletivo Urbano, onde o passageiro paga a tarifa para utilizar a linha que estiver próxima ao percurso que lhe atende”. Nessa nova abordagem, o secretário explica que o usuário passa a pagar “pelo tempo de uso da rede de transportes, escolhendo a forma que acreditar mais conveniente para completar seu deslocamento”.

Ou seja, a integração passa a ser exclusivamente temporal, e não mais física, dentro de duas horas como funciona hoje, limite de tempo que será preservado no novo sistema a ser concedido.

Carlos José Barreiro afirma que as conquistas tecnológicas serão preservadas, como o aplicativo de transporte, que determina a localização do ônibus; a manutenção do sistema sem cobrador, uma vez que o dinheiro como forma de pagamento já é uma realidade na cidade; e outras inovações recentes, como o pagamento via QR Code. Leia também: Campinas elimina pagamento em dinheiro nos ônibus a partir do dia 19 e promete lançar licitação até março

CORREDORES BRT

Os futuros concessionários assumirão a operação dos corredores BRT assim que a prefeitura, que é o Poder Concedente, finalizar as obras, o que está previsto para 2020. Leia sobre: Com trechos liberados nos 3 corredores, BRT de Campinas já tem 30% de obras concluídas

Barreiro frisa que a operação nesses corredores será feita exclusivamente com ônibus elétrico do tipo articulados.

As Áreas 4 (Sudoeste) e 5 (Oeste) conterão os corredores do BRT. Portanto, na licitação dessas Áreas, além da operação do sistema convencional, as concessionárias que vencerem o certame serão contempladas com a concessão da operação do sistema BRT.

TRANSIÇÃO

Barreiro explica, no entanto, que nada acontecerá repentinamente, “você não consegue instalar um sistema desse estalando os dedos”, brinca. Haverá um tempo de transição, previsto no edital, para que o atual sistema de transporte de Campinas “passe o bastão“ para o novo sistema que será implantado.  Serão três etapas, a serem vencidas num prazo de dois anos.

A Etapa 01 deverá ocorrer no primeiro ano do contrato, especificamente no primeiro semestre contado da emissão da primeira ordem de serviço emitida para as Concessionárias. A Etapa 02 cobrirá o segundo semestre, e por fim a Etapa 03, que fechará o período de transição, com duração de 12 meses.

O descritivo das frotas que comporão cada Área, chamadas de Áreas de Operação Preferencial (AOP), já traz como serão feitas as mudanças ao longo do período de transição:

Campinas_edital_area1

Outro fator que reforça a necessidade desse período de adequação, de passagem do velho sistema para o novo, é a existência de contratos em andamento, que terão de ser substituídos. “Esses contratos só serão descontinuados quando os novos vencedores forem assumindo. Até lá, continua a operação atual”, o que segundo Barreiro não trará problemas para o usuário, que continuará sendo atendido, e acompanhará a introdução pari passu a introdução das melhorias na construção do novo sistema.

RECUPERAÇÃO DO SISTEMA

O secretário está confiante no novo sistema proposto, acreditando que ele será um fator importante para recuperar a atratividade do transporte público coletivo. “Pelo menos há uns 5 anos a gente vem amargando uma queda contínua de passageiros transportados pelo sistema de ônibus em Campinas”, diz Barreiro, que lembra que esse é um problema que atinge as grandes e médias cidades brasileiras.

Nós entendemos que todas as alterações que estamos fazendo nessa licitação, com essa enorme melhoria que nosso sistema vai ter, aliado ao projeto do BRT e tudo o mais, que também diz respeito à melhoria da qualidade, nós acreditamos que teremos dois efeitos cumulativos”, explica Barreiro.

O secretário acredita que o primeiro efeito será “uma recuperação gradual dos passageiros que saíram do sistema”. O segundo efeito, complementar, “será trazer passageiros novos”; são pessoas que hoje se deslocam na cidade de carro ou motocicleta, e que ele acredita que parte delas será atraída para o transporte coletivo.

A aposta de Barreiro é que a atratividade será decorrente de um sistema que será confortável, confiável, com preço justo, cumprindo horário e garantindo o conforto do passageiro. São características, ele confessa, que hoje o atual sistema não tem, que “está deixando a desejar”, completa.

INOVAÇÃO

Quanto a futuras tecnologias, Barreiro faz uma observação: o atual sistema de bilhetagem será mantido por enquanto, para evitar que o usuário não sinta nenhum tipo de impacto. Ou seja, durante a fase de transição ele continuará sendo operado pelas atuais concessionárias, como é hoje.

Vencida essa fase de transição, nós vamos fazer uma licitação para a bilhetagem, que passará a ser controlada por uma entidade privada, independente do sistema de transporte, que se preocupará especificamente com isso, formada por exemplo por empresas do mercado financeiro, como bancos, financeiras, entre outras”, diz Barreiro.

Nessa fase, então, é que acontecerão inovações no sistema de pagamento, o que seguramente promoverá o que de mais avançado existir no mercado. Barreiro cita a possibilidade de uma carteira virtual, que permitirá ao usuário se locomover entre vários modais com um único meio de pagamento não físico.

Ele esclarece, no entanto, que o edital prevê que as inovações podem ser inseridas desde já. “Se uma empresa operadora quiser introduzir alguma tecnologia basta ela solicitar para nós, que avaliaremos e poderemos autorizar a implementação”, conclui.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Mario disse:

    Campinas é uma cidade ingrata com quem precisa pegar transporte coletivo. Além de ter uma tarifa mais cara que a capital, os onibus estão sucateados, demoram, atrasam, não passam. Como o usuário pode confiar num sistema desses. Além disso, é um sistema muito concentrado nos terminais. Você tem que pegar um onibus pro terminal, depois pro centro, depois pro terminal perto do lugar que você vai e, por fim, um último pro bairro que de destino. Perde-se muito tempo. Ainda mais agora sem integração gratuita ilimitada nos terminais, estão sempre pensando numa maneira de ferrar com usuário. Ora, não é de se estranhar então que só utiliza ônibus mesmo quem não tem opção e, por isso, o declínio do número de usuários. E nem adianta reclamar, você é taxado de mentiroso pelo órgão fiscalizador. Perdoem o ceticismo, mas, não acredito nessa propaganda toda. Foi a mesma coisa com o consórcio Bus+ dos ônibus intermunicipais (as mesmas empresas que têm as concessões municipais) que previa wifi, ar condicionado, menitoramento por GPS e uma revolução no transporte da região. Coisa que nunca aconteceu (com conivência da EMTU). Hoje, temos ônibus sucateados, ar condicionado é raridade, wi-fi nunca funciona, e o mapa com a posição dos coletivos mais atrapalha do que ajuda. É uma verdadeira vergonha com a população que precisa desse serviço

    1. Marcos disse:

      Mario em desisti do onibus aqui em Sao Paulo eu pegava 1 onibus para ir trabalhar e gastava 1:10…hj pego 3 onibus e gasto 2:00…dessas 2:00, 0:50 minutos sao nas malditas integraçoes ..fora que qdo era 1 onibus para ir trabalhar ou ia sentado entao deixava o carro em casa…hj pegando 3 onibus so sento no primeiro onde a viagem e de 20 minutos ate o terminal…depois 1:40 minutos de pe ….chego ate cansado no trabalho…ai ano passadp tomei a decisao.de.nao.usar mais onibus…alem.de chegar mais cedo em casa estou sentado no conforto do meu carro e naoe.arrependo disso…muita gente esta fazendo como eu!!

  2. Washington disse:

    Máfia do transporte!! Pq não reativaram as linhas férreas??? Ativando teria menos congestionamento , mais barata seria (viagem) e nada de poluição!!! Pouca vergonha para uma cidade desse tamanho!!

  3. Paulo Gil disse:

    Mario, Marcos e Washington, boa tarde.

    Concordo com vocês.

    A política do Barsil já era há tempos, embora todos sabem mas “eles”, se fingem de surdos.

    Mas a esperança está na Inteligência Artificial e na Ciência dos Dados.

    Essa técnica de Denorex – “Parece mas não é”; muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiitísmo em breve não se sustentará mais.

    Vamos esperar mais um pouquinho.

    A técnica do Denorex e o efeito Tostines; não terão mais espaço no mundo.

    Ou é ou não é.

    De que adianta buzão a baterial se o operacional do buzão do Barsil é da idade da Pedra Lascada.

    É ter buzão a bateria com roda de ferro QUADRADA.

    PODER PÚBLICO, ATUALIZE-SE, MODERNIZE-SE, SAIA DO JURASSÍSMO, SEJA SIMPLES, PRÁTICO, EFICIENTE, EFICAZ, TRABALHEM E GEREM RESULTADOS.

    BLÁ, BLÁ, BLÁ NÃO COLA MAIS; NEM COM SUPER COLA.

    ACORDA BARSIL, LEVANTA E SAIA DO BERÇO ESPLENDIDO.

    TRABALHEM!

    O BARSIL PRECISA É DA FAZEDORIA (© by Paulo Gil)

    Abçs,

    Paulo Gil

  4. Fernando disse:

    Se perde pra alguém não é a maior do mundo….

  5. julio cezario disse:

    Até que enfim,deram um destino justo ao leito abandonado do antigo VLT,uma vergonha para a cidade,que ficou anos a Deus dará.
    Espero como cidadão campineiro,que isso seja verdade e não,mais uma lorota contada em tempos de eleição.

  6. Joao Victor disse:

    kk ou é maior ou não é a maior…decide ai! Jonas e a saúde de campinas como ta? não adianta busão de primeira qualidade se a hora que chegar n o Mário Grátis morre na fila

Deixe uma resposta