Ministério Público apoia “auditoria cívica” no serviço de ônibus do DF

Projeto “Como anda meu ônibus” será lançado hoje na Rodoviária do Plano Piloto, e foi concebido pelo IFC – Instituto de Fiscalização e Controle 

ALEXANDRE PELEGI

Citando uma pesquisa internacional que coloca Brasília no ranking dos dez piores sistemas de transporte público do mundo, um comunicado do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) aproveita o mote para anunciar uma “auditoria cívica” no sistema de ônibus da capital.

Segundo o MPDFT, é para que o cidadão possa avaliar esse serviço, e colaborar para que o governo possa utilizar os dados para melhorar o atendimento.

Com o nome de “Como anda meu ônibus”, o projeto será lançado nesta quarta-feira, 21 de agosto, na Rodoviária do Plano Piloto, com o objetivo de fomentar o controle social da política pública de transporte rodoviário do DF, “cujo custo anual é de mais de R$ 600 milhões”.

Com duração de um ano, a “auditoria cívica” no transporte público do DF é fruto de uma parceira do Ministério Público com o Instituto de Fiscalização e Controle (IFC), de quem partiu a iniciativa.

Integrantes do MPDFT e do IFC estarão no local, das 16h às 18h, explicando a iniciativa e incentivando o preenchimento do questionário. Outras blitze serão realizadas ao longo do projeto, que vai de 21 de agosto de 2019 a 21 de agosto de 2020, informa o comunicado.

A cada três meses, segundo o MPDTF, um relatório da avaliação dos usuários será divulgado e enviado ao governo para que seja utilizado na tomada de decisão.

Para avaliar o serviço bastar preencher um questionário que está disponível no endereço: https://www.ifc.org.br/meu-onibus. O usuário pode avaliar o serviço quantas vezes quiser.

No questionário, que pode ser preenchido no endereço eletrônico do IFC, há questões com respostas por múltipla escolha. Após o usuário se identificar, ele passa a responder sobre a motivação para o uso do transporte (trabalhar, estudar, outra opção) até o tempo de viagem e de espera no ponto.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Meuuuuuuuuuuuuuuuuuu Deus!

    Pra que isso?

    Já temos o serviço consumidor.gov.br; que nunca funcionou e fui utilizar outro dia a única coisa que permite é o consumidor sugerir para que a empresa que ele quer reclamar seja indicada para se cadastrar no site voluntariamente, para que ai sim possamos reclamar.

    Como a empresa que eu queria não estava cadastrada lá, morri afogado na praia.

    Mais um marketing e uma verba do contribuinte desperdiçada.

    Não precisa fazer projeto para saber que a chuva molha.

    O relaxo do buzão é público e notório, na graaaaaaaaaaaaaaande maioria.

    Façam o que tem de fazer e parem com estas perfumarias inúteis.

    BASTA TRABALHAR.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta