Carros cederão espaço para pedestres em rua da estação do Metrô Artur Alvim

Publicado em: 16 de agosto de 2019

Rua Dr. Campos Moura, (Foto: Divulgação)

Projeto de intervenção da prefeitura de São Paulo visa dar mais segurança aos usuários da via e reforçar a conexão entre ônibus e metrô na rua Dr. Campos Moura. Medida terá duração de dois meses a partir deste sábado

ALEXANDRE PELEGI

Calçadas mais largas em lugar de um pedaço de rua onde automóveis passam a maior parte do dia estacionados… Essa é apenas uma das intervenções temporárias que serão feitas a partir deste sábado, 17 de agosto de 2019, na rua Dr. Campos Moura, local da estação de Metrô Artur Alvim, na Zona Leste de São Paulo.

A ação, realizada pela Prefeitura de São Paulo, será entre as ruas Maria Eugênia Celso e Peixoto Werneck, e terá duração de dois meses.

Tudo faz parte do Conviver Sub Penha, projeto de transformação do espaço público que busca tornar a rua mais bonita e segura para todos os usuários.

O subprefeito da Penha, Thiago Della Volpi, explica que a importância da ação, afirmando que o entorno do metrô Artur Alvim “é uma área bastante complexa no sentido de conciliar os diferentes participantes do espaço público”. Segundo ele, intervenções assim “ajudam a reforçar o caráter comercial e de conexão entre ônibus e metrô da Dr. Campos Moura”, afirma.

A subprefeitura da Penha é uma das mais antigas da cidade, e atende cerca de 500 mil habitantes, abrangendo os distritos de Artur Alvim, Cangaíba, Penha e Vila Matilde.

No local está prevista a revitalização da viela e redesenho de cruzamentos – em um deles, carros parados cederão espaço para pessoas com a criação de uma praça.

A CET definirá áreas de embarque e desembarque e criará vagas de carga e descarga, além de vagas especiais para idosos e pessoas com mobilidade reduzida. A Companhia vai alterar o sentido do tráfego nas ruas Peixoto Werneck e Dr. Motta Rezende.

ORIGEM DO PROJETO

Um comunicado da Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito (BIGRS), que apoia o projeto, explica que ele começou a ser desenhado em maio pela Subprefeitura da Penha e contou com a participação da população local.

Foram realizados três encontros para ouvir as sugestões de quem mora e trabalha na região e apresentar as propostas de melhoria, seguidos de três Sextas sem Carros, no mês de julho, nos dias 12, 19 e 26. Após o fim da intervenção temporária, haverá uma avaliação de todas as ações testadas para que seja definido o que será implantado permanentemente”, afirma a Bloomberg.

O Conviver Sub Penha surgiu após a proposta da Subprefeitura da região ter sido selecionada em uma chamada aberta que envolveu as 32 Subprefeituras da capital paulista.

Em setembro de 2018, a Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito (BIGRS) e a Secretaria Municipal de Subprefeituras começaram a trabalhar na ideia de implementar uma transformação do espaço público em uma localidade”, conta o comunicado da Bloomberg, que explica que para a escolha do projeto foram levados em conta aspectos como a grande quantidade de pessoas e a existência de espaços públicos subutilizados, com potencial de mudança.

A intervenção está alinhada com uma visão de cidade que inverte a lógica predominante que coloca o carro em primeiro lugar ao redistribuir o espaço de forma equilibrada entre todos os usuários da rua. Em uma cidade onde dois terços dos deslocamentos são feitos à pé e de transporte coletivo, é necessário repensar o desenho da rua para torná-la mais equilibrada e, consequentemente, mais eficiente”, afirma Hannah Machado, coordenadora de desenho urbano e mobilidade da Iniciativa Bloomberg.

VIDA SEGURA

As ações do Conviver Sub Penha fazem parte do Programa de Metas da Prefeitura para o biênio 2019-2020, por meio do Vida Segura, do Plano de Segurança Viária 2019-2028. O plano é baseado no conceito Visão Zero e Sistemas Seguros, que parte da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito.

O projeto conta com o apoio da Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito (BIGRS), Iniciativa Global de Desenho de Cidades (NACTO-GDCI) e Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil). As ações

No último ano, a Sub Penha tem priorizado a revitalização de espaços públicos para melhor utilização de toda a população. Além de estreitar o contato entre a administração municipal e os munícipes com ações como o “Gabinete Transparente” e o “Sub Penha Esclarece”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta