Raquel Dodge pede ao STF que Valdevan Noventa seja preso

Publicado em: 13 de agosto de 2019

Procuradora diz que há risco para processo. Defesa nega. Foto: Acervo PGR, clique para ampliar

Deputado Federal por Sergipe e presidente licenciado do sindicato dos motoristas e cobradores de São Paulo conseguiu na semana passada direito de continuar respondendo em liberdade às acusações de supostas fraudes eleitorais

ADAMO BAZANI

Colaborou Jessica Marques

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao STF – Supremo Tribunal Federal que seja restabelecida a decisão pela prisão preventiva do deputado federal José Valdevan Santos, do PSC de Sergipe, que também é presidente licenciado do Sindmotoristas, sindicato que representa os trabalhadores em transportes por ônibus na cidade de São Paulo.

Como mostrou o Diário do Transporte, na terça-feira da semana passada, 06 de agosto, a juíza Soraia Gonçalves de Melo, titular da 2ª Zona Eleitoral de Aracaju, chegou a expedir mandado de prisão contra o sindicalista, mas no mesmo dia, o ministro do STF – Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, acatou pedido de reconsideração da defesa e determinou que Noventa fique em liberdade até o julgamento pela corte do Supremo de seu pedido de Habeas Corpus.

O sindicalista é acusado pelo Ministério Público Eleitoral de fraudar a prestação de contas de sua campanha por meio de doações simuladas.

Segundo o MP, Noventa e seu grupo “teriam arregimentado cerca de oitenta pessoas para efetuar doações em espécie, no valor idêntico de R$ 1.050,00” cada.

De acordo com Dodge, “a prisão preventiva é o único meio de se garantir o êxito das investigações e cessar a prática criminosa por parte do parlamentar e integrantes da organização criminosa investigada.”

A procuradora acrescenta ainda que “a instrução processual penal sequer foi iniciada, podendo ser efetivamente comprometida com a interferência do acusado”. Assim, segundo Raquel Dodge, as testemunhas não foram ouvidas ainda em juízo e não “há nenhum meio eficaz de impedir ou fiscalizar o contato do político com os demais acusados, bem como com as testemunhas, que podem continuar a ser coagidas ou manipuladas pelos envolvidos.”

Na manifestação ao Supremo, a procuradora-geral diz que a origem do dinheiro não foi esclarecida e que a prisão seria uma medida provisória para este momento do processo. “É certo que o modus operandi do paciente na conduta criminosa inicial e na subsequente tentativa de embaraçar a investigação criminal desaconselham peremptoriamente o afastamento da prisão preventiva neste momento processual. É efetivamente essencial a constrição cautelar”.

OUTRO LADO:

Na semana passada, o Diário do Transporte conversou com um dos advogados de Noventa, Alessandro Goes, falou em perseguição contra Valdevan Noventa e que acredita na absolvição do cliente no processo sobre as supostas fraudes na campanha eleitoral.

“Se diz que o Valdevan está coagindo as testemunhas. Isso não é verdade. E com relação às provas que o Ministério Público apresenta, isso está sendo contrarrazoado, isso é uma outra ação. É um suposto crime eleitoral, fraudes em eleições… Isso estamos provando em outro momento. Agora, eu não vou discutir aqui nem sobre as provas e nem sobre o processo, porque é um processo, eu diria, que o desfecho dele, no meu entender, vai calhar na absolvição do deputado federal” – disse o defensor na ocasião.

Veja a manifestação na íntegra

 

HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-01HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-02HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-03HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-04HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-05HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-06HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-07HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-08HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-09HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-10HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-11HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-12HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-13HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-14HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-15HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-16HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-17HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-18

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Colaborou, Jessica Marques

Comentários

  1. Olá, diante de tudo que li, realmente acho de bom grado sua prisão, já que sabemos muito bem como são feitas negociações políticas, por todo o país, nestes ultimos 10,12 anos. Uma enxurrada de escandalos, envolvendo até ex presidentes e senadores, sem falar de governadores, como exemplo maior CABRAL. Dona Raquel está certíssima, pois este camarada, que fico confuso sabendo que ele era diretor de Sindicato em SP e sr eleito em Sergipe ?? Como assim? Parece Bolsonaro, que nasceu no interior de SP, fez sua carreira no Rio de Janeiro, foi para Brasilia e seu filho que eleito deputado por SP vai pra embaixada na America ?? O brasil ta de cabeça prá baixo…uma zorra total… Teje preso cabra !

  2. A Moro de saia,,,,podes crer

Deixe uma resposta