Raquel Dodge pede ao STF que Valdevan Noventa seja preso

Procuradora diz que há risco para processo. Defesa nega. Foto: Acervo PGR, clique para ampliar

Deputado Federal por Sergipe e presidente licenciado do sindicato dos motoristas e cobradores de São Paulo conseguiu na semana passada direito de continuar respondendo em liberdade às acusações de supostas fraudes eleitorais

ADAMO BAZANI

Colaborou Jessica Marques

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao STF – Supremo Tribunal Federal que seja restabelecida a decisão pela prisão preventiva do deputado federal José Valdevan Santos, do PSC de Sergipe, que também é presidente licenciado do Sindmotoristas, sindicato que representa os trabalhadores em transportes por ônibus na cidade de São Paulo.

Como mostrou o Diário do Transporte, na terça-feira da semana passada, 06 de agosto, a juíza Soraia Gonçalves de Melo, titular da 2ª Zona Eleitoral de Aracaju, chegou a expedir mandado de prisão contra o sindicalista, mas no mesmo dia, o ministro do STF – Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, acatou pedido de reconsideração da defesa e determinou que Noventa fique em liberdade até o julgamento pela corte do Supremo de seu pedido de Habeas Corpus.

O sindicalista é acusado pelo Ministério Público Eleitoral de fraudar a prestação de contas de sua campanha por meio de doações simuladas.

Segundo o MP, Noventa e seu grupo “teriam arregimentado cerca de oitenta pessoas para efetuar doações em espécie, no valor idêntico de R$ 1.050,00” cada.

De acordo com Dodge, “a prisão preventiva é o único meio de se garantir o êxito das investigações e cessar a prática criminosa por parte do parlamentar e integrantes da organização criminosa investigada.”

A procuradora acrescenta ainda que “a instrução processual penal sequer foi iniciada, podendo ser efetivamente comprometida com a interferência do acusado”. Assim, segundo Raquel Dodge, as testemunhas não foram ouvidas ainda em juízo e não “há nenhum meio eficaz de impedir ou fiscalizar o contato do político com os demais acusados, bem como com as testemunhas, que podem continuar a ser coagidas ou manipuladas pelos envolvidos.”

Na manifestação ao Supremo, a procuradora-geral diz que a origem do dinheiro não foi esclarecida e que a prisão seria uma medida provisória para este momento do processo. “É certo que o modus operandi do paciente na conduta criminosa inicial e na subsequente tentativa de embaraçar a investigação criminal desaconselham peremptoriamente o afastamento da prisão preventiva neste momento processual. É efetivamente essencial a constrição cautelar”.

OUTRO LADO:

Na semana passada, o Diário do Transporte conversou com um dos advogados de Noventa, Alessandro Goes, falou em perseguição contra Valdevan Noventa e que acredita na absolvição do cliente no processo sobre as supostas fraudes na campanha eleitoral.

“Se diz que o Valdevan está coagindo as testemunhas. Isso não é verdade. E com relação às provas que o Ministério Público apresenta, isso está sendo contrarrazoado, isso é uma outra ação. É um suposto crime eleitoral, fraudes em eleições… Isso estamos provando em outro momento. Agora, eu não vou discutir aqui nem sobre as provas e nem sobre o processo, porque é um processo, eu diria, que o desfecho dele, no meu entender, vai calhar na absolvição do deputado federal” – disse o defensor na ocasião.

Veja a manifestação na íntegra

 

HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-01HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-02HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-03HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-04HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-05HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-06HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-07HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-08HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-09HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-10HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-11HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-12HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-13HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-14HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-15HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-16HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-17HC 167174_ContrarrazoesAgravo_Jose Valdevan de Jesus Santos-18

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Colaborou, Jessica Marques

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Olá, diante de tudo que li, realmente acho de bom grado sua prisão, já que sabemos muito bem como são feitas negociações políticas, por todo o país, nestes ultimos 10,12 anos. Uma enxurrada de escandalos, envolvendo até ex presidentes e senadores, sem falar de governadores, como exemplo maior CABRAL. Dona Raquel está certíssima, pois este camarada, que fico confuso sabendo que ele era diretor de Sindicato em SP e sr eleito em Sergipe ?? Como assim? Parece Bolsonaro, que nasceu no interior de SP, fez sua carreira no Rio de Janeiro, foi para Brasilia e seu filho que eleito deputado por SP vai pra embaixada na America ?? O brasil ta de cabeça prá baixo…uma zorra total… Teje preso cabra !

  2. A Moro de saia,,,,podes crer

Deixe uma resposta