Rodoviários de Itanhaém entram em greve por tempo indeterminado

Foto: Guilherme_Estevan

Desde quarta-feira, 24 de julho, categoria está em estado de greve. Assembleia no dia 30 definiu pela paralisação a partir desta segunda-feira, 05 de agosto

ALEXANDRE PELEGI

Os rodoviários da empresa Litoral Sul, atual concessionária do transporte coletivo em Itanhaém, litoral de São Paulo, cruzaram os braços nesta segunda-feira, 5 de agosto de 2019.

Os trabalhadores reivindicam reajuste salarial de 5,07% e R$ 1 a mais no vale-refeição de R$ 16, além da manutenção dos direitos adquiridos.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Santos e Região, a paralisação é por tempo indeterminado.

Isso é o mínimo que a empresa pode oferecer”, diz o vice-presidente do sindicato dos trabalhadores rodoviários, José Alberto Torres Simões Betinho

A ação foi decidida na última terça-feira, 30 de julho, em assembleia da categoria.

São 130 empregados, entre motoristas, pessoal de manutenção e administrativo, que operam 40 ônibus municipais. A greve afetará 12 mil passageiros, além dos 4 mil alunos da rede pública de ensino, servidos por outros 50 veículos da viação.

O aviso aos usuários e autoridades foi publicado na quinta-feira, 1º de agosto, como determina a Lei de Greve.

Desde quarta-feira, 24 de julho, a categoria está em estado de greve.

O Sindicato dos Rodoviários afirma que o motivo do movimento é a recusa da empresa em reajustar os salários e benefícios da categoria na data-base de maio. A Litoral Sul concorda apenas em manter os direitos do atual acordo coletivo, informa o sindicato.

O secretário-geral do sindicato, Eronaldo José de Oliveira Ferrugem, promete ficar na porta da garagem da Litoral Sul, localizada na Avenida Alessando Rangel Lima, 1.280, no Cibratel. “Não arredaremos pé do local até um desfecho satisfatório do movimento”, diz o sindicalista.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Emerson Nerasti disse:

    Alô empresarios… Vamos acordar. Os trabalhadores Só querem seus direitos. Nada mais do que isso. Acjo mais q justo.

Deixe uma resposta