Sindicato dos Engenheiros de São Paulo promove debate sobre cidades inteligentes e mobilidade urbana

Publicado em: 24 de julho de 2019

Evento será realizado em 12 de agosto

JESSICA MARQUES

O SEESP (Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo) vai promover um debate sobre cidades inteligentes e mobilidade urbana. O evento está marcado para 12 de agosto de 2019, a partir das 9h, na sede do sindicato.

O debate é realizado por meio de Conselho de Transporte e da Mobilidade Urbana e em parceria com a União Internacional dos Transportes Públicos (UITP) – Divisão América Latina, que vai realizar o seminário “Redefinindo a mobilidade urbana”.

O objetivo, segundo o sindicato, é trazer ao debate a importância da mobilidade à construção das cidades inteligentes.

“O principal e mais importante elemento do projeto de estruturação de ‘cidade inteligente’ é a ‘mobilidade urbana inteligente’, pela sua capacidade de produzir um círculo virtuoso na oferta de deslocamentos eficientes, sob demanda, conectado, multimodal, autônomo, eletrificado, rápido e pela oferta e comercialização de serviços por meio de dispositivos móveis (bilhetes eletrônicos, aplicativos para smartphones etc.)”, informou o sindicato, em nota.

No evento serão discutidos:

– a eletrificação da mobilidade: fontes e armazenagem de energia de tração;

– a mobilidade compartilhada: transporte sob demanda;

– a mobilidade digitalizada: otimizando os serviços existentes e criando novos; e

– veículos autônomos coletivos: integração e novos serviços.

Inscrições e informações:
Telefone: (11) 3113-2641
E-mailsindical@seesp.org.br

Programação:

9h           Credenciamento

 

9h30      Abertura

Murilo Pinheiro, presidente da Federação Nacional
dos Engenheiros (FNE) e do SEESP

José Roberto Cardoso, professor da Escola
Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e
coordenador do Conselho Tecnológico do SEESP

Jurandir Fernandes, coordenador do Conselho de
Transporte e da Mobilidade Urbana do SEESP e
presidente da UITP – Divisão América Latina

Ailton Brasiliense Pires, presidente da Associação
Nacional de Transportes Públicos (ANTP)

Eduardo Lafraia, presidente do Instituto de Engenharia

Campos Machado, deputado estadual pelo PTB-SP

Jean Carlos Pejo, secretário nacional de
Mobilidade e de Serviços Urbanos do Ministério
do Desenvolvimento Regional

 

10h45    Mesas-redondas:

 

Tendências – Redefinindo a mobilidade urbana

Coordenador: Jurandir Fernandes, coordenador do
Conselho de Transporte e da Mobilidade Urbana
do SEESP e presidente da UITP – Divisão América Latina

Debatedores:   Robero Labarthe, diretor do grupo CCR

Flávio Chevis, diretor da Addax

Roberto Berkes, engenheiro da
Empresa Metropolitana de Transportes
Urbanos de São Paulo (EMTU)

 

11h40    Novos serviços e marketing na mobilidade urbana

Coordenador:   Roberto Sganzela, especialista em
marketing no setor de
transporte público

Debatedores:   Milena Braga, diretora do Grupo
Auto Viação ABC

Valeska Peres Pinto, coordenadora
do Programa Melhores Práticas de
Mobilidade Urbana da UITP

Renata Veríssimo, gestora da
Assessoria de Parcerias e
Inovação da EMTU
12h40    Encerramento

Agenda:

Redefinindo a mobilidade urbana
Data: 12 de agosto
Horário: das 9h às 12h50
Local: Auditório do SEESP (Rua Genebra, 25, Bela Vista-SP).

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Sugiro ao Sindicato dos Engenheiros de São Paulo, promoverem um debate sobre:

    1) Por que as colunas dos dois Aerotrens de Sampa e do Expresso Tiradentes, são o dobro das colunas do Metro Azul na Avenida Cruzeiro do Sul?

    2) Erro de cálculos?

    3) Considerando-se que as colunas dos dois Aerotrens de Sampa e do Expresso Tiradentes, são o dobro das colunas do Metro Azul na Avenida Cruzeiro do Sul, não há a viabilidade de transformar os 2 Aerotrens de Sampa e o Expresso Tiradentes em metro, ao algo sobre trilhos convencionais iguais aos dos metros ou trens.

    Estas dúvidas me intrigam muiiiiiiiiiiiiiiiito.

    O debate dos itens 1 a 3 acima, realmente serão de utilidade pública e não filosófica.

    Fica ai a sugestão.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta