Consórcio Guaicurus informa que novos ônibus chegam em novembro, mas sem ar-condicionado

Publicado em: 2 de julho de 2019

A informação do prazo foi divulgada pelo presidente do Consórcio Guaicurus, João Rezende. Foto: Divulgação.

Promessa anterior era de que veículos entrariam em operação em outubro

JESSICA MARQUES

Em nota à imprensa local, o Consórcio Guaicurus, responsável pelo transporte coletivo de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, informou que novos ônibus chegam em novembro deste ano, mas sem ar-condicionado.

A informação do prazo foi divulgada pelo presidente do Consórcio Guaicurus, João Rezende. A promessa anterior era de que os veículos entrariam em operação em outubro.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/05/03/prefeitura-de-campo-grande-ms-estabelece-prazo-para-consorcio-guaicurus-renovar-frota-de-onibus/

“Nós estamos obrigatoriamente contratados com a prefeitura e no contrato, não tem previsão de ônibus com ar-condicionado. Com ar custa mais caro, consome mais combustível e não resolve o problema do transporte urbano”, disse Rezende à imprensa local.

Segundo informações do portal Midiamax, de 558 ônibus em Campo Grande, apenas 14 são equipados com ar-condicionado. O equipamento é esperado pelos passageiros da cidade nos veículos do transporte coletivo.

Em maio deste ano, a Prefeitura de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, estabeleceu um prazo para o Consórcio Guaicurus renovar a frota de ônibus. Em caso de descumprimento, multa é de R$ 2,7 milhões.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/05/03/prefeitura-de-campo-grande-ms-estabelece-prazo-para-consorcio-guaicurus-renovar-frota-de-onibus/

A renovação está prevista em contrato, assim como a multa de exatos R$ 2.700.504,91 (dois milhões, setecentos mil, quinhentos e quatro reais e noventa e um centavos).

Os empresários garantem ao portal Midiamax que possuem total anuência da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

Segundo a reportagem, mesmo com denúncias sobre os ônibus vencidos desde o começo de 2017, a Agereg só notificou os empresários sobre o descumprimento contratual mais de dois anos depois.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta