Acervo com mais de 550 miniaturas da NTU que contam a história dos transportes pode se tornar aberto ao público

Publicado em: 12 de maio de 2019

Acervo reúne modelos que marcaram época e o dia a dia de muitas pessoas que contavam com os sistemas de transportes para estudar, trabalhar e crescer na vida. Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte) – Clique para Ampliar

Entidade procura espaço para exibição com segurança. Réplicas fazem uma linha do tempo desde a invenção da roda até os novos e modernos ônibus BRT

ADAMO BAZANI

O acervo é impressionante pelo tamanho, perfeição das peças e informações agregadas.

A NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Públicos, entidade que reúne mais de 500 companhias de ônibus do País, mantém em sua sede, em Brasília, em torno de 550 miniaturas que contam com detalhes os principais fatos relacionados à história dos transportes não apenas no Brasil, mas desde os seus primórdios.

A reportagem do Diário do Transporte conferiu de perto o acervo.

Dispostas em estantes de vidro posicionadas de forma a criar uma linha do tempo, são várias peças que começam com o homem inventando a roda.

A primeira mensagem é de que o ser humano tem um sua essência os transportes, a necessidade de se deslocar, de conquistar e se relacionar.

Liteiras, carruagens, tílburis vão mostrando a evolução da mobilidade que teve um grande marco, a “Carrosse à Cinq Sols”, um veículo de transporte coletivo criado em 1662 por Blaise Pascal, e considerado o primeiro ônibus que se tem registro no mundo. O veículo fazia cinco linhas na França. O nome “ônibus”, porém, foi popularizado em 1826, também na França, quando um proprietário de casas de banhos de Nantes, decidiu fornecer transporte coletivo  a eventuais clientes de seu empreendimento .O ponto inicial da linha era em frente a um estabelecimento comercial que tinha as inscrições Omnes Omnibus (tudo para todos).

Logo, as pessoas associavam o nome do estabelecimento ao transporte.

O criador do serviço foi Stanislav Baudry que se surpreendeu com a procura pelos serviços do veículo e decidiu deixar o ramo de casa de banhos para, dois anos depois, em 1828, criar a Entreprise Générale des Omnibus em Paris, considerada a primeira empresa de ônibus do mundo.

O negócio foi descontinuado depois, mas implantou o conceito ônibus como transporte coletivo, replicado em outras regiões poucos anos mais tarde.

Estes momentos são retratados pelas miniaturas que ainda mostram o primeiro ônibus com motor a combustão do mundo que se tem conhecimento, criado por Karl Benz, em 1895, na Alemanha.

Pela exposição, é possível concluir que o trólebus (ônibus elétrico conectado à rede aérea) veio antes do ônibus à combustão.  Uma réplica com base em fotos e pesquisas remete ao Elektromote, um ônibus construído pela Siemens e apresentado em Berlim, em 1892, como o primeiro “trólleybus” do mundo.

E assim como os transportes, a linha do tempo da exibição vai evoluindo, passando por outros momentos como quando as cidades brasileiras cresceram e precisavam de veículos com maior capacidade.  Primeiro foram os Papa-Filas, nos anos 1950, grandes carrocerias de ônibus puxadas por cavalos de caminhão até o primeiro ônibus articulado do Brasil, um Caio Gabriela Scania de 1978.

A disposição das peças segue até chegar às réplicas dos modelos para sistemas de BRT – Bus Rapid Transit, corredores de alta eficiência e maior capacidade.

Que chama a atenção é que muitas da miniaturas são feitas de papel, mas numa perfeição tão grande, que parecem outro material, como ferro ou resina.

O acervo foi organizado e disposto no atual centro de documentação em 2015 e foi idealizado pelo então presidente do Conselho Diretor da NTU, Eurico Galhard. São cerca de 5.500 anos de história dos transportes.

Apesar de muito bem organizado, o espaço é pequeno para ser aberto ao público.

A entidade busca agora um local maior que possa receber delegações de escolas, pesquisadores e todos que querem saber como a humanidade evoluiu graças aos transportes.

Atualmente, não é possível agendar visitas.

Os primeiros ônibus do mundo tinham tração animal

O primeiro trólebus do mundo surgiu pela Siemens em 1892, segundo acervo, antes mesmo do ônibus a combustão que é de 1895

Uma das características dos ônibus até os dias de hoje é se adaptar à condições dos locais onde serve. Um exemplo na história foram os ônibus europeus com espécies de “esquis” para a neve.

O Brasil teve alguns modelos bem interessantes, como o “King Kong” na década de 1930. O veículo pertencia à São Paulo Railway, que operava a linha de trens entre Santos e Jundiaí. O ônibus importado também fazia a mesma ligação.

Ônibus urbano Caio Gabriela de três eixos dos anos 1970, que operou no Rio de Janeiro pela Auto Viação Redentor

Papa-Fila, grandes carrocerias de ônibus puxadas por cavalos de caminhão. Indicavam que cidades cresciam e precisavam de veículos maiores. São os precursores dos ônibus articulados.

No final dos anos 1970 sugiram os primeiros ônibus articulados do país. Veículos passaram a atender demandas maiores.

 

Ônibus dos anos 1960 e 1970 no Rio de Janeiro

Ônibus entre os anos 1970 e 1980.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Marcos disse:

    Sensacional

    1. RAUL DE OLIVEIRA VASCONCELLOS disse:

      Maravilhoso !!!
      Verdadeira disneilândia, pra quem gosta de ônibus.
      Parabéns pela brilhante reportagem !!!!

  2. Alfredo disse:

    Parabéns Adamo, linda coleção, onde também haviam varias miniaturas de ônibus, caminhões e tratores era na sede da Serveng, proprietária da Pássaro Marrom, isto foi em 97, não sei se ainda estão lá

  3. Valter disse:

    Parabéns todos estão muitos lindos essas miniaturas

  4. Eduardo disse:

    Gosto muito desse tipo de acervo espero que possam conseguir um espaço maior para visitação vou ficar no aguardo e com certeza visitarei.

  5. Ronnie Christian disse:

    Parabéns pela linda de exposição.
    Uma sugestão poderiam fazer essa exposição em algumas cidades ou nas capitais brasileiras.

  6. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Lindas miniaturas.

    Seria legal começar por um tour virtual em 3D pela Internet.

    Assim, o mundo já pode ter acesso ao acervo.

    E não esqueçam de escanear todas as peças em 3D, ou algo mais moderno.

    Fica ai a sugestão!

    Att,

    Paulo Gil

  7. Jorge Irineu Hosang disse:

    Possuo uma coleção em Escala 1:43, cerca de 7.000 peças, também estarei expondo ela até o final do ano!!

    A preservação da história e da cultura, sempre será possível, enquanto houver o colecionismo, e os aficcionados em acumular determinados items, como é o caso desta coleção!!

    Alguns dos itens desta coleção, foram manualmente confeccionados por artesãos renomados no segmento de ônibus, são verdadeiras obras de arte.

    Jorge Irineu Hosang

  8. Paulo Gil disse:

    Jorge Irineu Hosang, boa noite.

    Não esquece de avisar aqui no Diário, se for em São Paulo estarei lá.

    Abçs,

    Paulo Gil

  9. Antonio C. Kaio Castro disse:

    Viver, Ver e Rever…

  10. Antonio C. Kaio Castro disse:

    Essa maravilha pode ser exposta permanentemente no Pavilhão de exposições do Memorial da América Latina. O Primeiro Clube do Ônibus Antigo Brasileiro se coloca à disposição para tanto.

Deixe uma resposta