Para operadora de corredor no ABC, trólebus têm futuro e devem estar entre as opções de investimentos

Publicado em: 22 de abril de 2019

Ônibus elétricos conectados à rede aérea são indicados para corredores, dizem especialistas. Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte) – Clique para Ampliar

Diretora da empresa Metra, Maria Beatriz Setti Braga, diz que veículos ainda são as opções economicamente mais viáveis de ônibus menos poluente

ADAMO BAZANI

No dia em que o trólebus completa 70 anos no Brasil, a segunda maior operadora deste tipo de veículo do País, Metra Transportes, saiu em defesa do modal e diz que os ônibus elétricos conectados à rede área de energia estão ainda entre as melhores soluções para aliar redução de emissões de poluentes com baixo custo de implantação e operação.

Em nota, a proprietária da empresa, que opera o corredor que liga parte do ABC às zona leste e sul da capital paulista, Maria Betriz Setti Braga, diz que o domínio da tecnologia pelo Brasil é uma das razões da viabilidade econômica e operacional dos trólebus.

“Para nós da Metra, o trólebus é um veículo ambientalmente correto e tem papel fundamental para alcançar as metas de redução da poluição por ser uma tecnologia amplamente conhecida e de baixo custo em comparação com outras alternativas, como ônibus elétricos com bateria, a hidrogênio ou mesmo a gás”, explicou na nota à imprensa especializada nesta segunda-feira, 22 de abril de 2019.

A opinião da empresária, que pela companhia Eletra Industrial também fabrica os sistemas de integração eletrônica dos veículos, segue a mesma linha de especialistas ouvidos na reportagem especial do Diário do Transporte sobre os 70 anos dos trólebus no Brasil: houve evoluções tecnológicas que, com bancos de bateria, dão autonomia aos coletivos para operarem por alguns quilômetros sem estarem conectados à fiação aérea, e que minimizam as quedas das alavancas. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/04/21/trolebus-70-anos-um-meio-de-transporte-que-e-viavel-para-os-dias-de-hoje-e-para-o-futuro/

A Metra possui pouco mais de 90 trólebus, ficando atrás da Ambiental Transportes na capital paulista (que vai integrar o consórcio TransVida após a assinatura dos contratos da licitação), com 200 trólebus ligando a zona Leste ao Centro. A licitação não previu ampliação da rede de trólebus em São Paulo, apesar das metas de redução de poluição previstas em lei municipal e nos editais, mas estipula que toda a rede atual seja melhor aproveitada, o que deve possibilitar a compra de 50 novas unidades.

Além da Metra e da Ambiental, apenas mais uma empresa opera trólebus atualmente no Brasil, a Viação Piracicabana, em Santos, na 20, que liga a praça Mauá, no Centro, à praça da Independência, no Gonzaga. São seis veículos que não pertencem à empresa. Os trólebus fazem parte do patrimônio público e os seis não operam concomitantemente.

Na nota, a empresa ainda diz que conseguiu poupar a região por onde passa o corredor de 21 mil toneladas de gás carbônico em 22 meses de operação, entre janeiro de 2017 e outubro de 2018 pela operação dos trólebus.

Os 96 trólebus da Metra que operam no Corredor ABD colaboram significativamente para a preservação ambiental e melhora da qualidade do ar e do bem-estar da Grande São Paulo, segundo dados da EMTU. O levantamento refere-se ao período entre janeiro de 2017 e outubro do ano passado e levam em conta o ano de fabricação dos veículos em comparação com os ônibus movidos a diesel do mesmo tamanho.

 Além da redução na emissão de dióxido de carbono, os trólebus da Metra colaboram com a redução de outros poluentes prejudiciais à saúde, como 104 toneladas de (NOx), óxido de nitrogênio relacionado inclusive a casos de câncer e de 1,7 tonelada de materiais particulados, tipo de poluente que pode entrar facilmente na corrente sanguínea, além de poupar 8,1 milhões de litros no consumo de óleo diesel.

O trecho eletrificado do corredor tem extensão total de 33 quilômetros, entre os bairros de São Mateus, no extremo leste da capital paulista, e Jabaquara, na zona sul, atravessando quatro municípios do ABC: Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo e Diadema. Segundo a Metra, o Corredor ABD, é classificado como o modo de transporte mais satisfatório na Região Metropolitana de São Paulo, com aprovação de 86,7% dos passageiros. O sistema atende mais de 300 mil passageiros por dia, tem velocidade média operacional de 21 km /h e o intervalo médio considerando todas as partidas nos dias de semana é de três minutos, ainda de acordo com a Metra.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Gláucio oliveira disse:

    Parabéns metra pelo apoio aos trolebus. E os 1os. Articulados trolebus com 20 anos e com ar condicionado tão melhor que muitos superarticulados 2018. Saio deTaboão da serra para andar neles . Aliás esse ano fazem 21. Mereciam uma matéria

  2. Rogerio Belda disse:

    Alvissaras – diria minha avó! A Pauliceia esgarçada agradece, Rogerio Belda

  3. RICARDO SALZANO MILANI disse:

    Mas a Letra investirá em novos trolebus?

  4. No q adianta investir em trolébus se eles ficam mais parados nos pontos do que tudo, ja disse milhões de vezes que o ruim do corredor da Metra são as demoras nas paradas, ja eram pra ter pelo menos dado inicio as obras de implantação de pontos com pré embarque, acho q iria melhorar muito, pois nos horários de picos, vc vê a fila de trolébus nos pontos.

  5. Luis Nunez disse:

    O que adianta ser tróleibus ou diesel e em pleno sábado pela manhã, ficar espremido entre a catraca e o parabrisas de tão cheio? A Metra acha que aos finais de semana, ninguém trabalha, estuda ou vai passear com a família. Depois reclamam da queda de demanda frente os aplicativos de transporte.

    1. Paulo Gil disse:

      Luis Nunez, boa noite.

      O problema do buzão de Sampa é este.

      Ainda em 2019 ele opera a moda da antiga CMTC – 20/20; um buzão a cada 20 minutos.

      Eles não querem sair dessa batidinha ai, por isto que os aplicativos derrubaram os táxis e está derrubando o buzão também.

      O passageiro quer chegar no ponto e em seguida embarcar no buzão, não importa se vá direto ou até um Terminal de Transferência.

      MUDA BARSIL!

      Att,

      Pulo Gil

  6. Gustavo L Moreira disse:

    Alguem aqui pega trolebus no horario de pico? sempre lotado !!! sempre sem energia !!! sempre dando pau!! Estação Santo Andre, voce espera 30 minutos para embarcar numa lata velha. No Jabaquara IDEM. trolebus repreesenta o ATRASO! Imagine SP, hoje, se nao tivesse optado pelo metro. METRA tem que abaixar a BOLA. Muitos bairros abastados de São Paulo estão servidos de metro e no ABC nem mesmo o monotrilho vence o lobby dessa ai

Deixe uma resposta