Obras da linha 15-Prata de monotrilho são retomadas hoje ao custo R$ 47,5 milhões para finalizar quatro estações

Atrasos nas obras de monotrilho causaram transtornos. Foto: Adamo Bazani – Clique para Ampliar

Linha de trens leves terá custo total de R$ 5,2 bilhões

ADAMO BAZANI

Tiveram início nesta segunda-feira, 22 de abril de 2019, as obras para concluir quatro estações da linha 15-Prata de monotrilho.

A informação foi confirmada por nota da assessoria do Governo do Estado de São Paulo que mantém a previsão de entrega das estações Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus até o final deste ano.

Como mostrou o Diário do Transporte, a Companhia do Metrô assinou contrato com a STER Engenharia, após uma licitação que teve de ser realizada depois de a estatal rescindir o contrato com a empreiteira Azevedo & Travassos e aplicar multas de mais de R$ 7 milhões por abandono dos serviços, na versão da gestão estadual.

https://diariodotransporte.com.br/2019/04/03/presidente-do-metro-de-sao-paulo-confirma-conclusao-de-estacoes-da-linha-15-do-monotrilho-para-este-ano-e-estacao-vila-sonia-da-linha-4-para-2020/

Na nota desta segunda-feira, o Metrô diz que as obras destas quatro estações vão custar R$ 47,5 milhões e que a última estação, Jardim Colonial será entregue em 2021, cuja obra é contemplada por outro contrato.

A nova empresa contratada é a STER Engenharia, no valor de R$ 47,5 milhões, que também concluirá a implantação da ciclovia e do paisagismo sob o traçado do monotrilho. Outro avanço anunciado recentemente para a Linha 15-Prata foi a assinatura do contrato com a empresa Somague Engenharia, que venceu a concorrência para a construção da estação Jardim Colonial. As obras devem começar nas próximas semanas e a estação está programada para ser aberta em 2021.

Segundo o governo do Estado, a ligação vai atender a 400 mil pessoas por dia e os custos gerais para a implantação são de R$ 5,2 bilhões para 15,3 km e 11 estações.

Quando estiver completa até Jardim Colonial, a linha deverá atender mais de 400 mil passageiros por dia. Serão 15,3 km e 11 estações, com integração à Linha 2-Verde do Metrô, na Estação Vila Prudente, e três terminais de ônibus – Vila Prudente, Sapopemba (da SPTrans) e o terminal São Mateus do Corredor Metropolitano ABD (São Mateus/Jabaquara), gerenciado pela EMTU/SP.

O investimento total para a construção da Linha 15-Prata, que interliga a Vila Prudente ao Jardim Colonial, é de R$ 5,2 bilhões.

O trecho entre Vila Prudente e Ipiranga e Boa Esperança e Hospital Cidade Tiradentes, no extremo leste, tiveram o projeto “congelado”, sem previsão de início das obras.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta