Buser recorre de ação movida pela Abrati no STF contra o serviço

Publicado em: 11 de abril de 2019

Buser explica que é uma empresa de tecnologia, criada por dois jovens empreendedores brasileiros, e serve para colocar em contato as pessoas que querem fazer uma mesma viagem com as empresas de fretamento de veículos. Foto meramente ilustrativa.

‘Uber dos ônibus’ enviou argumentos nesta quinta-feira

JESSICA MARQUES

A Buser, empresa conhecida como o Uber dos ônibus, recorreu da ação movida pela Abrati (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros) no STF (Supremo Tribunal Federal).

Os argumentos foram enviados ao STF nesta quinta-feira, 11 de abril de 2019, conforme informado, em nota, pela Buser.

Segundo a Abrati, o transporte coletivo de passageiros é “serviço público submetido a regime constitucional específico, que pressupõe delegação do Poder Público para o seu desempenho”.

Além disso, a Abrati quer que seja declarada a inconstitucionalidade da omissão das agências reguladoras de transporte terrestre na fiscalização e “a proibição do exercício dessa atividade por prestadores sem delegação do Estado”.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/03/29/deer-mg-proibe-buser-no-estado-e-abrati-ajuiza-acao-no-stf-contra-tipo-de-transporte/

Na petição, a Buser explica que é uma empresa de tecnologia, criada por dois jovens empreendedores brasileiros, e serve para colocar em contato as pessoas que querem fazer uma mesma viagem com as empresas de fretamento de veículos.

“Para poder oferecer o serviço pelo aplicativo, os ônibus devem ter seguro, vistoria e autorização da ANTT, além de passar pela inspeção da própria Buser”, informou a empresa, em nota.

Confira a nota, enviada ao Diário do Transporte, na íntegra:

A empresa Buser, espécie de “Uber dos ônibus”, protocola no Supremo Tribunal Federal, nesta 5ª feira (11/4), argumentos contra o pedido das empresas tradicionais de transporte rodoviário para que o STF impeça o funcionamento da nova ferramenta, que oferece um serviço seguro a preços até 60% mais baratos.

A ação em questão é a ADPF 574, ajuizada pela Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), representante de grupos como Pássaro Marrom (de Nenê Constantino), Útil (de Jacob Barata) e Gontijo (de Luiz Carlos Gontijo). Eles pedem que o STF invalide todas as decisões de 1ª e de 2ª instância que autorizam o funcionamento da Buser.

O Ministério Público Federal já se manifestou em favor da legalidade do novo aplicativo, que é 100% nacional, em casos como os de São Paulo e Rio Grande do Sul.

Na petição, a Buser explica que é uma empresa de tecnologia, criada por dois jovens empreendedores brasileiros, e serve para colocar em contato as pessoas que querem fazer uma mesma viagem com as empresas de fretamento de veículos. Para poder oferecer o serviço pelo aplicativo, os ônibus devem ter seguro, vistoria e autorização da ANTT, além de passar pela inspeção da própria Buser.

Os pontos principais da petição são:

• A Buser, empresa tecnológica da nova economia, pode conviver sem problemas com as empresas tradicionais;

• O princípio da livre iniciativa ampara o surgimento de inovações no mercado;

• O Brasil deve apostar na tecnologia e em seus empreendedores para não ficar ainda mais defasado com relação a outros países;

• O consumidor ganha com a novidade porque a concorrência força um serviço melhor e se reverte em preços melhores;

• Só rodam com a Buser ônibus seguros, vistoriados e autorizados pela ANTT.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Alysson disse:

    Se é uma empresa de Tecnologia, está trabalhando de forma errada . Deveria estar prestando serviço às permissionárias que lutaram e trabalharam para isso .
    Gostaria muito de entender , se não e lavagem de dinheiro , como conseguiram enviar ônibus de BH a SP por R$ 10,00 .
    Chega a ser desrespeitoso!
    Gasta-se mais que isso de Uber pra sair de casa e chegar ao embarque do Ônibus.
    Existe espaço pra todos , mas sejamos descentes nas ações .
    Obrigado

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Me reporto a penúltima matéria sobre o Buser e a esta também.

    Li todos os comentários, os quais são pertinentes; mas durante as semanas pensei numa questão.

    Que tal, pensarmos sobre outra ótica ?

    Será que não é o Poder Público que tem de modernizar a forma de concessão, simplificar as coisas e desengessar o sistema ?

    Entendo que, analisando o BUSER sob outro referencial, poderemos identificar outro culpado e não partir da premissa de que a culpa é do BUSER.

    Não sou sócio, não trabalho e não tenho nenhuma relação comercial com o BUSER, mas as novidades sempre causarão questionamentos e o legal é que isto mexe com os SISTEMAS JURÁSSICOS, os quais ainda se fingem de mortos, fazendo de conta que a era da inteligência artificial ainda não chegou.

    A real é que o sistema público está na contra mão da história e opera na idade da pedra lascada.

    Fica ai para reflexão de todos.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta