Greve de ônibus em Porto Velho (RO) dura poucas horas, e foi causada por “falha de comunicação”

Sindicato dos trabalhadores esclareceu à categoria que a situação dos pagamentos atrasados já estava resolvida após negociação com o Consórcio SIM

ALEXANDRE PELEGI

Uma paralisação de motoristas, que atrapalhou a volta para casa dos moradores de Porto Velho, em Rondônia, nesta sexta-feira, 15 de março de 2019, acabou poucas horas depois. Relembre: Motoristas de ônibus de Porto Velho (RO) entram em greve

Na manhã deste sábado, 16, toda a frota voltou a circular normalmente na capital.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transporte Urbano de Passageiros do Estado de Rondônia (Sitetuperon) explicou que houve apenas uma falha de comunicação entre a entidade e os trabalhadores quanto aos pagamentos pendentes.

Um acordo tinha feito no dia anterior com o Consócio SIM já havia atendido a reivindicação da categoria.

A negociação, feita na 7° Vara do Trabalho, permitiu a liberação de recursos do Consórcio SIM que estavam bloqueados para pagamento de alguns trabalhadores. Um alvará expedido pela justiça possibilitou que dinheiro para o pagamento do mês de fevereiro e benefícios fosse liberado.

Com os devidos esclarecimentos aos trabalhadores, os ônibus voltaram a rodar.

Em 1º de março de 2019, houve uma greve no transporte coletivo da cidade. O motivo foi a demissão de 120 funcionários pelo Consórcio SIM, fato ocorrido no dia 28 de fevereiro.

No mesmo dia, a Prefeitura de Porto Velho, por meio da Superintendência Municipal de Licitações – SML, publicou no Diário Oficial do Município a licitação para concessão da prestação do serviço público de transporte coletivo urbano de passageiros.

Relembre: Rodoviários de Porto Velho entram em greve no mesmo dia em que prefeitura lança licitação do transporte

Segundo a Prefeitura, o critério de julgamento é para a melhor proposta técnica, com o menor valor da tarifa do serviço público, a ser prestado conforme previsto no caput do artigo 40, da Lei Federal nº 8.666/1993 e inciso V do art. 15 da Lei Federal nº 8.987/1995.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta