Greca diz que pretende ter Bilhete Único em Curitiba como o de São Paulo

Publicado em: 14 de março de 2019

A declaração foi dada ao Diário do Transporte durante entrega pela montadora Scania e pela Viação Cidade Sorriso de seis ônibus biarticulados de modelo inédito no município. Foto: Adamo Bazani

Prefeito ainda falou sobre fim da função de cobrador e sobre a intenção de tarifas diferenciadas entre as linhas de ônibus após licitação de Bilhetagem Eletrônica

ADAMO BAZANI / JESSICA MARQUES

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca, disse que quer implantar no sistema da cidade um novo tipo de integração, nos moldes do Bilhete Único de São Paulo, pelo qual o passageiro pode mudar de linha em qualquer ponto, sem ter a necessidade de se deslocar para estações e terminais.

A declaração foi dada ao Diário do Transporte na manhã desta quarta-feira, 13 de março de 2019, durante entrega pela montadora Scania e pela Viação Cidade Sorriso de seis ônibus biarticulados de modelo inédito no município.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/03/13/scania-e-viacao-cidade-sorriso-apresentam-seis-novos-onibus-biarticulados-ineditos-em-curitiba/

Para as alterações, é necessário que a Câmara Municipal de Curitiba aprove mudanças sobre a lei de bilhetagem eletrônica, segundo o prefeito.

Greca disse ainda que com o novo modelo quer criar tarifas diferenciadas de acordo com o tipo de linhas de ônibus.

“Quando nós tivermos a nova bilhetagem automática, vamos poder fazer isso [integração temporal em vez da atual integração física]. Aliás, termos vontade de fazer isso. Temos vontade, inclusive, de ter tarifas diferenciadas em percursos regionais, por exemplo, entre os bairros de ponta e as ruas da cidadania. Mas para isso, precisamos dar modernidade à bilhetagem automática. A previsão para isso é o tempo que a câmara vote e nós licitemos um sistema eficiente”, disse o prefeito.

Nesta semana, como mostrou o Diário do Transporte, um eestudo do programa de pós-graduação em Gestão Urbana da PUC-PR/Pontifícia Universidade Católica do Paraná, de responsabilidade da arquiteta e urbanista Jaqueline Massuchetto, revelou que o curitibano paga um tarifa mais cara e gasta em média 1/4 a mais de tempo pelo fato de a integração ser física em vez de temporal.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/03/12/estudo-mostra-que-integracao-como-do-bilhete-unico-de-sao-paulo-e-a-mais-recomendada-para-curitiba/

Greca também acredita que os vereadores deveriam permitir, por meio de votação sobre lei municipal, que não houvesse mais cobradores de ônibus no sistema.

“Adoraria também que os vereadores aprovassem o fim dos cobradores, mas sem despedi-los e sim requalificando, mas me dando a possibilidade de bilhetagem automática. Em São José dos Pinhais já é assim, em outras cidades menores que Curitiba já é assim, no exterior, nas cidades desenvolvidas. É um atraso ainda termos uma gavetinha de dinheiro como no século XIX”, disse o prefeito.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. Carlos Lacava disse:

    Sugiro ele copiar o modelo antes das recentes alterações propostas pela Prefeitura de São Paulo. A redução no número de viagens prejudicou muita gente e é medida totalmente equivocada.

Deixe uma resposta