Ford anuncia fechamento de fábrica em São Bernardo do Campo

Empresa afirmou nesta terça, 19, que sairá do mercado de caminhões na América do Sul. Sindicato estima que 2,8 mil trabalhadores serão demitidos

ALEXANDRE PELEGI

A Ford não vai mais atuar no mercado de caminhões na América do Sul e vai encerrar definitivamente a produção da planta de São Bernardo do Campo (SP) ao longo deste ano.  Inaugurada em 2001, ela substituiu a antiga fábrica da Ford Caminhões, localizada no bairro do Ipiranga, em São Paulo.

O anúncio que chocou o mercado foi feito nesta terça-feira, 19 de fevereiro de 2019.

A companhia disse em comunicado que a medida é um dos passos para “o retorno à lucratividade sustentável de suas operações na América do Sul”.

Em 2018 o balanço da empresa apresentou prejuízo de US$ 678 milhões na região.

A unidade de São Bernardo produz caminhões e o modelo Fiesta.

Com o fechamento da unidade no ABC, a Ford deixará de comercializar as linhas Cargo, F-4000, F-350 e o modelo Fiesta assim que terminarem os estoques.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC estima que 2,8 mil trabalhadores perderão seus empregos. Sobre esse assunto, a presidente da Ford, Lyle Watters, diz: “Sabemos que essa decisão terá um impacto significativo sobre os nossos funcionários de São Bernardo do Campo e, por isso, trabalharemos com todos os nossos parceiros nos próximos passos”.

A fábrica, a mais antiga em operação da montadora no Brasil, ocupava a quarta posição no segmento de caminhões no País, com 12% de participação em 2018, atrás de Mercedes-Benz, Volkswagen e Volvo.

Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul, afirmou que a Ford “está comprometida com a América do Sul por meio da construção de um negócio rentável e sustentável, fortalecendo a oferta de produtos, criando experiências positivas para nossos consumidores e atuando com um modelo de negócios mais ágil, compacto e eficiente”.

No comunicado, a Ford informa, por fim, que a decisão de fechar a planta de São Bernardo se alia a outras iniciativas recentes que fazem parte da reestruturação em andamento na Ford América do Sul e incluem:

• Redução em mais de 20% dos custos referentes ao quadro de funcionários e à estrutura administrativa em toda a região.

• Fortalecimento da linha de produtos, com ênfase em SUVs e picapes, cuja preferência tem crescido entre os consumidores, e encerramento da produção do Focus na Argentina.

• Expansão das parcerias globais, como a recente aliança com a Volkswagen para desenvolver picapes de médio porte.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. João Luis Garcia disse:

    Muito triste, afinal serão muitas demissões
    Quantas famílias serão prejudicadas

    1. Triste pois sou simpático à marca, desde anos 70. mas 100 anos de Brasil, não é 100 dias…Creio que pelo menos, fique a unida
      de de Camaçari,,,na Bahia

  2. marcos Dametto disse:

    Curioso que a Ford, pioneira em caminhões no Brasil, não soube explorar o mercado, deixando a concorrência vir comendo pelas beiradas. Até mesmo a Volkswagen, que nunca teve tradição em caminhões , conseguiu suplantar a Ford. Politica equivocada e, talvez também, assistência de concessionarias não comprometidas com a marca.

    1. Zé Tros disse:

      Poderia ter explorado mais tbm o mercado de ônibius, haja vista que o chassi lançado em conjunto com a VW na época da Autolatina nasceu do Ford Cargo. No entanto, deixou a VW deitar e rolar no mercado e foi perdendo cada vez mais espaço. O resultado é esse aí.

  3. Tiago de Oliveira Cardoso disse:

    Péssima notícia.

  4. Imagino ter de lotear aquele parque gigantesco, remover tudo de lá, maquinários, leilão. São Bernardo não será mais a mesma.

  5. Flávio Moura disse:

    SBC esta perdendo sua força industrial metalúrgica varias empresas estão indo embora daqui

    1. Paulo Gil disse:

      Flávio Moura, boa noite.

      SBCampo, já perdeu sua força industrial seja metalúrgica ou não, faz muito tempo.

      São transformações que temos de aceitar pois não temos controle sobre elas.

      Modernidade; inovação, novas concepções, paradigmas, evolução, involução ??

      Difícil saber o que é, mas as mudanças chegam e são irreversíveis.

      Claro que a notícia é péssima, mas nada é pra sempre.

      Abçs,

      Paulo Gil

  6. Élcio disse:

    Multinacional visando luclo e os trabalhadores que vão pra fila do desenprego…caso realmente os trabalhadores percam seus empregos o brasileiro deveria boicota os outros produtos da marca e o Presidente dar incentivos as empresas que aínda acreditem no país.

    1. Zé Tros disse:

      Boicotando os outros produtos da marca, significa menos vendas e lucros menores. Ou seja é mais um motivo para fechar as outras fábricas, gerando ainda mais desempregos. Pensa um pouco mais.

    2. Raphael disse:

      Visão equivocada, pois logicamente toda empresa privada visa lucro afinal, que empresa que só dá prejuízo consegue se manter no mercado? Se boicotar as demais marcas, venderão menos, ganharão menos, menos interesse em investir, menos empregos e mais desempregados!

      1. Zé Tros disse:

        Ele fala em boicotar os outros veículos da Ford. No mais, concordo com tudo que vc disse.

  7. MarcoV disse:

    Triste. A FORD produz caminhões em SBC desde 1957. Produção durante 62 anos. Só da linha Cargo são 21 modelos.

  8. Rodrigo Zika! disse:

    A indústria automobilística, em particular a de carros, sempre tiveram isenções absurdas de impostos no país, e mesmo assim alegam prejuízo, mesmo com preços absurdamente altos, seja um automóvel, ou caminhão, comparando a qualquer país decente, e convenhamos, esse setor e problemático no Brasil, um país que vive de inflação, e carga tributária altíssima, quem não se programar da nisso, sinto pena quanto as demissões.

  9. Valdemar Giantorno disse:

    Nunca gostei dos carros da Ford manutenção caríssimo, difícil achar peça quando acha só na concessionária e olho da cara tchal Ford não vai fazer falta ,tem hundai, toiota, Honda ,da de 1000 a 0

  10. Valdemar Giantorno disse:

    Valdemar

  11. ANDRE FERNANDES disse:

    os prefeitos do abc sao ridiculos todos pequenos so pesao na familia e amigos o abc inteiro ta largado aqui em santo andre o baladeiro prefeito nao faz nada o que mais tem aqui e invasao de terrenos e galpoes de fabricas abandonados triste abc que de grande nao tem mais nada

  12. Raphael disse:

    O problema disso é até complexo no caso da Ford… e ainda se tratando de uma forte fabricante de caminhões, perderam mercado por erros de estratégia de marketing e comercial. Ainda aliado a problemas internos do nosso país: Inflação, carga pesada de tributos e encargos trabalhistas – é o “Custo Brasil”. O mais engraçado é que vão insistir em um erro que cometeram lá nos anos 90 e parecem que gostaram: a Autolatina. Já fizeram “Join-Venture” com a Volkswagem e saíram perdendo… Será que vão fazer uma parceria com a Volkswagem para o seguimento de veículos pesados? Isso é se render para o concorrente de joelhos… Pelo amor de Deus hein Ford! que decepção. Lamento aos trabalhadores que irão ficar na mão… Alguma coisa precisa ser feita para aumentar os investimentos na região do Grande ABC. Isso pode ir além de incentivos fiscais… pois depende de outros fatores da economia. Um grande perigo que fica, é isso acontecer com outras empresas, quando reduz as opções de oferta no mercado, aumenta o poder de grupos mais poderosos que podem ditar regras e preços de produtos do segmento, propício a algo que beira o monopólio de um segmento ou nicho específico…

Deixe uma resposta