Estado de São Paulo registra 5.459 mortes no trânsito em 2018

Número representa queda de apenas 3,5% com relação a 2017

JESSICA MARQUES

O estado de São Paulo registrou 5.459 mortes no trânsito em 2018. O número representa uma queda de apenas 3,5% com relação a 2017, quando foram 5.658 ocorrências.

Os dados foram divulgados pelo Infosiga SP, por meio do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, programa do Governo de São Paulo que visa reduzir o número de fatalidades causadas por acidentes de trânsito.

Em 2018, houve aumento no número de mortes nas regiões do centro, de Araçatuba, Bauru e Santos. Por outro lado, os índices recuaram em nove das 16 regiões administrativas, como Região Metropolitana da Capital, Barretos, Campinas, Marília, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, São José dos Campos, São José do Rio Preto e Sorocaba.

Em Franca e Itapeva, foi registrado o mesmo número de fatalidades no trânsito que em 2017, também segundo dados do Infosiga SP.

No estado, o balanço realizado pelo Movimento Paulista mostra que os motociclistas seguem liderando as estatísticas. Foram 1.889 ocorrências, alta de 0,3% na comparação com o ano anterior (1.830).

Por sua vez, os pedestres aparecem em seguida, com 1.461 vítimas e redução de -9,3% (1.611 casos em 2017). Em terceiro lugar, estão os ocupantes de automóveis, com 1.348 casos em 2018, aumento de 1,4% (1.329 no ano anterior). Por fim, o número de vítimas ciclistas foi de 393, aumento de 9,5% (355 ocorrências em 2017).

CAPITAL PAULISTA

Na capital paulista, o número de acidentes de trânsito no acumulado do ano de 2018 foi bem semelhante a 2017, sendo respectivamente 884 e 885, com um caso a mais.

O mês de dezembro foi o que apresentou maior número de óbitos em decorrência de acidentes de trânsito na cidade, com 778 ocorrências neste ano.

Ao longo dos meses, foi possível observar um aumento progressivo no número de mortes por acidente de trânsito, conforme mostra o gráfico do Infosiga SP.

Confira:

grafico

SANTO ANDRÉ

Em nota, a Prefeitura de Santo André informou que, mesmo sem radares móveis, o número de mostres no trânsito caiu 20% no acumulado do ano de 2018, comparado ao mesmo período de 2017.

Foram 45 óbitos em 2017 e 36 em 201. Segundo a administração municipal, a redução é resultado de diversas medidas de segurança viária e educação de trânsito.

Os números do Infosiga apontam que a grande maioria destas mortes registradas ainda são de pedestres (31), seguido de motociclistas (27) e automóveis (15).

“Para diminuir ainda mais essas mortes, a Prefeitura mantém um intenso trabalho de manutenção de toda sinalização de trânsito da cidade, com repintura de faixas de pedestres, limpeza de placas, recolocação de placas danificadas, instalação de semáforos, travessias elevadas, entre outras, que atendem a todas as regiões da cidade durante todo o ano”, informou a administração municipal, em nota.

Os números apresentados retratam os acidentes de trânsito na cidade após um ano do fim dos radares móveis. Mesmo sem a fiscalização eletrônica que não é sinalizada por placas, o número de acidentes caiu no município.

INVESTIMENTOS

Segundo informações do Governo do Estado, a maior parte (50,7%) das fatalidades acontece em vias municipais. Em 2018, 2.766 ocorrências foram registradas nas cidades, redução de 12,6% na comparação com o ano passado (3.164 óbitos).

“Como o Estado não atua diretamente na gestão dessas vias, o Movimento Paulista adota como uma das frentes de trabalho a realização de convênios com as Prefeituras”, informou o Movimento, em nota.

“Os convênios com o Governo de São Paulo destinam R$ 180 milhões para viabilizar mais de 8,2 mil intervenções propostas pelos municípios, como melhorias em acessos e implantação de sinalização e iluminação, além de projetos de educação e fiscalização. O recurso vem das multas aplicadas pelo Detran.SP, revertendo o dinheiro da infração em mais segurança no trânsito. Atualmente, 224 cidades são parceiras do programa, regiões que concentram 84% das ocorrências e 91% da população”, finalizou.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta