Vereadores aprovam Orçamento que reduz previsão de subsídios a ônibus em São Paulo

A prefeitura estima que os custos ficarão de novo em torno de R$ 3 bilhões. Foto: Adamo Bazani

Projeto segue para sanção ou veto do prefeito Bruno Covas. Votação ocorreu depois de sessão tumultuada por causa da reforma da previdência municipal

ADAMO BAZANI / JESSICA MARQUES

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira, 26 de dezembro de 2018, o Orçamento para o ano que vem. O valor representa cerca de 10% a mais que neste ano.

O Substitutivo do PL (Projeto de Lei) 536/18, do Executivo, estima a receita e fixa as despesas do Município para 2019.

Como já havia informado o Diário do Transporte na primeira votação da casa, os subsídios para o sistema de ônibus da cidade serão de R$ 2,69 bilhões (R$ 2.695.055.172,00).

A prefeitura estima que os custos ficarão de novo em torno de R$ 3 bilhões e, no projeto original, previa um valor de R$ 2,9 bilhões.

Entretanto, os vereadores criaram emendas ao projeto do executivo reduzindo o valor dos subsídios.

Assim, se mantidas as previsões de custos, serão necessários remanejamentos de outras áreas para cobrir os custos com as gratuidades e integrações, mesmo que em menores proporções do que ocorreu entre 2016 e 2018.

O texto foi aprovado em segunda e definitiva votação, após ser apresentado pela Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara. O Projeto de Lei fixa os gastos da cidade para o exercício de 2019 em R$ 60,5 bilhões.

O relator do Projeto de Lei, vereador Atílio Francisco, informou por meio de nota que os parlamentares apresentaram mais de seis mil emendas, mas que não foi possível atender a todas.

A votação ocorreu depois de uma sessão tumultuada por conta da reforma da previdência municipal, que também foi discutida nesta quarta.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    Quero ver o que isso vai dar, já que o ano que vem, a passagem vai subir com certeza.

Deixe uma resposta