Cuiabá vai exigir testes com ônibus híbridos e elétricos em licitação que deve ser lançada em abril

Cada lote da frota deverá ter 4 ônibus híbridos ou elétricos. Foto: Yago Andrade/Clique para ampliar

Possibilidade de VLT e investimentos de R$ 110 milhões também devem estar no edital

ADAMO BAZANI/ALEXANDRE PELEGI

O sistema de transportes municipais em Cuiabá, no Mato Grosso, deve ter testes com ao menos quatro ônibus de tecnologias menos poluentes, entre elétricos e híbridos, e receber investimentos de R$ 110 milhões.

Pelo menos é o que pretende a prefeitura que apresentou nesta semana, em audiência pública, as linhas gerais da licitação dos serviços.

De acordo com a Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), o edital da concorrência deve ser lançado no mês de abril de 2019.

Além disso, a pasta não descarta a possibilidade de implantação de um Veículo Leve sobre Trilho (VLT) municipal, que ficaria a cargo das empresas que ganharem a concessão de ônibus.

A licitação deve ainda exigir início de operações com, pelo menos, 33% da frota dotados de ar-condicionado. Em cinco anos, todos os ônibus devem ter equipamentos de refrigeração.

Em nota à imprensa, o secretário de mobilidade urbana de Cuiabá, Antenor Figueiredo, disse que recebeu na audiência pública sugestões para que a oferta de transportes seja ampliada.

“Convocamos essa primeira audiência pública para que a população pudesse contribuir neste processo, com sugestões que ajudarão a melhorar o atendimento à zona rural, a criação de novas linhas e tudo o que for necessário de uma forma geral”

Segundo a prefeitura, o modelo de transportes que foi sugerido na audiência pública e que será seguido no edital obedece a uma determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT).

A administração diz ainda que foi realizado um estudo que apontou “problemas relacionados aos terminais, linhas e qualidade dos ônibus.”

A atual concessão do transporte público de Cuiabá foi licitada em 2002, mas os contratos começaram a vigorar em junho de 2004, com prazo de duração equivalente a 10 anos.

Em 2009, foi assinado um termo aditivo e, em dezembro de 2012, o contrato foi estendido novamente por cinco anos.

Com isso, o contrato das empresas que operam o serviço de transporte público na capital expira em junho de 2019, e a intenção da prefeitura é lançar o edital de uma nova concessão ainda em 2018.

Com uma frota de 363 veículos, que operam cerca de 70 linhas, o transporte coletivo de Cuiabá atende a uma demanda anual de mais de 69 milhões de viagens.

TRANSPORTE COLETIVO É DESAPROVADO POR USUÁRIOS:

Uma pesquisa feita a pedido da Arsec (Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos Delegados de Cuiabá) revelou que a maioria dos usuários do transporte coletivo de Cuiabá avalia o serviço como regular, ruim ou péssimo. A coleta de dados foi realizada em julho deste ano. Veja os principais pontos:

– De 1.509 passageiros, 62,7% não avaliaram os ônibus da capital como um bom serviço prestado à população;

– 87% acreditam que o valor atual da tarifa, de R$ 3,85, não faz jus à qualidade dos serviços prestados;

– 57,2% dos passageiros avaliaram como regular, ruim ou péssima a condição de conservação dos ônibus, o que inclui limpeza e conforto; 42,7% consideram a conservação dos ônibus boa ou ótima.

– seis em cada 10 passageiros não confiam nos horários programados do transporte coletivo da capital; mais da metade afirmou acreditar que não chegaria ao destino no horário previsto, na ocasião em que o levantamento foi feito.

– 55,8% dos passageiros os consideraram ruim ou péssimo o estado dos pontos de ônibus instalados em Cuiabá; apenas 11,3% acreditam que as paradas sejam boas ou ótimas.

Adamo Bazani e Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta