Uber Juntos encerra tarifa fixa a R$ 5 na capital paulista

Desde o início desta semana, o valor cobrado por corrida varia de acordo com o trecho percorrido. Foto: Divulgação

Valor foi criado como plano de emergência após bloqueio da Marginal Pinheiros

JESSICA MARQUES

O Uber Juntos, serviço de viagens compartilhadas em carros particulares, encerrou nesta semana a tarifa fixa de R$ 5 na capital paulista. O valor foi criado como plano de emergência após o bloqueio da Marginal Pinheiros.

Desde o início desta semana, o valor cobrado por corrida varia de acordo com o trecho percorrido durante todo o dia. O valor promocional estava sendo válido das 7h às 10h e das 17h às 20h.

No sábado, 8 de dezembro de 2018, a Uber informou que a tarifa fixa se encerraria nesta semana. Em nota ao Diário do Transporte, a empresa informou que o valor deve ser conferido pelo passageiro.

“A Uber sugere que os usuários do Uber Juntos verifiquem o valor antes de concluir o pedido da viagem.”

O preço fixo começou a valer em 21 de novembro, uma semana após o viaduto da Marginal Pinheiros ceder. A modalidade Juntos, porém, foi lançada no final de outubro.

EMPRESAS DE ÔNIBUS DE SÃO PAULO REAGEM AO UBER COMPARTILHADO

Conforme publicado pelo Diário do Transporte no dia 22 de novembro de 2018, as empresas de ônibus da cidade de São Paulo já demonstram sua insatisfação com a modalidade “Uber Juntos”. O SPUrbanuss, que é o sindicato que representa as companhias do subsistema estrutural (ônibus maiores com linhas que passam pelo centro da cidade), protocolou uma carta ao secretário municipal de Mobilidade e Transportes, João Octaviano Machado Neto, pedindo que a prefeitura proíba a modalidade e a classifique como “transporte ilegal”.

Relembre: Empresas de ônibus de São Paulo pedem à prefeitura que proíba as atividades do Uber compartilhado na cidade

O documento é assinado pelo presidente da entidade, Francisco Christovam, e ainda pede fiscalização com maior rigor sobre a Uber e a intervenção do Ministério Público do Estado de São Paulo.

O presidente da NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, Otávio Cunha, que representa cerca de 500 empresas de ônibus em todo o País, disse em entrevista ao Diário do Transporte, que acredita que o “Uber Juntos” não é uma modalidade legal e que pode prejudicar as pessoas de menor renda ao reduzir a demanda do transporte coletivo.

Procurada pela reportagem do Diário do Transporte na época da matéria, a empresa Uber, por meio da assessoria de imprensa, disse que não iria comentar o assunto.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    Vejo com apreensão as tentativas d flexibilização de serviços públicos de interesse coletivo. Acontece que taxi, “uber” e ônibus fretados não são transporte público. Legalmente, são serviços de interesse público e também regulados pelo respectivo poder público responsável.

Deixe uma resposta