Prefeitura de Campo Grande realiza campanha contra abuso sexual dentro do transporte coletivo

Publicado em: 11 de dezembro de 2018

Pelo menos 100 mil pessoas utilizam o transporte público coletivo todos os dias, em Campo Grande, segundo a Prefeitura. Foto: Divulgação.

Ato realizado no Terminal Morenão teve como objetivo divulgar as ações

JESSICA MARQUES

A Prefeitura de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, está realizando uma campanha contra abuso sexual dentro do transporte coletivo. Nesta segunda-feira, 10 de dezembro de 2018, foi realizado um ato no Terminal Morenão para divulgar as ações.

Com o lema “O transporte é público, o meu corpo não!”, a campanha tem como objetivo divulgar o direito de as mulheres não serem importunadas e combater o abuso sexual.

“Não podemos aceitar nenhum tipo de abuso. O transporte coletivo é um direito de todas as pessoas e não podemos aceitar que as mulheres sejam vítimas de abuso, seja no ônibus ou em qualquer outro espaço coletivo”, disse a subsecretária de Políticas para a Mulher, Maritza Cogo.

Pelo menos 100 mil pessoas utilizam o transporte público coletivo todos os dias, em Campo Grande, segundo a Prefeitura.

Durante o ato, o secretário de Segurança e Defesa Social, Valério Azambuja, informou que a Prefeitura está intensificando a abordagem nos terminais de ônibus.

“As medidas que estamos tomando, somadas às ações e campanhas como essa de hoje, estão dando resultados bastante positivos. A partir do momento em que as pessoas denunciam e os casos começam a aparecer e, as pessoas entendem que estão sendo observadas dentro dos ônibus, é natural que esses tipo de abusos, de cunho sexual, tende a diminuir ou até mesmo acabar”.

O secretário também aproveitou o momento para orientar mulheres que passarem por esse tipo de abuso e passageiros que presenciarem o crime.

“Quando uma mulher se sentir incomodada ou alguém observar um comportamento suspeito dentro do transporte coletivo, deve imediatamente comunicar o motorista que, irá acionar a polícia municipal ou a polícia, através dos números 153 ou 190, e encaminhar o suspeito para que sejam tomadas as medidas cabíveis”, completou Azambuja.

IMPORTUNAÇÃO SEXUAL É CRIME

Em 24 de setembro de 2018, o então presidente interino da República e ministro Dias Toffoli sancionou uma lei que torna crime importunação sexual e aumentou a pena para estupro coletivo.

Com a lei sancionada, agora importunação sexual é crime. Caracteriza-se como tal o ato libidinoso praticado contra alguém sem autorização. A pena prevista é de um a cinco anos de cadeia.

Relembre: Presidente interino da República sanciona lei que torna crime importunação sexual

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta