Vamos passear de Gabriela?

Ônibus são de 1980, com chassi LPO-1113 Mercedes-Benz. Foto: Adamo Bazani

Diário do Transporte realizou no último domingo uma viagem especial entre Santo André e São Paulo em dois Caio Gabriela que são estrelas de TV e do cinema

JESSICA MARQUES / ADAMO BAZANI

Como já mostrou o Diário do Transporte, o Caio Gabriela é um dos ônibus mais marcantes da história do transporte urbano brasileiro. O modelo esteve presente em praticamente todas as cidades entre meados dos anos 1970 até, por incrível que pareça, o início dos anos 2000, já que esse veículo é bastante resistente.

O Gabriela marca a memória de muitos apaixonados pelos transportes e também conta um pouco da evolução das cidades.

Neste último domingo, 25 de novembro de 2018, o Diário do Transporte fez uma viagem entre Santo André, no ABC Paulista, e a BBF (BusBrasil Fest), evento que reúne ônibus antigos e novos no Pacaembu, na Zona Oeste da capital.

A viagem não foi feita em um, mas em dois Caio Gabriela, que são verdadeiras estrelas de cinema. Por volta das 7h, a equipe já estava a postos em um desses veículos no Parque Capuava, em Santo André.

O serralheiro Rogério Soria, 44 anos, levou a equipe com seu Caio Gabriela II, 1980, chassi LPO-1113 Mercedes-Benz, para encontrar seu amigo no bairro Camilópolis, também em Santo André. O advogado Regis Carvalho possui um ônibus que traz as mesmas configurações.

A viagem, muito mais do que um passeio entre as duas cidades da Região Metropolitana, foi uma volta no tempo, contextualizada por elementos do dia a dia. No caminho, o Expresso Tiradentes exemplificou o contraste da evolução do sistema de transportes.

Ver os dois ônibus dos anos 1980 ao lado de modelos atuais da mesma marca, como o Caio Millennium BRT e o Caio Apache VIP, também permitiram ter um gosto do que seria a BBF: uma reunião de veículos do transporte coletivos, novos e clássicos, traçando uma linha do tempo cheia de memórias e sensações para que viveu nas duas épocas e imaginação para os mais jovens.

MODELOS CHEIOS DE HISTÓRIA

O Caio Gabriela de Regis Carvalho é oriundo do sistema de transportes de São Paulo. Operou com o sistema saia e blusa pela Viação Brasil Luxo, ostentando o prefixo 01 221.

“Eu o comprei do proprietário das empresas VIASA (Viação Sarri, urbana de Barretos) e Viação Guairense (urbana de Guaíra), ambas vizinhas e localizadas no norte do estado de São Paulo distantes a 450 quilômetros da capital”, contou Carvalho.

O ônibus foi usado em ambas as empresas no serviço de transporte regular de passageiros e depois no transporte escolar.

“Uma semana antes de ele ser desmontado eu o comprei pra preservar. Eu gostaria muito de fazer com que ele volte a utilizar as cores da antiga empresa paulistana. Um amigo se predispôs a fazer uma ponte junto ao proprietário da antiga Viação Brasil Luxo e conseguir autorização e para voltar a usar as cores branco e marrom e também verificar se ele pode ostentar o nome da empresa”, afirmou o proprietário do veículo.

Confira abaixo as fotos do Gabriela de Regis Carvalho:

1c5f126f-f995-4ac2-8c6a-a56906389122

 

8bda45b6-081d-4887-82f5-b92e0bfb6c7d

25eb234a-81aa-4246-a82b-b356daf731c0a9048b5c-3272-4d49-a857-5f90f673a5fe

5cd8f4f2-6a9e-4869-b798-9322dacff143

Desde 1980 até ir parar na frente da casa de Rogerio Soria, no Parque Capuava, em Santo André, o Caio Gabriela também percorreu uma longa trajetória.

Inicialmente, o ônibus operou na Viação Eroles, que encerrou as atividades em 2009. A informação obtida por Carvalho e Soria foi que a empresa comprou o ônibus zero quilômetro.

94d1f73b-54f2-464f-bba1-abb59abc635e.jpg

Na época da Viação Eroles, a pintura era toda amarela, até o teto, e as linhas operadas eram municipais. Desta forma, o Caio Gabriela de Soria ficou por muito tempo rodando apenas em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo.

Após rodar como o carro 383 durante quase 20 anos, a Eroles vendeu o ônibus para a Peles Polo Norte (fabricante de roupas), em 1998. Ambas as empresas ficavam localizadas em Mogi.

01e614bd08abd730e021856d22f3a2dc.jpg

Depois da Peles Polo Norte, o Caio Gabriela LPO-1113 foi para Ferraz de Vasconcelos, também na Região Metropolitana de São Paulo, para rodar como ônibus escolar.

“O pai da minha amiga fez transporte escolar com esse ônibus alguns anos em Ferraz de Vasconcelos e, posteriormente, quando ele perdeu a licitação pela idade do ônibus, ele agregou à frota para trabalho no Rodoanel. Há três anos, foi quando o ônibus parou de trabalhar”, contou Soria.

Escolar

Nas obras do Rodoanel, o ônibus foi responsável pelo transporte de funcionários de 2013 até 2015, sem perder a pintura característica de escolar.

“Esse ônibus por dentro era cheio de barro. A gente precisou fazer várias lavagens para tirar o excesso de barro. Aqueles foram os últimos anos de trabalho do ônibus. Agora só está servindo para passeio e deleite”, disse Soria.

Escolar2

Leia mais em HISTÓRIA: Quantas memórias cabem em um Caio Gabriela?

Assista ao vídeo da ida até a BBF e viaje com a gente nessa linha do tempo:

ESTRELAS DE CINEMA

Como se já não bastasse estar em dois Caio Gabriela que marcaram época na história do transporte público brasileiro, os dois ônibus da década de 1980 são verdadeiras estrelas da televisão e do cinema.

O Gabriela de Regis Carvalho participou do filme Nada a Perder, do Bispo Edir Macedo. No longa, o ônibus precisou ser submetido a uma colisão com um fusca.

Depois de muitas gravações para resultar em uma cena, o coração de Regis Carvalho precisou ser forte a cada batida.

“Eu ficava preocupado com a caixa de baterias e eles me diziam para ficar sossegado, que não ia acontecer nada com o ônibus”, disse.

Foi dito e feito. O resultado da batida está no veículo até hoje: apenas um risco. A marca na lataria demonstra a resistência da carroceria de um Caio Gabriela 1980.

A cor que o Caio Gabriela traz hoje na carroceria é a última que foi feita para o filme.

Confira os vídeos da gravação:

Veja a cena final:

O Gabriela de Rogerio Soria também participou das gravações do filme, mas acabou não aparecendo na cena final.

Após a participação no longa, que foi gravado no Rio de Janeiro, o Caio Gabriela de Soria também recebeu nova pintura e hoje permanece com as características que foram exibidas no longa-metragem.

Por esse motivo, o veículo tem a identificação do Rio de Janeiro na carroceria, mesmo sem ter rodado no transporte público do estado. Os dizeres são da antiga CTC – RJ (Companhia de Transportes Coletivos do Estado do Rio de Janeiro).

Este slideshow necessita de JavaScript.

O ônibus também apareceu em uma propaganda da NET, bem no fim do vídeo. Posteriormente, foi indicado para a filmagem em um comercial da Vivo, com Gabriel Jesus.

Confira o comercial da NET com participação do Caio Gabriela:

Veja o vídeo gravado para o período da Copa do Mundo, neste ano:

“Foram feitas cinco filmagens e em cada semana que o Brasil fosse passando na classificação da Copa do Mundo, ia rodar um trecho em que o ônibus aparece. Foram três passagens, porque o Brasil foi eliminado na terceira rodada”, contou Soria.

Atualmente, os dois ônibus estão disponíveis para fazerem participações nas telas, trazendo toda a história que pode ser contada por meio de memórias, despertadas por um ronco de motor, um estofado de banco e a imponente presença de um Caio Gabriela.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

1 comentário em Vamos passear de Gabriela?

  1. Rararara. To muito bem então na Bahia so ando de Caio Amélia e Caio Gabriela sem falar em alguns Picolino que aparece por la. Entendo que um desses por aqui é muito raro, e andar num desses por essa cidade maluca deve ser vem dahora.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: