Prefeitura de Niterói vai lançar edital de licitação para compra de 40 ônibus elétricos

Estação do BHS de Charitas, já pronta. Foto: Divulgação

Veículos a bateria serão utilizados nas linhas do BHLS TransOceância

JESSICA MARQUES

A Prefeitura de Niterói vai lançar um edital de licitação para a compra de 40 ônibus elétricos. Segundo informações da imprensa local, os veículos a bateria serão utilizados nas linhas do BHLS TransOceância.

A TransOceânica terá um corredor viário de 9,3 quilômetros de extensão, passando por 12 bairros da Região Oceânica e beneficiando 125 mil moradores, segundo informações da Prefeitura.

A compra dos ônibus elétricos será feita por um pregão para ata de registro de preços. O valor de cada unidade foi estimado em R$ 1.299.000,00, totalizando um investimento de R$ 51.960.000,00.

Os ônibus serão cedidos pela Prefeitura por tempo determinado para o consórcio, que vai operar o sistema de transportes da TransOceânica. O consórcio também está adquirido 43 novos veículos a diesel para o BHS, conforme publicado pelo portal O Fluminense.

Os veículos que serão adquiridos terão ar-condicionado e porta dos dois lados, no nível da calçada. Os ônibus terão autonomia mínima com carga completa da bateria para 200 quilômetros.

Um estudo da WRI Brasil, ONG internacional especializada em mobilidade urbana sustentável, mostra que a operação de ônibus elétricos na TransOceânica pode promover uma redução de 47% na emissão de gases de efeito estufa na Região Oceânica de Niterói.

Segundo o levantamento, em 15 anos a redução será equivalente ao plantio de árvores em uma área ocupada por 2.510 campos de futebol.

“Após mais de 40 anos de promessas, tiramos o túnel Charitas-Cafubá do papel em um prazo recorde, menos de dois anos. E, em menos de três anos, estamos entregando uma nova Francisco da Cruz Nunes, com um corredor de transporte, mobilidade e uma rede de ciclovias, sobretudo com uma avenida que antes era uma estrada precária, sem iluminação, sem infraestrutura, sem drenagem, sem pavimentação, que terá o primeiro BHLS do Brasil e o primeiro com ônibus elétricos da América do Sul”, disse Rodrigo Neves, ao portal O Fluminense.

O estudo da WRI Brasil fez uma comparação entre a atual frota movida a diesel e a nova, com 20 ônibus elétricos em uma primeira etapa e posteriormente mais 20.

Foi levado em consideração que as emissões de dióxido de carbono e de poluentes locais de uma determinada frota variam em função consumo de combustível (L/100 km), fator de emissão (g/L ou g/km), número de veículos e distância anual percorrida (km/ano). Os poluentes locais que calculados são o óxido de nitrogênio (NOx) e material particulado (MP).

“O WRI Brasil impulsiona a adoção de ônibus limpos através de uma ferramenta que compara os custos e as emissões de frotas de ônibus urbanos com diferentes características. Os resultados podem auxiliar os tomadores de decisão no planejamento e transição para frotas mais limpas”, disse o professor Luis Antonio Lindau, Ph.D em transportes, e diretor do programa de Cidades do WRI Brasil.

Conforme noticiado pelo Diário do Transporte, a construtora Pimentel & Ventura venceu a licitação para construir as 11 estações de embarque e desembarque.

Relembre: Prefeitura de Niterói divulga empresas que farão as 11 estações restantes do Corredor BHS Transoceânica

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta